Empresário vende sua casa para ajudar refugiados: "O convite de Deus é servir"

Luís Cláudio entendeu seu chamado por meio de uma forte experiência com Deus.

Fonte: Guiame, com informações da Rede SuperAtualizado: sexta-feira, 18 de agosto de 2017 14:14
O empresário tem se dedicado a ajudar os refugiados. (Foto: Reprodução).
O empresário tem se dedicado a ajudar os refugiados. (Foto: Reprodução).

O empresário cristão Luís Cláudio Corsini, vendeu sua própria casa em Belo Horizonte para ajudar quem precisava. Ele entendeu que deveria assumir uma iniciativa solidária e comprou um hotel fazenda para abrigar refugiados. Hoje em dia, o local abriga diversos haitianos. Em entrevista para Vanderlei Miranda, no programa Noite e CIA, ele comenta como percebeu que deveria tomar essa atitude.

“Eu acho que todo ser humano tem uma busca. Esse entendimento simplifica a nossa existência, por entender o plano do Criador, Deus e o projeto de reino Dele. Às vezes a gente está dentro do sistema e somos absorvidos por tantas coisas que passamos a não perceber como a Palavra pode nos transformar, ter um entendimento maior, criar uma consciência dentro do caráter de Cristo para que a gente possa realmente servir, o que é algo tão simples”, disse Luís.

“O convite de Deus é para que a gente sirva e possa amar as pessoas, praticar o amor Dele”, ressaltou. O empresário encontrou um espaço onde ele pôde receber, abrigar e cuidar de pessoas vindas de outros países. Pessoas que ele nunca viu na vida e que de repente foram beneficiadas com essa visão de trabalho. “Há cinco anos atrás eu tive uma experiência que fez uma nova formatação de como eu estava enxergando o mundo e foi tudo pautado no resultado de uma experiência que falava para não negar a Cristo”, explicou.

Quatro dias

“Eu não era uma pessoa que frequentava nenhum tipo de ambiente religiosos e a partir dessa experiência eu comecei a estudar. Eu tive quatro dias de um momento muito pessoal com Deus, onde eu comecei a ter algumas revelações em sonhos. Havia um questionamento pessoal de como eu estava vivendo dentro do sistema. Voltado só para a minha família, filhos, o padrão da gente buscar cuidar da própria vida e isso não me satisfazia. Eu fui desde esse processo que eu tive há cinco anos, de uma experiência real com Deus”, salientou.

“Minha formação é de engenheiro civil e depois que eu sai do ambiente da engenharia, realizei o sonho de ter uma produtora, um estúdio de gravação, e abrindo o estúdio tive clientes que são muito queridos por mim. Eu me desfiz desse projeto. Morei com meus pais e com o falecimento da minha mãe, essa casa ficou pra mim. Eu construí o estúdio e ampliei as instalações, mas eu realmente tive um chamado”, comentou.

“O convite existe a todo momento para todos nós. Só que a gente, o sistema absorvendo, você não percebe essa comunicação do Pai. Eu brinco que a metade das pessoas que me conheciam dizem que eu fiquei louco e a outra metade tem certeza”, pontuou. “Parece loucura, mas é isso mesmo, vendi minha casa e comprei esse hotel desativado para desenvolver um projeto que vai ajudar os imigrantes e refugiados”, comentou em uma entrevista para o site Tempo.

Confira a entrevista na íntegra:

Siga-nos

Mais do Guiame