‘Deus me disse que o devolveria a mim’, diz esposa após marido acidentado ressuscitar

Mike foi atingido por uma onda gigante enquanto surfava no México, que o levou ao coma e a perder movimentos do pescoço para baixo.

Fonte: Guiame, com informações do GOD TVAtualizado: terça-feira, 29 de junho de 2021 13:50
Mike e sua esposa no hospital, durante a recuperação dele após afogamento no México. (Foto: Reprodução / GOD TV)
Mike e sua esposa no hospital, durante a recuperação dele após afogamento no México. (Foto: Reprodução / GOD TV)

O casal Mike e decidiu viajar por quatro dias para pagar os impostos de uma propriedade que possuíam em Troncones, no México. Uma viagem curta, mas que daria para aproveitar alguns dias de praia. Para isso, a mulher reservou a primeira noite em um lugar favorito deles, o Hotel Brisas em Ixtapa, onde chegaram na noite de sexta-feira, 8 de novembro de 2019.

No sábado de manhã, depois do café da manhã, eles foram para a praia particular do hotel e entraram nas águas quentes. “Surfamos algumas ondas, ganhando confiança, e nadamos mais longe para pegar um passeio mais longo. Mike estava aproximadamente 7 metros além de mim na rebentação no momento em que vi uma onda monstruosa quebrar bem acima dele”, relata.

Ela conta que não estava preocupada naquele momento com o tamanho da onda porque Mike era um atleta e ex-surfista que sabia lidar com o oceano. “Quando me alcançou alguns segundos depois, a onda monstruosa se transformou em uma poderosa parede de espuma. Eu pulei na frente dele e curti um body surf perfeito até a praia. Depois de sair da água e me recompor por alguns minutos, comecei a procurar casualmente por Mike na praia e no oceano”, diz.

A mulher conta que notou um homem flutuando de bruços a cerca de 70 metros no oceano, mas ele não se parecia com o seu marido, então ela diz que ficou chocada ao reconhecer o calção de banho colorido de Mike, visível logo acima da superfície da água. Ele havia se afogado.

“Observei e esperei Mike começar a nadar, mas, em vez disso, vi o próximo conjunto de ondas sacudiu seu corpo flácido como se fosse uma alga marinha. Vários segundos depois, ele desapareceu completamente sob a água”, lembra.

Ela conta que de repente ficou paralisada de medo e só conseguia era apontar para onde o tinha visto pela última vez e pedir ajuda. “Lembro-me de ouvir pessoas na praia começarem a gritar e de ver o salva-vidas correndo em direção às ondas. Sentei-me na areia naquele ponto e não quis ver o corpo de Mike sendo arrastado para fora da água”, conta.

Desde que a onda monstruosa atingiu Mike havia se passado cerca de cinco minutos.

Um salva-vidas arrastou o corpo sem vida de Mike, que não estava respirando e não tinha pulso. Um médico mexicano que por acaso estava na praia com sua família começou a proceder a ressuscitação em Mike. O salva-vidas e outro funcionário do hotel se revezaram batendo em seu peito e respirando ar em seus pulmões.

Socorro na oração

O médico havia acelerado o coração de Mike e ele podia sentir o pulso. Eles continuaram a trabalhar em Mike por mais 20-30 minutos na praia, tentando desesperadamente fazê-lo respirar e acordar. “Fiquei perto da cena frenética em estado de choque e orei”, conta a mulher.

Uma ambulância resgatou Mike e o levou a uma clínica local, onde o médico de plantão continuou tentando reanimá-lo por quase 2 horas. Por fim, o médico da clínica disse à esposa que a melhor esperança de sobrevivência de Mike era ser colocado em um ventilador mecânico e o único na área era o hospital do governo em Zihuatanejo, para onde uma ambulância o levasse.

Mike ficaria em coma pelas próximas sete horas. “Eu entendia espanhol o suficiente para saber que o médico do pronto-socorro tinha dúvidas de que Mike sobreviveria”, conta a esposa.

“Não tenho formação médica, mas tinha quase certeza de que o coma era um sinal de dano cerebral. Eu andei em volta do quarteirão do hospital e orei para que Deus curasse Mike. Eu sei que Deus é bom. Eu sei que a doença, a morte, o mal e o caos que experimentamos neste mundo não são obra de Deus”, diz a esposa.

Experiência com milagres

“Deus me curou sobrenaturalmente duas vezes em minha vida. Eu não sabia se Deus curaria ou levaria Mike, mas sabia por experiência própria que poderia confiar que Deus seria bom e cuidaria de nós. E eu sabia que nossos amigos estariam nos cobrindo em oração. Na verdade, havia mais pessoas orando por Mike do que eu poderia imaginar”, conta.

Ela diz que permaneceu perto da maca de Mike pedindo ajuda a Deus, até que uma equipe de médicos o transferisse naquela noite para um hospital moderno na Cidade do México. “Eu me senti muito grata; só não queria que Mike morresse naquela pequena sala de emergência triste”, diz.

“Onda após onda de tristeza tomou conta de mim enquanto fazia as malas e imaginava uma vida futura sem Mike. Lembrei-me de um sermão que tinha ouvido recentemente de Bill Johnson. Ele disse que quando as circunstâncias ao nosso redor parecem realmente sombrias, é nossa preciosa oportunidade de dar a Deus um verdadeiro sacrifício de louvor”, lembra.

Ela diz que começou a adorar a Deus e declarar Sua bondade. “Agradeci e adorei a Deus. Em algum momento, eu deitei meu rosto diante de Deus no chão de mármore. Enquanto estava deitado no chão, inesperadamente ouvi Deus falar comigo em alto e bom som. Ele disse exatamente estas vinte palavras: ‘Mike está no céu Comigo. Ele não quer voltar, mas eu o estou mandando de volta para você’”.

Vivendo um milagre

Ela conta que a esperança encheu seu coração. “Uma amiga me enviou um e-mail contando-me sobre um pequeno grupo orou no sábado à noite por Mike. Incluído neste grupo estava um menino. Ele disse que enquanto oravam juntos por Mike, ele viu Deus enviando Mike do céu de volta para a terra e Mike tinha a palavra ‘líder’ escrita nele”, recorda.

Após todos os cuidados, eles chegaram à Cidade do México. “Sentei-me em uma sala de espera vazia enquanto a equipe da sala de emergência tirava mais água do mar dos pulmões de Mike. Ele foi intubado novamente. Por volta das três da manhã, o médico do pronto-socorro me deu uma atualização, dizendo que os sinais vitais de Mike estavam melhorando.

"Você acha que Mike tem dano cerebral?", perguntou a esposa ao médico. “Sim, acho que sim”, respondeu o médico com tristeza.

“A noite toda eu ponderei as palavras que tinha ouvido Deus dizer para mim e eu as disse de volta para ele. Você disse que vai mandar Mike de volta para mim. Ajude minha fé”, orou.

Por volta das 5 da manhã, Mike foi levado para uma sala de UTI.  “Eu adormeci e, quando acordei, uma mulher estava em minha frente. Ela me disse em espanhol ‘Eu vi Jesus com você antes de me aproximar. Deus trouxe você para este hospital, o melhor do país, porque seu marido vai ficar bem. Deus me disse isso’. Eu a abracei e silenciosamente agradeci a Deus pela confirmação. Estávamos conseguindo um milagre”, conta.

Começo do milagre

Mike acordou sozinho do coma enquanto fazíamos os testes nele. Ele não conseguia falar por causa da intubação, mas era capaz de obedecer a comandos simples de movimento dos olhos. Ele não tinha dano cerebral. “Comecei a chorar de alegria porque estava acontecendo; estávamos vendo a cura milagrosa que Deus havia me prometido!”, lembra

Os médicos disseram que a pancada que Mike recebeu provocou danos na espinha e ele estava paralisado abaixo do pescoço. “As palavras que Deus havia falado comigo 24 horas antes estavam se repetindo continuamente em minha cabeça e fazendo seu trabalho. Deus me disse que estava mandando Mike de volta para mim e eu tinha certeza de que isso só poderia significar uma coisa, que Mike teria uma recuperação completa”, diz.

Ela diz que uma boa amiga, Irene Blomgren, bateu palmas de alegria ao ouvir a notícia de que Mike estava tetraplégico. “Agora eu sei porque vim! Eu sei exatamente como orar pela cura de Mike!”, disse a amiga. O filho de Irene, Jason, ficara tetraplégico após um grave acidente de esqui aquático cerca de quatro anos antes. Embora os médicos tenham aconselhado a família a aceitar que Jason sempre estaria em uma cadeira de rodas, Irene pressionou, orando por uma cura milagrosa para seu filho. A cura de tetraplegia de Jason foi progressiva ao longo de cerca de 18 meses e hoje ele está completamente normal.

Quando Mike acordou, sua esposa contou sobre as palavras que Deus havia falado com ela. “Deus o mandou de volta do céu para mim”, disse a ele. Ela contou que seu cérebro já tinha sido curado milagrosamente e sua paralisia seria curada assim como Jason. “A partir daquele momento, Mike se juntou a mim na expectativa de que Deus o estivesse curando”, diz.

De volta a San Francisco, Mike foi transferido da UTI para um grande quarto de hospital particular. “Todos os dias, Mike e eu víamos que suas pernas e pés tinham um pouco mais de amplitude de movimento. Poucos dias depois, ele começou a sentir um pequeno movimento na mão direita. Havia um novo movimento para Mike quase todos os dias. Começamos uma tradição diária de celebrar e agradecer a Deus”, diz.

A concretização do milagre

Uma semana antes do Natal, finalmente chegou a hora de Mike voltar para casa. A equipe do hospital encheu meu carro até a borda com todos os tipos de equipamentos e suprimentos médicos: uma cadeira de rodas, andador, suspensórios para as pernas, roupas de compressão, aparelhos para exercícios, suspensórios de pescoço sobressalentes, medicamentos e páginas e páginas de instruções médicas.

Enquanto eu dirigia para casa, Mike arrancou o colar cervical e jogou no banco de trás. Mike disse que não tinha certeza de quanto do equipamento ele realmente precisava.

No primeiro dia em casa, Mike lenta e cuidadosamente caminhou sozinho pela casa e subiu e desceu escadas. No segundo dia, Mike voltou a trabalhar em seu escritório na cadeira de rodas. Em algum momento entre o Natal e o ano novo, Mike decidiu que não precisava mais da cadeira de rodas e ela se juntou ao resto dos refugos do hospital na garagem.

No dia de Ano Novo, Mike sentiu que poderia começar a dirigir com segurança. Lentamente, a mão e o braço esquerdos de Mike começaram a ter mais movimento voltando, como já acontecia em sua mão e braço direitos. Em abril, Mike voltou a andar de mountain bike regularmente. Várias vezes por semana, Mike corre ao redor de nossa vizinhança para se exercitar.

“Já se passaram seis meses desde o acidente. Se você conhecesse Mike pessoalmente, nunca saberia que ele estava tetraplégico recentemente. Existem algumas coisas que faltam para voltar. O tato de Mike é confuso e ele não consegue discernir texturas e pressão corretamente; ele deixa cair coisas às vezes. A fisioterapia está ajudando nisso. E recuperar a força muscular após cada músculo atrofiado pela paralisia ainda é um trabalho em andamento. Mas eu sei que Deus trará Mike totalmente de volta; ainda estamos caminhando por esse milagre de cura”, testemunha.

“Recentemente, liguei para o Centro de Recursos para Paralisia Christopher Reeve porque estava curiosa para saber se eles tinham estatísticas sobre quantas outras pessoas com lesões incompletas da medula espinhal recuperam-se totalmente ou quase. Talvez houvesse mais pessoas que se recuperaram da paralisia do que nos disseram. Um homem agradável do outro lado da linha telefônica respondeu à minha pergunta: ‘De vez em quando, ouvimos a história de uma recuperação milagrosa de uma lesão incompleta da medula espinhal, mas não mantemos estatísticas sobre elas. Onde estava o ferimento do seu marido?’. Entre as vértebras cervicais C-2 e C-3, respondi. ‘Entre C-2 e C-3’, ele repetiu, ‘as pessoas não se recuperam disso. Isso é impossível’.”

Siga-nos

Mais do Guiame