Igrejas filiadas ao governo da China levam membros a obedecer o Partido Comunista

Para continuar existindo legalmente, muitas igrejas se unem ao PCC e pregam o “amor ao Partido, ao país e ao socialismo”, conforme a ordem do ditador.

Fonte: Guiame, com informações de Christian PostAtualizado: terça-feira, 22 de junho de 2021 14:45
19º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, em 24 de outubro de 2017. (Foto: ReutersJason Lee)
19º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, em 24 de outubro de 2017. (Foto: ReutersJason Lee)

No dia 1º de julho, o Partido Comunista Chinês (PCC) vai completar 100 anos e está fazendo uma série de seminários e uma grande campanha publicitária para marcar a data.

Durante o planejamento para as celebrações, as igrejas filiadas ao governo devem participar de vários eventos que buscam “glorificar o governo de partido único” que tem perseguido as comunidades religiosas.

No mês passado, a Associação Católica Patriótica Chinesa, no distrito de Jiangbei, na cidade de Chongqing, realizou um evento chamado “Gratidão e Louvor pela Peregrinação do PCC em homenagem a Santa Maria”, de acordo com a organização americana contra a perseguição religiosa, International Christian Concern.

Haverá união entre Igreja e Estado?

Alguns membros da organização americana visitaram as igrejas de Chongqing que realizaram a “Missa da Bênção do PCC”, que aconteceu em forma de reunião de adoração, segundo relatos desses membros. O padre que realizou a missa, Ding Yang, declarou que “a Igreja deve unificar o amor ao Partido, ao país e ao socialismo”. 

“A igreja precisa falar ousadamente sobre política, ao mesmo tempo em que fala sobre a fé, de acordo com a lei”, também disse o padre. Em 2019, o presidente da China, Xi Jinping disse praticamente o mesmo. “A essência do patriotismo é ter amor unificado pelo país, pelo Partido e pelo socialismo”, afirmou em reunião realizada no dia 30 de abril. 

“Deus escolheu o Partido Comunista Chinês”, escreveu Liu Yuanlong, vice-presidente da CPCA e membro do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, numa nota de congratulações. 

Depois, Liu citou Provérbios 11.14: “Sem diretrizes a nação cai; o que a salva é ter muitos conselheiros”, para mostrar seu apoio público ao PCC. Além disso, ele incentivou os membros da igreja a “ouvir” e “seguir” o partido liderado por Xi Jinping.

Antes da celebração do centenário do PCC, as autoridades chinesas reforçaram a segurança em todo o país, especialmente na capital, Pequim.

“A China foi transformada numa prisão”

De acordo com o Epoch Times, um cidadão chinês protestou dizendo que “a China foi transformada numa prisão”. 

Em 20 de março, 18 departamentos, incluindo o Ministério de Assuntos Civis, o Departamento Central de Propaganda e o Comitê Central de Assuntos Políticos e Jurídicos, lançaram em conjunto uma campanha especial de três meses e meio para “suprimir organizações sociais ilegais”.

A mídia estatal Xinhua informou que mais de 500 “organizações sociais ilegais” foram identificadas e colocadas sob investigação. Sob a direção do Presidente Xi, os oficiais do PCC estão impondo controles rígidos sobre a religião, de acordo com um relatório da China Aid. 

Vale lembrar que as igrejas não cadastradas são consideradas clandestinas e os simples cultos domésticos são considerados “ilegais”. Os cristãos, tanto em igrejas oficiais, quanto em igrejas domésticas, foram obrigados a hastear a bandeira chinesa e cantar canções patrióticas durante os cultos.

Repressão ao cristianismo

As autoridades na China continuam com sua forte repressão ao cristianismo,  removendo os aplicativos de Bíblia e as contas públicas do Christian WeChat, à medida que novas ordens administrativas altamente restritivas contra funcionários religiosos entraram em vigor este ano.

Conforme a Portas Abertas, a China é o 17º pior país do mundo no que diz respeito à perseguição aos cristãos. Além disso, a organização observa que todas as igrejas são vistas como uma ameaça, caso se tornem muito grandes, muito políticas ou caso convidem visitantes estrangeiros.

O Departamento de Estado dos EUA classificou a  China como um “país de preocupação especial por continuar a se envolver em violações particularmente graves da liberdade religiosa”. 

Mas os cristãos não são os únicos a enfrentar a perseguição nas mãos do PCC. As estimativas sugerem que de 1 a 3 milhões de uigures e outros muçulmanos étnicos foram submetidos a campos de “reeducação chinesa” na província de Xinjiang, onde são ensinados a serem “cidadãos seculares que se alinham com o PCC”.

Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA reconheceu o tratamento dado pela China aos uigures como um “genocídio”. A China também teria violado os direitos dos praticantes do Falun Gong e budistas tibetanos. 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições