Jovens cristãos usam férias para limpar casas afetadas por enchente no interior do RJ

Voluntários ajudaram moradores após episódio ocorrido no início de janeiro. Ao todo, 25 casas foram beneficiadas por ação do grupo.

Fonte: Guiame, com informações do AdventistasAtualizado: sexta-feira, 29 de janeiro de 2021 16:59
Grupo conseguiu limpar 25 casas de moradores da cidade. (Foto: Divulgação)
Grupo conseguiu limpar 25 casas de moradores da cidade. (Foto: Divulgação)

Quando chega o mês de janeiro, a juventude fluminense já sabe o que fazer: arrumar a mochila para o projeto Missão Calebe. Neste ano, mais mil jovens atenderam ao chamado para as atividades missionárias e projetos sociais desenvolvidos durante as férias na região Central do Rio.

Para os participantes de Três Rios, município do interior, a missão precisou ser antecipada por conta de uma calamidade. Eles estavam na igreja, durante um culto de domingo, quando a chuva começou, por volta das 19h30. Em menos de três horas, veio o alerta da Prefeitura: estado de calamidade pública devido ao risco de novas tempestades e alagamentos. A água invadiu casas, arrancou asfalto em diversos pontos e fez com que moradores fossem resgatados com botes.

A liderança jovem decidiu iniciar a Missão Calebe imediatamente. Na segunda-feira (11) pela manhã, eles acionaram a Defesa Civil para saber como poderiam ajudar. A primeira ação era fazer a retirada de tudo o que estivesse danificado dentro das casas, para que a Prefeitura pudesse recolher todos os móveis e eletrodomésticos inutilizados pela enchente. “Éramos poucos, em torno de 12 jovens ainda, mas cada ajuda em momentos assim é sempre bem-vinda”, relembra o líder de jovens da região de Três Rios e Paraíba do Sul, Pedro Henrique Lopes.

A região de Várzea do Otorino teve a marca de 1,7m com lama nas paredes. No local, os voluntários conseguiram ajudar a limpar em torno de 25 casas. Entre elas, de alguns membros da Igreja Adventista, como o casal Emanoel, 83 anos, e Darcília Corrêa, de 77, que moram com a filha, Suely Corrêa. Eles assistiam ao culto pela TV Novo Tempo quando a filha avisou que a água estava dentro de casa.

“Só deu tempo de salvar nossos mantimentos. Perdemos praticamente todos os nossos móveis. Por volta das 2h da madrugada foi que a água começou a baixar”, salienta Darcília, que chama os calebes de ‘jovens de ouro’. “Eles são nota mil! Muito animados, sorridentes e dispostos! Se não fosse por eles, talvez a minha casa estaria suja até hoje. Eles ajudaram a todos que precisavam, foram sensacionais! A semana inteira, eles não pararam. Essa Missão Calebe não pode acabar nunca! Eles agora fazem parte da nossa família!”, destaca.

Família e cachorros salvos da enchente

Roberta Chaves tem 21 anos, é estudante de Engenharia da Computação e liderou, pela primeira vez, a equipe de Calebes de Três Rios. Ela conta que eram cenas tristes espalhadas por todo lugar. “A enchente do dia 11 foi devastadora. Eram tantos pontos alagados que não conseguimos ajudar a todos. De todas as casas, a que mais me marcou foi a da Celina, uma mãe solteira com duas crianças pequenas, de 2 e 3 anos, ainda com o pai idoso e mais um canil”, salienta Roberta.

A família da Celina foi uma das que recebeu alimentos, dos 250 quilos arrecadados pelos voluntários. Assim que os jovens souberam da situação deles, foram imediatamente limpar a casa cheia de lama. Celina conta que já passou por duas enchentes ali, mas nenhuma com essa proporção.

Cozinha da casa de Darcília e Emanoel. “Só deu tempo de salvar os mantimentos”. (Foto: Divulgação)

“Naquela noite, a chuva foi tão forte que em pouco tempo Celina viu tudo se acabando. Ela tentou salvar o máximo de coisas, mas foram bem poucas que sobraram. Seu pai, Ubirajara, disse que a água batia no peito e quando Celina conseguiu sair da casa, a água já estava no pescoço. Com ajuda dos vizinhos, eles conseguiram salvar a todos e Celina não deixou a casa até conseguir salvar também seus animais”, descreve Roberta.

Campanhas solidárias

Os calebes também fizeram campanha para arrecadação de alimentos, água, roupas, calçados e itens de higiene e limpeza. Entre as doações, eles conseguiram também fogão, geladeira, colchões e até uma cama. “Foi muito triste ver tantas pessoas perderem quase tudo. Teve uma senhora com a filha, que estava com a mudança arrumada nas caixas. Em três dias o caminhão faria o transporte. Elas viram suas coisas encaixotadas sendo perdidas e não puderam fazer quase nada”, afirma Pedro Henrique Lopes, líder distrital de Três Rios e Paraíba do Sul, que também ajudou na limpeza das casas.

Robson Pereira é o pastor que lidera os jovens na região Central do Estado do Rio de Janeiro. Ele comenta que, a princípio, ficaram preocupados em como seria neste ano, com a pandemia. “Durante os treinamentos, orientamos os jovens sobre os cuidados de distanciamento social, higiene das mãos e uso de máscaras todo o tempo. Mas centenas de jovens não tiveram medo e enfrentaram as adversidades em parceria com seus pastores e coordenadores locais”, ressalta Pereira.

Pereira visitou a missão Calebe de Três Rios no dia 13 e conta que em alguns pontos a água chegou a 2 metros de altura. Neste dia, ele conheceu Thais, uma senhora que passou três dias sem poder entrar em casa devido à enchente. “Os calebes quebraram uma janela para conseguir entrar e limpar a casa. Eles foram verdadeiros heróis”, ressalta.

Siga-nos

Mais do Guiame