Igreja na Coréia do Sul completa 50 anos com cerca de 800 mil membros

Igreja na Coréia do Sul completa 50 anos com cerca de 800 mil membros

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 10:07

Cerca de 800 mil membros, mais de 500 pastores e nada menos que oito cultos por domingo, traduzidos para oito idiomas e veiculados ao vivo pela internet. Os números grandiosos são a principal característica da Yoido Full Gospel Church (Igreja do Evangelho Pleno de Yoido), na Coréia do Sul. Agora em maio, a megacongregação completa 50 anos e consolida o modelo de células, que ajudou a disseminar como uma das soluções para o cristianismo contemporâneo. Não poderia mesmo ser diferente – com um rebanho tão grande, só mesmo em pequenos grupos é possível manter um mínimo de acompanhamento a seus fiéis. Reconhecida pelo Guinness Book como a maior igreja evangélica do planeta, a Yoido Full Gospel está na base de um dos movimentos mais expressivos do protestantismo contemporâneo.

A história da igreja se mistura com a de seu fundador, o célebre pastor David Yonggi Cho. Ministro ligado à Assembléia de Deus, ele criou um método de oração influenciado pela filosofia budista e técnicas de yoga, que se constitui numa espécie de pensamento positivo espiritual. Partindo do princípio de que o cristão tem a capacidade de trazer tudo à existência pela fé, Cho escreveu o best-seller A quarta dimensão, livro que provocou uma revolução na vida de milhões de pessoas ao redor do mundo – e também bastante controvérsia. Polêmica, aliás, é o que não falta na trajetória do líder sul-coreano. Há cerca de 15 anos, ele causou estranheza ao revelar que estava trocando seu nome de batismo, Paul, por David. Tal mudança aconteceu devido a uma visão em que, após ter se encontrado com sua falecida mulher e figuras bíblicas como Abraão e Davi, Cho teria sido instruído pelo próprio Deus a mudar de nome, numa espécie de “ressurreição” pessoal.

Pequenos grupos – Inaugurada em maio de 1958, a Igreja do Evangelho Pleno funcionou inicialmente numa tenda. Mais tarde transformado em templo, o espaço tem capacidade para abrigar 25 mil pessoas. Desde seus primórdios, a igreja incentiva a formação de pequenos grupos, que se reúnem na própria casa dos crentes. O sistema já alcança 1 milhão de pessoas e está na base do crescimento exponencial da comunidade, que começou no início dos anos 1960, período em que a revolução industrial coreana originou uma nova ordem social baseada no fenômeno da urbanização.

“O modelo criado por Cho é simples, baseado em subdivisão de tarefas”, explica o pastor Robert Lay, presidente do Ministério Igreja em Células, sediado no Paraná. Em março, a entidade reuniu cerca de 1,2 mil pastores no 7º Congresso Anual de Igrejas em Células, na cidade de Águas de Lindóia (SP). “Basicamente, é um sistema de cuidado e administração de tarefas”, descreve Lay. Ligado à Igreja Evangélica Irmãos Menonitas, ele diz que o movimento de células está mais adiantado no Oriente, embora a segunda maior igreja do gênero no mundo é a Elim, de El Salvador, com mais de 120 mil membros, que se divide em 7,8 mil grupos. “As células nos levam de volta à Igreja do Novo Testamento”, continua o pastor. “Neste modelo, coabitam ao mesmo tempo noção da grande congregação, que se reúne nos templos aos domingos, e a pequenina comunidade nos lares. Tanto uma quanto a outra são a mesma Igreja do Senhor.”

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame