Heróis da Fé: John Huss, o reformador que foi morto na fogueira com as páginas da Bíblia

Em seu livro “A Igreja”, Huss diz que somente Cristo é o cabeça da igreja, e que se rebelar contra um papa que errou é obedecer a Cristo.

Fonte: Guiame, com informações do Britannica e ChristianityAtualizado: quinta-feira, 19 de agosto de 2021 17:34
John Huss foi o mais importante reformador do século 15. (Foto: Reprodução / iROZHLAS)
John Huss foi o mais importante reformador do século 15. (Foto: Reprodução / iROZHLAS)

Jan Hus (John Huss) nasceu por volta de 1370, em Husinec, na Bohemia [hoje República Tcheca], filho de camponeses pobres. Aos vinte anos, ele encurtou seu nome para Huss ("ganso"), e junto com seus amigos adorava fazer trocadilhos com seu nome. Essa era uma tradição que continuou, especialmente com Lutero, que lembrava seus seguidores do "ganso" que foram "cozidos" por desafiar o papa.

Para escapar da pobreza, Huss treinou para o sacerdócio: "Pensei em me tornar sacerdote rapidamente, a fim de garantir um bom sustento e roupas e ser tido na estima dos homens."

Ele obteve o bacharelado, o mestrado e, finalmente, o doutorado. Ao longo do caminho, ele foi ordenado (em 1401) e se tornou o pregador da Capela Belém de Praga (que tinha 3.000), a igreja mais popular em uma das maiores cidades da Europa, um centro de reforma na Boêmia (por exemplo, foram pregados sermões em tcheco, não em latim).

Durante esses anos, Huss passou por uma mudança. Embora ele tenha passado algum tempo com o que chamou de uma "seita tola", ele finalmente descobriu a Bíblia: "Quando o Senhor me deu conhecimento das Escrituras, tirei esse tipo de estupidez de minha mente tola."

Os escritos de John Wycliffe haviam despertado seu interesse pela Bíblia, e esses mesmos escritos estavam causando um rebuliço na Boêmia (tecnicamente a parte nordeste da atual República Tcheca, mas um termo geral para a área onde a língua e a cultura tchecas prevaleciam).

A Universidade de Praga já estava dividida entre tchecos e alemães, e os ensinamentos de Wycliffe apenas os dividiam ainda mais. Os primeiros debates giravam em torno de detalhes da filosofia (os tchecos, com Wycliffe, eram realistas; os nominalistas alemães). Mas os tchecos, com Huss, também se entusiasmaram com as ideias reformistas de Wycliffe; embora não tivessem a intenção de alterar as doutrinas tradicionais, queriam dar mais ênfase à Bíblia, expandir a autoridade dos concílios da igreja (e diminuir a do papa) e promover a reforma moral do clero. Assim, Huss começou a confiar cada vez mais nas Escrituras, "desejando reter, acreditar e afirmar tudo o que nelas está contido enquanto eu tiver fôlego".

Reformista

Huss foi o mais importante reformador tcheco do século 15, cujo trabalho foi de transição entre os períodos medieval e da Reforma e antecipou a Reforma Luterana por um século inteiro.

Ele esteve envolvido na amarga controvérsia do Cisma Ocidental (1378-1417) durante toda a sua carreira, e foi condenado por heresia no Concílio de Constança e queimado na fogueira.

No início de sua carreira monástica, Martinho Lutero, vasculhando as estantes de uma biblioteca, encontrou um volume de sermões de John Huss, o boêmio que havia sido condenado como herege. “Fiquei surpreso”, Lutero escreveu mais tarde. "Eu não conseguia entender por que razão eles haviam queimado um homem tão grande, que explicou as Escrituras com tanta seriedade e habilidade."

Huss se tornaria um herói para Lutero e muitos outros reformadores, pois Huss pregou temas-chave da Reforma (como hostilidade às indulgências) um século antes de Lutero redigir suas 95 teses. Mas os reformadores também olharam para a vida de Huss, em particular, seu compromisso inabalável em face da brutalidade astuta da igreja.

Uma luta política se seguiu, com os alemães rotulando Wycliffe e seus seguidores de hereges. Com o apoio do rei da Boêmia, os tchecos ganharam a vantagem e os alemães foram forçados a fugir para outras universidades.

A situação foi complicada pela política europeia, que assistiu a dois papas competirem para governar toda a cristandade. Um conselho da igreja foi convocado em Pisa em 1409 para resolver o assunto. Ele depôs os dois papas e elegeu Alexandre V como pontífice legítimo (embora os outros papas, repudiando essa eleição, continuassem a governar suas facções). Alexandre logo foi "persuadido" - isto é, subornado - a ficar do lado das autoridades da igreja boêmia contra Huss, que continuou a criticá-los. Huss foi proibido de pregar e excomungado, mas apenas no papel: com o apoio dos boêmios locais, Huss continuou a pregar e ministrar na Capela de Belém.

Quando o sucessor de Alexandre V, o antipapa João XXIII (não confundir com o papa moderno de mesmo nome), autorizou a venda de indulgências para levantar fundos para sua cruzada contra um de seus rivais, Huss ficou escandalizado e ainda mais radicalizado.

O papa estava agindo por mero interesse próprio, e Huss não podia mais justificar a autoridade moral do papa. Ele se apoiou ainda mais fortemente na Bíblia, que ele proclamou a autoridade final para a igreja. Huss argumentou ainda que o povo tcheco estava sendo explorado pelas indulgências do papa, que foi um ataque não tão velado ao rei da Boêmia, que ganhou uma parte dos rendimentos da indulgência.

Rebelde das Escrituras

Com isso, Huss perdeu o apoio de seu rei. Sua excomunhão, que havia sido tacitamente abandonada, foi revivida e um interdito foi imposto à cidade de Praga: nenhum cidadão poderia receber a comunhão ou ser enterrado nas terras da igreja enquanto Huss continuasse seu ministério.

Para poupar a cidade, Huss retirou-se para o campo no final de 1412. Ele passou os dois anos seguintes em uma atividade literária febril, escrevendo uma série de tratados. O mais importante foi “A Igreja”, que enviou a Praga para ser lida publicamente. Nele, ele argumentou que somente Cristo é o cabeça da igreja, que um papa "por ignorância e amor ao dinheiro" pode cometer muitos erros e que se rebelar contra um papa que errou é obedecer a Cristo.

Queimado vivo

Em novembro de 1414, o Concílio de Constança se reuniu, e Huss foi instado pelo Sacro Imperador Romano Sigismundo a vir e prestar contas de sua doutrina. Por ter recebido a promessa de salvo-conduto e por causa da importância do conselho (que prometeu reformas significativas na igreja), Huss foi. Quando ele chegou, no entanto, ele foi imediatamente preso e permaneceu preso por meses. Em vez de uma audiência, Huss acabou sendo levado às autoridades acorrentado e solicitado apenas a se retratar de seus pontos de vista.

Quando ele viu que não receberia um fórum para explicar suas ideias, muito menos um julgamento justo, ele finalmente disse: "Apelo a Jesus Cristo, o único juiz que é todo-poderoso e totalmente justo. Em suas mãos eu imploro minha causa, não com base em falsos testemunhos e conselhos errados, mas na verdade e justiça.”

Ele foi levado para sua cela, onde muitos imploraram para que ele se retratasse. Em 6 de julho de 1415, ele foi levado à catedral, vestido com suas vestes sacerdotais, e depois despojado delas uma a uma. Ele recusou uma última chance de se retratar na fogueira, onde orou: "Senhor Jesus, é por ti que suportei pacientemente esta morte cruel. Rogo-te que tenha misericórdia de meus inimigos." Ele foi ouvido recitando os Salmos enquanto as chamas o engolfavam.

Huss foi queimado na fogueira com as Bíblias manuscritas de Wycliffe usadas como material para o fogo.

Seus algozes pegaram suas cinzas e as jogaram em um lago para que nada restasse do "herege", mas alguns tchecos coletaram pedaços de solo de onde Huss havia morrido e os levaram de volta para a Boêmia como um memorial.

Os boêmios ficaram furiosos com a execução e repudiaram o conselho; nos anos seguintes, uma coalizão de hussitas, taboritas radicais e outros se recusou a se submeter à autoridade do sacro imperador romano ou da igreja e rechaçou três ataques militares.

A Boêmia finalmente se reconciliou com o resto da cristandade ocidental - embora em seus próprios termos (por exemplo, foi uma das poucas regiões católicas que ofereceu a comunhão de pão e vinho; o resto da cristandade simplesmente recebeu o pão). Aqueles que repudiaram este último compromisso formaram a Unitas Fratrum ("União dos Irmãos"), que se tornou a fundação para os Irmãos da Morávia (Morávia é uma região da República Tcheca), que teria um papel influente na conversão dos irmãos Wesley, entre outros.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame