Dia dos namorados ou dia da entrega do sacrifício

A única maneira de não transformarmos em neurose obsessiva o desejo por um relacionamento ou o medo de perder alguém é a entrega a Deus pela fé

Fonte: Guiame, Alexandre RoblesAtualizado: sexta-feira, 12 de junho de 2015 17:36
Amor_imagem ilustrativa
Amor_imagem ilustrativa

Abraão queria ter um filho. É legítimo. Deus lhe deu. Depois Deus pediu que sacrificasse o filho. Aceitou entregar o próprio filho, não porque abrisse mão de ser pai, mas porque acreditava que Deus o traria da morte, se de fato tivesse que sacrificá-lo. Antes, Deus disse que não seria necessário ir até o fim.

Para além de questões teológicas e históricas, o que estava em jogo não era o sacrifício do filho, mas a entrega da obsessão. Para que Abraão não transformasse sua relação com o filho como centro de sua existência.

O legítimo se tornaria obsessão. Parte da vida se tornaria seu centro. Entregar o que desejamos muito ou o que nos é muito importante é dar-lhes lugar correto na existência.

E isso serve também para namoros e casamentos. A única maneira de não transformarmos em neurose obsessiva o desejo por um relacionamento ou o medo de perder alguém é a entrega a Deus pela fé.

Quem entrega espera em paz e desfruta sem medo.

 

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame