Igreja é comparada ao Estado Islâmico após rejeitar casamento gay, na Inglaterra

A comparação foi feita pelo deputado britânico Michael Fabricant, que criticou a decisão da Igreja da Inglaterra (Anglicana) e a chamou de "extremista" por rejeitar o casamento gay.

Fonte: Guiame, com informações do Charisma NewsAtualizado: quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017 20:01
Ativistas protestam em frente a Igreja da Inglaterra. (Foto: Reuters)
Ativistas protestam em frente a Igreja da Inglaterra. (Foto: Reuters)

Os membros da Igreja da Inglaterra (também denominada Igreja Anglicana) que apoiam o casamento tradicional são "muito semelhantes aos terroristas islâmicos", de acordo com um membro conservador do Parlamento Britânico.

O deputado Michael Fabricant lançou um ataque surpreendente contra a Igreja da Inglaterra, depois que a denominação se posicionou contra a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, em um relatório recente sobre a sexualidade. Ele disse que as opiniões de alguns anglicanos conservadores "diferem muito pouco do Estado Islâmico".

Na semana passada, membros conservadores e liberais da Igreja da Inglaterra votaram contra o relatório, que pedia "liberdade máxima" para as pessoas homossexuais e a aceitação do casamento gay.


"Valores liberais"
Escrevendo para o jornal britânico 'The Daily Telegraph', o deputado da cidade de Lichfield disse que a Igreja da Inglaterra corre o risco de se tornar "obsoleta com relação aos valores liberais ocidentais do século XXI".

"Talvez a igreja deva adotar uma linha dura em seus elementos menos progressistas: Acompanhe os novos tempos ou caia fora", acrescentou.

Michael Fabricant, que se declara agnóstico, acrescentou: "Simplesmente optar por mais do mesmo por causa da unidade em uma comunhão diversa - alguns dos seus pontos de vista diferem pouco do Estado Islâmico - é como fazer uma escolha de quantidade sobre a qualidade".

Ele também pediu que os liberais e conservadores "sigam seus caminhos separadamente" após a votação e sugeriu que era hora da Igreja da Inglaterra se dividir.

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame