Marcelo Aguiar acompanha Magno Malta em CPI da pedofilia

Marcelo Aguiar acompanha Magno Malta em CPI da pedofilia

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:30

Por Adriana Amorim

O vereador de São Paulo (SP), Marcelo Aguiar, viaja nesta semana, nos dias 16 e 17 de março,  para a cidade de Catanduva, interior do estado. O objetivo é acompanhar o trabalho da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) federal da pedofilia, presidida pelo senador Magno Malta. Catanduva recebeu cerca de 40 denúncias de abuso sexual contra crianças. Em São Paulo, Aguiar é o presidente da comissão instaurada na prefeitura no iníco de março. A viagem representa para o verador aprendizado: "Ver o que é uma pessoa dar um depoimento, principalmente quem é envolvido com a pedofilia, quem é realmente um pedófilo, qual a característica de um pedófilo, principalmente pelo fator de ser uma patologia, uma doença que não tem cura dentro do diagnóstico de patologia. Vivenciar tudo isso acompanhando".

Para Aguiar, o trabalho realizado por Magno Malta e pela CPI do Senado tem permitido que muitos casos venham à tona e que pais e crianças sintam-se encorajados a falar sobre o assunto: "O bom de ter uma CPI assinada pela Câmara de vereadores é que a gente consegue dar uma atenção mais focada à cidade de São Paulo. Quando fica pulverizada em todo o estado, em toda esfera federal, em todo o Brasil, é muito trabalho para um homem só. O senador tem sido de uma gentileza, de uma nobreza muito grande, porque está cedendo esse material e o mais importante, trabalha em conjunto".

O vereador de São Paulo também se preocupa com o acompanhamento do pedófilo após a punição. "Se essa pessoa não é tratada, não é acompanhada, o que acontece após a punição, dentro do diagnóstico, é que a pessoa ao voltar a ter contato com crianças desperta esse desejo, por ser um desvio de caráter, de conduta, então a grande preocupação é essa [...] A gente quer desenvolver um trabalho ao longo desse tempo de CPI com psicólogos, pessoas na área da saúde", afirma. O acompanhamento também será estendido às crianças vítimas de abuso sexual.

Questionado sobre o temor com ameaças, Aguiar expõe: "Eu acho que o que tinha que acontecer com relação a ameaças, esse alarde todo, ele mesmo (Magno Malta) já foi a pessoa que pagou o maior preço, o pioneiro de tudo isso [...] É lógico que sem dúvida você está colocando a mão em algo muito delicado, numa situação dessa você não sabe o que pode acontecer e as situações com as quais você pode deparar-se ao longo dessa CPI. Pedi para a presidente da casa um delegado para acompanhar toda a instauração e todas as vítimas que possam ser ouvidas, e também um promotor público, do próprio ministério estadual, que possa acompanhar esse trabalho. Mas a maior preocupação é não realizar, não enfrentar o problema. A maior segurança nossa é saber que Deus não nos coloca em algum lugar para sermos envergonhados, e saber que nosso papel é dar uma resposta à sociedade. É um assunto que tem vindo à tona, tema de vários jornais, programas de televisão diários. A gente não pode fechar os olhos para isso".

Primeira reunião em São Paulo

A primeira reunião da CPI da pedofilia em São Paulo acontece no próximo dia 19 de março. Estarão presentes os vereadores Carlos Alberto Bezerra Jr., como relator; Quito Formiga, vice-presidente da CPI; Juliana Cardoso; Sandra Tadeu, Netinho de Paula; e Floriano Pesaro. "São sangue novo, têm vontade de trabalhar, [...] Vários parlamentares que com certeza estarão somando.

Foto: Getúlio Camargo

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame