‘Cuidar dos órfãos não é função do governo, mas sim da Igreja’, adverte Michael W. Smith

Para o cantor, os cristãos devem refletir o amor paterno de Deus, servindo órfãos como mentores e “pais substitutos”.

Fonte: Guiame, com informações do The Christian Post Atualizado: segunda-feira, 23 de agosto de 2021 15:39
Para Michael W. Smith, a Igreja precisa se responsabilizar pelo cuidado dos órfãos. (Foto: Divulgação).
Para Michael W. Smith, a Igreja precisa se responsabilizar pelo cuidado dos órfãos. (Foto: Divulgação).

O cantor cristão Michael W. Smith está desafiando a Igreja a despertar para a crise de paternidade na sociedade atual e a refletir o amor paterno de Deus, servindo órfãos como mentores e “pais substitutos”.

Em entrevista ao The Christian Post, o compositor americano de 63 anos falou sobre as trágicas consequências da ausência de pai na vida dos filhos, como o vício em drogas até o suicídio de adolescentes. 

“Precisamos de muitos pais substitutos. Temos milhares de jovens que precisam de mentores, e não acho que seja função do governo. Acho que é função da Igreja ser mentor”, disse Smith. 

Para o artista, a Igreja precisa se responsabilizar pelo cuidado dos órfãos. “É uma crise para a qual precisamos acordar, perceber que temos que fazer parte da solução e temos as ferramentas para ser uma solução e ajudar. Deixe a Igreja se levantar e eu estou apontando o dedo bem para mim também”, afirmou.

Pai de cinco filhos e avô de 16 netos, a importância da paternidade é um tema com o qual Michael Smith se preocupa. Segundo ele, foi o amor, a paciência e o sacrifício de seu pai, Paul Smith, que ensinou sobre o caráter de Deus e transformou sua vida. 

“Meu pai me ensinou como é Deus em vários níveis. Ele esteve lá para mim por toda a minha vida. Ele me amou. Ele tinha tantos atributos de Deus. Ele estava otimista, sorria e ria todos os dias. Ele alimentava os sem-teto e amava muito minha mãe”, contou Smith, sobre o pai que faleceu em 2015. 

Paternidade de Deus

Michael também destacou que muitas pessoas não conseguem ver Deus como um pai porque cresceram com pais abusivos ou pais ausentes. “Muitas pessoas lutam com [a ideia de] serem amigas de Deus. Elas não conseguem entender como Ele deseja apenas ser seu pai”, disse. 

E continuou: “Quando você entende o coração de pai de Deus e sabe o quanto Ele o ama, o que você faz? Você apenas responde a isso. E quando você responde a isto, você anda em obediência, e deseja fazer a coisa certa. Você apenas deseja agradar a Deus; você só quer amá-lo de volta”, explica o cantor.

Para Smith, receber a revelação da paternidade de Deus “é uma virada de jogo porque você nunca será capaz de entrar em seu destino completo até saber que é amado”. 

Com o propósito de que mais pessoas conheçam Deus como seu bom pai, Michael acabou de lançar seu novo livro “The Way of the Father: Lessons from My Dad, Truths about God”, onde compartilha histórias comoventes da vida de seu pai e como seu caráter refletia o de Deus. 

Mentores espirituais para órfãos 

Apaixonado por cuidar da próxima geração, há quase 30 anos na cidade de Nashville, Michael Smith criou o Rocketown of Middle Tennessee, um centro cristão para crianças e jovens que não possuem uma boa referência paterna. 

“Muito do que fazemos é apenas orientar e amar crianças que não têm famílias muito boas. Essas crianças sabem que são amadas e estimadas, e não importa o que tenham feito ou de onde venham, nós simplesmente as amamos”, explicou o cantor.

Aos pais que desejam que seus filhos cresçam nos caminhos do Senhor, Smith os aconselha a se comunicarem com os filhos, desculparem-se quando errarem e amá-los como Jesus os ama.

“E isso vem com muita paciência e limites”, enfatizou. “Haverá provas e tribulações, mas apenas seja consistente. Ore muito por seus filhos, para que as mãos de Deus estejam sobre eles [e que] haja uma cerca de proteção ao redor deles. E apenas viva a vida”, concluiu. 



Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame