Heróis da Fé: Apolo Kivebulaya, o extraordinário evangelista do Congo

Ele é chamado de "apóstolo dos pigmeus" por seu trabalho entre o povo Bambuti da floresta de Ituri, no leste do Congo.

Fonte: Guiame, com informações do GOD TV e ChristianityAtualizado: terça-feira, 25 de maio de 2021 17:51
Apolo Kivebulaya, retratado em 1930. (Foto: Reprodução / SCM Press)
Apolo Kivebulaya, retratado em 1930. (Foto: Reprodução / SCM Press)

Apolo Kivebulaya nasceu em uma família de camponeses em 1864 em Kampala, onde hoje é Uganda, e recebeu o nome de Waswa Munubi. Foi uma época em que seu mundo estava começando a mudar dramaticamente.

A extraordinária divisão do continente pelas potências europeias havia começado, e ao lado vieram os missionários europeus com o Evangelho.

O primeiro missionário chegou a Uganda em 1877 e o Cristianismo se espalhou rapidamente. Ele logo encontrou oposição e, em meados da década de 1880, o rei ordenou a matança brutal de convertidos cristãos - os famosos "Mártires de Uganda".

Algum tempo depois, Waswa tornou-se cristão, assumindo o nome de Apolo em homenagem a Apolo, o líder da igreja de Atos 18. Ele foi batizado em 1895 e imediatamente começou a trabalhar com a Igreja Anglicana.

Ele foi casado por um breve período, devido à morte de sua esposa. Viúvo, decidiu que Deus queria que ele permanecesse solteiro, ele optou por não se casar novamente.

Apolo era um homem de incrível energia e entusiasmo, e começou a plantar igrejas. Sob a liderança da Church Missionary Society, ele trabalhou no sopé do noroeste de Uganda e, claramente talentoso no evangelismo, viu numerosas conversões e o início de muitas novas congregações.

Logo Apolo aceitou o desafio de ir para o oeste para evangelizar as tribos na área controlada pela Bélgica que agora é a República Democrática do Congo, e partiu, cruzando as montanhas cobertas de neve Rwenzori no inverno. Sobre o momento em que finalmente foi capaz de olhar para o oeste, para o coração da África, ele escreveu: “Eu me levantei e olhei para longe, para o Congo. A perspectiva me apavorou”. No entanto, impulsionado por sua fé, sua coragem e sua compaixão por aqueles que não conheciam Jesus, ele foi em frente.

Visão de Jesus

Apesar de agora estar em uma cultura muito diferente, sua poderosa pregação teve grande sucesso. Menos populares, porém, eram suas demandas, não apenas de conversão, mas de uma mudança no estilo de vida.

Encontrando uma oportunidade de expulsá-lo, um chefe fez com que Apolo fosse escoltado de volta à prisão em Uganda. Lá, muito desanimado, Apolo teve uma visão em que Jesus apareceu brilhando como o sol, dizendo-lhe: ‘Anime-se, pois estou com você’.

Em uma segunda visão, Cristo ordenou a Apolo que levasse o Evangelho aos pigmeus vizinhos. Ele o fez, traduzindo a Escritura para eles e batizando seus primeiros conversos pigmeus em 1932, um ano antes de sua morte.

Tempos depois, Apolo foi libertado, mas as autoridades coloniais belgas fecharam a fronteira e por vinte anos ele permaneceu em Uganda como plantador de igrejas. Lá, ele viajava centenas de quilômetros anualmente a pé (ele nunca usou sapatos na vida) e de bicicleta.

Ele pregou com simplicidade, enfatizando Jesus e a cruz, mas sempre insistindo que os convertidos vivessem sua nova fé de forma consistente. Apolo incentivou a tradução da Bíblia para as línguas locais e estava particularmente preocupado com questões sociais como educação e cuidados com crianças e mulheres abandonadas.

Em 1903, Apolo foi ordenado sacerdote na Igreja Anglicana e frequentemente se viu agindo - com notável graça - como intermediário entre os missionários europeus e as congregações africanas.

Em 1915, Apolo voltou ao Congo e começou a reconstruir a igreja que havia deixado lá. Seu entusiasmo pelo evangelismo nunca diminuiu e em poucos anos ele se sentiu chamado por Deus para ser um missionário para as tribos de pigmeus pouco conhecidas da floresta densa.

Apesar das grandes diferenças de cultura e idioma, seu calor e graça pessoais permitiram que ele ganhasse almas para Jesus, desenvolvendo uma rede de pequenas congregações em muitas tribos.

Finalmente, Apolo foi chamado de volta a Kampala, onde foi nomeado cônego da catedral. Informado de que tinha uma doença fatal, pediu que, apesar da tradição de que deveria ser sepultado voltado para o leste, seria sepultado voltado para a direção oposta, para enfatizar que o evangelho precisava ir para o oeste.

Apolo Kivebulaya serviu a Deus em um momento extraordinário. Em 1890 havia apenas uma igreja com 200 membros em Uganda, mas em 1927 havia 2.000 igrejas com quase 185.000 membros. Hoje, existem mais de meio milhão.

A mudança não foi simplesmente numérica, mas a liderança agora era cada vez mais africana. Sob Deus, parte desse crescimento e desenvolvimento explosivos foi obra de Apolo.

A paixão missionária de Apolo, a alegria persistente e a vida santa trouxeram elogios de todos.

Apolo morreu no dia 30 de maio de 1933, em Mboga.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame