Heróis da Fé: Mary Jones, a menina que inspirou a criação da Sociedade Bíblica

Antes de conseguir comprar sua Bíblia, após 6 anos economizando dinheiro para isso, ela memorizava o que podia lendo a cópia de um vizinho.

Fonte: Guiame, com informações do Evangelical TimesAtualizado: quinta-feira, 30 de setembro de 2021 18:36
Mary Jones morava em uma pequena cabana de pedra na zona rural de Gales. (Ilustração / BBC)
Mary Jones morava em uma pequena cabana de pedra na zona rural de Gales. (Ilustração / BBC)

Mary Jones nasceu em 16 de dezembro de 1784, um pequeno vilarejo em um dos vales profundos do Norte de Gales. Seus pais eram devotos metodistas calvinistas, e ela mesma professou a fé cristã aos oito anos de idade. Era de uma família pobre, filha de um tecelão, que vivia em Llanfihangel-y-pennant.

Tendo aprendido a ler nas escolas circulantes organizadas pelo reverendo Thomas Charles, tornou-se seu desejo ardente possuir uma Bíblia própria, o que era difícil, tendo em vista que custava muito caro.

A cópia mais próxima estava em uma fazenda a três quilômetros de distância de sua pequena cabana, e não havia nenhuma cópia à venda mais perto do que Bala, que ficava a 42 quilômetros de distância. E não era certo que uma cópia pudesse ser obtida lá. A Bíblia galesa era escassa naquela época.

Tendo economizado por seis anos até ter dinheiro suficiente para pagar por uma cópia, em uma manhã do ano de 1.800 Mary saiu de Bala e caminhou 42 quilômetros por terrenos montanhosos, descalça como de costume, para obter uma cópia das mãos do Rev. Thomas Charles, o único que tinha Bíblias à venda na região.

De acordo com uma versão da história, o reverendo disse a ela que todas as cópias que ele recebeu foram vendidas ou já estavam reservadas. Mary ficou tão chateada que Charles acabou vendendo a ela uma das cópias que já havia sido prometida a outro.

Em outra versão, ela teve que esperar dois dias pela chegada de um suprimento de Bíblias e conseguiu comprar uma cópia para si e duas outras cópias para membros de sua família.

Segundo a tradição, foi a impressão que esta visita de Mary Jones deixou sobre ele que impeliu Charles a propor ao Council of the Religious Tract Society a formação de uma Sociedade para fornecer Bíblias ao País de Gales.

E em 1804 a British and Foreign Bible Society (agora a Sociedade Bíblica) foi formada. Cerca de 300 pessoas de várias denominações se ofereceram para formar a sociedade. O propósito da sociedade na formação era fornecer Bíblias mais fáceis, mais baratas ou até gratuitas para todas as pessoas.

Há uma história que, aos 70 anos, Mary Jones deu meio soberano - uma quantia significativa naquela época - para o apelo da Sociedade Bíblica para imprimir um milhão de Novo Testamento chinês.

Avivamento em Gales

Na época de Mary, o País de Gales foi afetado por vários avivamentos e o reverendo Charles estava envolvido na pregação dos avivamentos. Ele não era apenas um pregador poderoso, mas também alguém responsável por criar um sistema escolar básico na região.

Em 1791, ele se viu no centro de outra onda de avivamento e escreveu: “Aqui, em nossa cidade de Bala, há algum tempo, tivemos um derramamento muito grande, poderoso e glorioso do Espírito de Deus sobre o povo em geral, especialmente os jovens. O estado e o bem-estar da alma se tornaram a preocupação geral do país. Dezenas das pessoas mais selvagens e sem consideração foram despertadas”. Em um domingo, ele também escreveu: “Por volta das nove horas da noite, não havia nada a ser ouvido de uma extremidade da cidade à outra.

O avivamento se espalhou rápida e amplamente pela localidade, levando consigo não apenas conversões, mas também um aprofundamento e enriquecimento da fé cristã das pessoas.

Foi nessa atmosfera que, um ano após o avivamento, Mary passou a professar a fé cristã. Cortesia de uma das escolas de Thomas Charles, Mary era capaz de ler e logo quis uma Bíblia para si mesma. As Bíblias galesas eram raras e caras, e a cópia mais próxima disponível pertencia a um vizinho a três quilômetros de distância. Mary regularmente ia até lá e lia e memorizava tudo o que podia, mas logo começou a economizar para comprar uma Bíblia.

Mary mais tarde se casou com um tecelão chamado Thomas Jones. Ela morreu em 29 de dezembro de 1864 e foi enterrada no cemitério da Capela Metodista Calvinista de Bryncrug.

Siga-nos

Mais do Guiame