Ex-atleta e usuário de drogas nigeriano leva ‘Desafio Jovem’ para o seu país

David Omit foi um atleta promissor que teve a carreira interrompida pelas drogas; levado ao Desafio Jovem, foi liberto e integrado ao ministério.

Fonte: Guiame, com informações da AG NewsAtualizado: quinta-feira, 21 de outubro de 2021 15:50
David Omih [3º sentado da esq. para a dir.] e turma do Desafio Jovem da Nigéria. (Foto: Reprodução / AG News)
David Omih [3º sentado da esq. para a dir.] e turma do Desafio Jovem da Nigéria. (Foto: Reprodução / AG News)

Na Nigéria, não havia atleta mais rápido do que David Omih nos 400 metros ou 800 metros com obstáculos. Ele era um corredor verdadeiramente talentoso, e com esse dom veio algo que muitos atletas de nações atingidas pela pobreza desejam: dinheiro e um futuro na forma de ofertas de bolsas esportivas de escolas dos Estados Unidos.

Para Omih, foi um sonho que se tornou realidade.

Havia apenas um problema: ele tinha um vício crescente em drogas que acabaria por custar-lhe tudo. Mas Deus tinha um plano para redimir a vida de Omih.

Antes de ir para os EUA, Omih começou a fumar maconha enquanto estava no colégio. Ele imaginou que universitários e atletas americanos não faziam isso, portanto, ele seria obrigado a parar de usar drogas. Era 1984, ele estava sozinho - a milhares de quilômetros de casa - e para sua surpresa, a maconha era fácil de encontrar no campus da faculdade.

Nos anos seguintes, Omih se transferiu de um clima frio no meio do Missouri para um mais convidativo na universidade do Texas e, finalmente, o calor de um campus em Lafayette, Louisiana. Omih descobriu que seu uso de drogas estava crescendo.

“Meu tempo nos 400 metros com barreiras foi de 51 segundos”, diz Omih, com sua voz cheia de pesar. “Eu estava ganhando títulos de conferências escolares, mas nunca fui rápido o suficiente para ser convidado a vir e representar a Nigéria [em corridas internacionais, como as Olimpíadas]. Se eu não estivesse usando drogas, acredito que teria feito melhor.”

Interessante notar que, nas Olimpíadas de 1988, se Omih tivesse conseguido reduzir seu tempo um pouco mais de dois segundos, ele teria chegado às finais olímpicas de 400 metros com barreiras.

Ironicamente, Omih estava cursando bacharelado em justiça criminal, fazendo estágios em instituições correcionais e departamentos de polícia, enquanto usava drogas.

O crack assume o controle

Depois de se formar, Omih se mudou para Nova Orleans para ficar mais perto de sua namorada. Lá, ele descobriu que a disponibilidade de drogas passou de um fluxo constante para uma inundação.

“Descobri que havia drogas por toda parte”, diz Omih. “Antes que você percebesse, eu era um sem-teto nas ruas de Nova Orleans - era viciado em crack”.

Com a ajuda de alguns amigos, ele ingressou na Fundação Cenikor (Rehab) em Deer Park, Texas, onde passou dois anos fazendo terapia de modificação de comportamento. Depois de dois anos, ele se formou em 1997, e os amigos que o ajudaram a entrar no programa o pegaram e os trouxeram para sua casa para morar enquanto ele se estabelecia.

Pouco tempo depois, ele acabou roubando o carro e usando o crack novamente. Omih foi preso e passou os três meses seguintes em uma prisão em Houston. Como houve uma confusão na papelada quando ele chegou aos EUA que nunca foi totalmente resolvida, Omih foi considerado um estrangeiro ilegal.

Após sua libertação da prisão, a imigração o pegou. Depois de entrevistá-lo, as autoridades disseram-lhe para voltar em um mês; com medo de ser deportado, ele nunca mais voltou. Em vez disso, ele voltou para Nova Orleans e pelos dois anos seguintes continuou sua vida como um sem-teto e um viciado em crack sem esperança.

Começando um novo caminho

Uma das maneiras de Omih comer durante aqueles anos nas ruas foi visitando abrigos. Um deles exigia que as pessoas assistissem a um culto na capela antes de terem permissão para comer.

“Um daqueles dias, havia uma escola bíblica AG, Escola de Missões Urbanas (SUM) em Nova Orleans, em uma sexta-feira”, lembra Omih. “O líder era o Dr. William Hope. Um jovem compartilhou seu testemunho de como Deus o chamou para a Escola de Missões Urbanas enquanto ele trabalhava em um barco de pesca no Alasca”.

O testemunho do jovem falou ao coração de Omih, e um pouco depois, durante a oração, esse mesmo jovem se aproximou dele e, após uma conversa, levou Omih a fazer a Oração do Pecador.

“Depois daquela noite, algo aconteceu”, diz Omih. “Tive uma sensação de paz. No dia seguinte, decidi ingressar no programa de abrigo para moradores de rua, que me proporcionou um lugar para ficar, ajudando a atender aqueles que estavam sem-teto.”

Essa decisão provou ser “oportuna”, já que Omih estava lá quando o grupo retornou na sexta-feira seguinte.

“Eles me deram uma Bíblia e então o Dr. Hope veio até mim”, lembra Omih. “Ele queria me enviar para o Desafio Jovem em Milwaukee” (O Desafio Adulto e Jovem é um ministério das Missões da AG nos EUA).

Falecido em 2011 em um acidente de carro, o Pr. David Wilkerson deixou um legado com seu trabalho evangelístico, recuperando jovens envolvidos na criminalidade e nas drogas, através do Teen Challenge (Desafio Jovem) alcançou centenas de vidas e perdura até hoje. Omih é mais um fruto deste ministério.

Como Hope tinha uma conexão com o diretor do Desafio Jovem de Milwaukee - agora conhecido como Desafio Adulto e Jovem dos Grandes Lagos - Craig Harper, Omih foi prontamente admitido. Os alunos de Hope e SUM juntaram seu dinheiro em uma oferta para comprar uma passagem aérea para Chicago e uma passagem de ônibus de lá para Milwaukee para Omih.

Experiências

Harper, que já lidera o ATC dos Grandes Lagos há 28 anos, diz que conhece David há cerca de 20 anos, desde que ele chegou a Milwaukee em 1999.

“Nós soubemos muito em breve que esse cara tem potencial”, diz Harper, “mas o crack é uma coisa horrível. Você tem que entender, a recaída faz parte da recuperação, então houve alguns dias muito desafiadores ao longo de sua jornada, mas ele não desistia!”

Harper lembra que Omih perseguiu dois objetivos específicos enquanto estava com ele. “A prioridade para Davi era se livrar do crack, o que é tão difícil de fazer, e depois honrar o Senhor com sua vida.”

Durante a primeira estada de Omih em Milwaukee, ele esteve lá para a primeira parte do programa do Desafio Jovem, então foi transferido para o centro do Desafio Jovem em Rehrersburg, Pensilvânia, para completar o programa de um ano.

Depois de se formar em 2.000, Omih fez estágios em vários centros ATC antes de retornar a Nova Orleans em 2002. Uma vez lá, ele começou a trabalhar em um abrigo e a fazer evangelismo individual. Ele também começou a ajudar um ministro a estabelecer um novo centro de reabilitação, mas em agosto de 2005, o furacão Katrina destruiu o ministério.

Com Nova Orleans em ruínas, Omih entrou no Instituto do Ministério do Desafio Jovem em Jacksonville, Flórida. Ele se formou em 2007.

O plano de Deus revelado

Todos esses passos, embora às vezes confusos e frustrantes, estavam fornecendo a Omih o conhecimento, as ferramentas e as conexões para o que Deus tinha em mente.

“Enquanto estava no instituto, senti que Deus estava me preparando para voltar para casa [na Nigéria]”, diz Omih. “Pude entrar em contato com o secretário-geral das Assembleias de Deus da Nigéria e compartilhar minha esperança de voltar à Nigéria e começar um Desafio Jovem - ele achou que seria maravilhoso, já que a Nigéria tinha um problema crescente com as drogas.”

Mas Deus não tinha acabado de moldar e preparar Omih para a liderança. Harper deu a Omih uma posição de volta no centro do Desafio Jovem em Milwaukee como coordenador educacional por dois anos. Como Omih ainda tinha problemas de imigração para resolver antes que ele pudesse retornar à Nigéria, Harper o enviou para visitar Don Wilkerson, no Desafio Jovem do Brooklyn, para ver se ele poderia ajudá-lo a se conectar com a embaixada nigeriana e resolver as coisas.

Milagrosamente, Omih conseguiu se conectar com as pessoas certas na embaixada e, em pouco tempo, a papelada foi liberada e Omih recebeu um visto e passaporte.

“Lembro-me do pastor Don [Wilkerson] dizendo: 'Deus está tramando alguma coisa'”, conta Omih.

Embora agora tivesse toda a papelada de que precisava para voltar à Nigéria, Omih ainda carecia de uma coisa: finanças. Ele voltou para Milwaukee, continuando a servir lá. Mas seis meses depois, Wilkerson o convidou para servir como diretor de admissão e dar aulas para o Desafio Jovem do Brooklyn.

Wilkerson e sua equipe ajudaram Omih a desenvolver maneiras de arrecadar fundos para retornar à Nigéria e estabelecer o primeiro ATC no país. No total, eles conseguiram arrecadar US$ 13.000 - o suficiente para retornar à Nigéria e explorar o estabelecimento de um centro ATC.

Além do mais, apenas algumas semanas antes de partir para a Nigéria, a equipe de liderança executiva da AG da Nigéria veio a Nova York. Wilkerson apresentou Omih a cada um e ele teve permissão de compartilhar seu testemunho e visão com todo o grupo de homens. Eles prometeram fornecer alojamento na casa de hóspedes AG localizada em Lagos. Quando David chegou à Nigéria, o AG da Nigéria cumpriu sua promessa ao ser escolhido pelo Diretor de Missões da AG, Daniel Saje (que atualmente atua como membro do conselho de missões da AG da Nigéria).

Desafios nigerianos

A liderança da AG da Nigéria deu as boas-vindas a Omih quando ele chegou ao país em agosto de 2011, proporcionando-lhe um lugar para ficar por seis meses. Sua família, por outro lado, nem sabia que ele ainda estava vivo - ele só se comunicou com sua família uma vez durante sua ausência de décadas.

No entanto, Omih conseguiu se conectar com um amigo de sua juventude nas redes sociais que conhecia sua família. Ele então pôde se encontrar com seus irmãos e primos mais novos pela primeira vez em 30 anos. Seus pais, infelizmente, estavam mortos há anos.

Estabelecer um centro ATC na Nigéria provou ser um desafio maior do que Omih imaginou. Em média, as pessoas ganham menos de US$ 200 por mês. Embora o custo de vida seja cerca de 60% do custo de vida nos Estados Unidos, a moradia na cidade é relativamente cara - um apartamento de um quarto custa $ 500 a $ 850 por mês para alugar. Em outras palavras, a maioria das pessoas não chega nem perto de pagar um apartamento na cidade.

Omih foi colocado em contato com um superintendente distrital que o recebeu em seu distrito, que incluía a cidade de Jos, uma cidade de cerca de 900.000 habitantes e cerca de 170 milhas a noroeste da capital Abuja. Omih começou a se estabelecer na igreja e na comunidade de Jos enquanto trabalhava para lançar um centro ATC.

“A Nigéria é um país muito difícil em termos de arrecadação de fundos”, diz Omih. “As pessoas ouvem meu sotaque americano e pensam que tenho dinheiro, mas isso não é verdade.”

Don Wilkerson, cofundador do ATC com seu irmão, David, e fundador do Desafio Jovem Global, afirma, “David [Omih] tinha tanta determinação em retornar à sua terra natal para começar o Desafio Jovem. Ele tinha pouco dinheiro, mas grande visão, [e] inicialmente, ele não tinha nenhuma organização dos EUA para apoiá-lo”.

Apesar dos desafios, Omih foi capaz de abrir o primeiro Desafio Jovem na Nigéria em outubro de 2013. No entanto, ele depende da ajuda financeira de suas conexões nos Estados Unidos para tornar isso possível. O centro atualmente abriga de 17 a 21 alunos, três estagiários e quatro graduados que auxiliam Omih. O primeiro graduado do centro, que está com David há oito anos, formou-se em uma escola bíblica em Jos e agora atua como gerente do programa ATC.

Harper, cujo ATC dos Grandes Lagos tem ajudado a tornar o ATC da Nigéria possível por meio do apoio mensal de Omih e do pagamento do aluguel do centro, explica que nos Estados Unidos existem várias maneiras de um centro ganhar e / ou arrecadar dinheiro.

“Trabalhamos em eventos especiais, fazemos comida e bebida em jogos, administramos um brechó, temos uma creche, temos um coral que sai e até levamos carros doados para restaurar e fazer contratos de trabalho”, diz Harper. “Mas na Nigéria é muito difícil. No momento, David está limitado a plantar e vender batatas (por meio do ATC da Nigéria, Omih comprou ou recebeu um total de 15 lotes de terra) e a vender camisetas em uma mesa. David até teve que mudar o local do centro devido à violência do Boco Haram - algo em que nunca precisamos pensar aqui.”

Um futuro mais brilhante

Ainda assim, há uma grande esperança para os desafios financeiros contínuos de Omih e do centro ATC. A esposa de Harper, Jennifer, que é diretora associada de Programas e Serviços no ATC dos Grandes Lagos e Julia Stoia, uma participante dos Líderes Emergentes no ATC dos Grandes Lagos, estão viajando para a Nigéria nos próximos meses para visitar e ajudar Omih a criar um programa sustentável, que algum dia inclui a construção de um local permanente em vez de aluguel.

“David está pensando em estabelecer uma operação comercial de frango, tanto para carne quanto para ovos”, diz Craig Harper. “Jennifer e Julia estão indo lá para se encontrar com ele e sua esposa para participar de uma série de oportunidades, incluindo ajudá-los a explorar as opções para que eles e o ATC da Nigéria estejam lá em 5, 10, 20 anos. . . e esperamos poder ajudá-lo a fazer algo significativo nos próximos dois ou três anos.”

“Ele realizou mais do que eu esperava”, Wilkerson admite sobre Omih. “Ele não trabalha apenas para salvar adictos, ele trabalha 'com' eles com amor e compaixão. Ele usou o que os outros consideraram como pedras de tropeço como degraus para cumprir sua visão - ele dá um significado novo e fresco à palavra 'determinação'”.

Harper, que afirma o óbvio quando menciona que tem o encargo de ajudar Omih, também tem uma opinião muito elevada sobre ele.

“David é um cara estelar”, afirma Harper. “Ele é um homem de caráter muito elevado, muito disciplinado e um irmão de bom coração. Ele é um cara excelente em todos os aspectos e fez um ótimo trabalho ao abrir um centro e formar líderes por meio do programa. . . Acho que o melhor ainda está por vir.”

Omih diz que deposita sua fé em Deus e se apega a Romanos 8:28: “E sabemos que Deus faz com que todas as coisas contribuam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados de acordo com o seu propósito para eles (NLT).”

Siga-nos

Mais do Guiame