Igrejas do Quênia proíbem políticos nos púlpitos: “Contamina a santidade do culto”

Líderes evangélicos e católicos afirmam que os políticos podem ir à igreja, mas apenas para assistir os cultos.

Fonte: Guiame, com informações do Christianity TodayAtualizado: sexta-feira, 15 de outubro de 2021 12:47
Joseph Ntombura, bispo da Igreja Metodista no Quênia, ora pelo ex-governador de Nairóbi Evans Kidero em 2015. (Foto: Fredrick Nzwili/RNS)
Joseph Ntombura, bispo da Igreja Metodista no Quênia, ora pelo ex-governador de Nairóbi Evans Kidero em 2015. (Foto: Fredrick Nzwili/RNS)

Algumas igrejas no Quênia impediram os políticos de subir aos púlpitos, afirmando que fazer campanha eleitoral durante as reuniões desrespeita a santidade do culto.

As proibições foram emitidas pelas igrejas anglicanas, presbiterianas, católicas e evangélicas, enquanto políticos estão em campanha para as eleições do próximo ano. Os metodistas, no entanto, decidiram manter as portas da igreja abertas para o debate político.

Joseph Ntombura, bispo presidente da Igreja Metodista no Quênia, disse que a denominação não discorda do posicionamento, mas está adotando uma abordagem diferente. Ele acredita que fechar as portas aos políticos significaria discriminar alguns de seus membros.

“A igreja é para todas as pessoas”, disse Ntombura à RNS. “Os seres humanos são políticos, então não há nada de errado em convidar os políticos para a igreja”.

O bispo acredita que as congregações precisam ouvir a opinião dos políticos sobre questões de interesse nacional. Ntombura lembra que sua igreja já convidou especialistas para falar às congregações sobre assuntos importantes, e os políticos não são diferentes.

“Alguns dos políticos são nossos pastores”, ele observou.

Cerca de 85% da população do Quênia é cristã. Dentro deste grupo, 33% são de denominações protestantes históricas e 21% são católicos. O restante pertence a denominações evangélicas, pentecostais e africanas. Já os muçulmanos representam 11% da população.

Ao decretar a proibição da politicagem na igreja, as denominações disseram temer que os cultos se tornassem comícios e que os candidatos usassem uma linguagem que beirava o discurso de ódio, na tentativa de ganhar votos ou influenciar os pontos de vista dos fiéis. 

No passado, alguns políticos usaram os cultos para “vender” suas agendas políticas ou criticar seus oponentes. Alguns até apareceram em igrejas com grandes quantias de dinheiro, para oferecer como ofertas ou doações para projetos da igreja.

Púlpito é para pregadores, bancos são para todos

O esforço de não-politicagem, iniciado pela Igreja Presbiteriana da África Oriental em julho, ganhou impulso em setembro quando o arcebispo Jackson Ole Sapit, primaz anglicano do Quênia, anunciou a proibição em sua igreja.

“Todos são bem-vindos nas igrejas, mas temos os bancos e o púlpito”, disse Ole Sapit em 12 de setembro. “O púlpito é para o clero e os bancos para todos os que vêm ao culto.”

Em 15 de setembro, os bispos católicos romanos disseram que seus locais de culto e liturgia eram sagrados e não eram arenas políticas. Eles exortaram os políticos a assistir à missa como qualquer outro devoto.


Líder da oposição do Quênia, Raila Odinga, recebe orações de pastores em culto em Nairóbi, em 2008. (Foto: Reuters/Thomas Mukoya)

Em 17 de setembro, a Aliança Evangélica do Quênia (EAK) anunciou uma proibição semelhante, citando “muitos casos” de líderes religiosos negligenciando seu “dever de garantir que as liberdades de todos os fiéis sejam protegidas, sem violação por políticos visitantes”.

“Não se deve permitir que os políticos explorem e abusem de seus privilégios como líderes, violando o local de culto por meio de politicagem na igreja”, disse o presidente do EAK, David Oginde, e o secretário-geral Nelson Makanda, em um comunicado à imprensa. “Isso é uma desonra para Deus, contamina a santidade do culto e viola os direitos dos adoradores.”

“Qualquer discurso desses líderes deve ser limitado apenas a saudações e não a politicagem na igreja. Diferentes tradições da igreja têm maneiras diferentes de reconhecer os visitantes; tal tradição deve ser mantida desde que honre a santidade do culto”, declararam os líderes do EAK. “Ofertas e presentes dados por políticos visitantes devem ser tratadas como qualquer outra oferta, em obediência à escritura de que a mão esquerda não deve saber o que a direita deu (Mt 6:3).”

Histórico de conflitos nas eleições

Analistas dizem que as igrejas estão tentando recuperar sua posição como “árbitros honestos” em um país onde as eleições costumam gerar conflitos violentos.

O mais mortal ocorreu entre dezembro de 2007 e janeiro de 2008, em dois meses de combates étnicos que deixaram pelo menos 1.000 mortos e mais de 600.000 desabrigados. Entre eles, 30 pessoas, principalmente da etnia Kikuyu (a maior tribo do Quênia), foram queimadas vivas em uma igreja da Assembléia de Deus na vila de Kiambaa.

Henry Njagi, gerente de programa e informação do Conselho Nacional de Igrejas do Quênia, disse que a resistência às diretrizes da Igreja sobre o discurso político corre o risco de uma repetição dos eventos de 2008.

“Quando as coisas deram errado, eles se viraram e acusaram a igreja de ficar em silêncio e abandonar os quenianos”, disse Njagi. “Então, agora é um apelo aos políticos, candidatos e outras partes interessadas para ouvir a igreja... E parar de politicagem tóxica.”

Embora os políticos não tenham estado tão presentes nas mesquitas, os líderes muçulmanos dizem que apoiam a proibição. “Eu apoio os líderes cristãos. Essa proibição está muito atrasada”, disse o xeque Hassan Ole Naado, presidente nacional do Conselho Supremo dos Muçulmanos do Quênia.

Ele acrescentou que os muçulmanos não estavam enfrentando o problema no momento. “Quando você vai a um local de culto, sabe o que deve fazer. Eles estão se aproveitando das pessoas que se reúnem para a adoração. Isso não deveria acontecer”, disse Ole Naado.

Siga-nos

Mais do Guiame