Com possível pena de morte, julgamento do atirador da igreja em Charleston é adiado

A defesa do réu disse que se a pena de morte estivesse excluída das possibilidades, não haveria necessidade de um julgamento porque o atirador já se declararia culpado.

Fonte: Guiame, com informações do Christian TodayAtualizado: quarta-feira, 6 de abril de 2016 12:43
Dylan Roof, 22 anos, pode ser condenado à pena de morte, por sua autoria na execução brutal de 9 pessoas, em uma igreja da cidade de Charleston. (Foto: Reuters)
Dylan Roof, 22 anos, pode ser condenado à pena de morte, por sua autoria na execução brutal de 9 pessoas, em uma igreja da cidade de Charleston. (Foto: Reuters)

Um juiz concedeu na última terça-feira (5) o pedido dos Estados Unidos dos promotores para o atraso do julgamento que considera a possibilidade de pedir a pena de morte para Dylan Roof, o homem acusado de matar nove cristãos em junho de 2015, na cidade de Charleston, Carolina do Sul (EUA). A chacina aconteceu durante um estudo bíblico, ministrado na igreja metodista afro-americana 'Emmanuel' e os promotores apontam o caso como um crime de ódio.

O juiz distrital Richard Gergel instou o governo federal a tomar uma decisão em breve sobre a possível condenação de Dylan à pena de morte. O réu planeja se declarar culpado se ele não enfrentar a possibilidade de execução. Já Gergel disse que poderia definir uma data para o julgamento, em algum momento, mas se interessa em um julgamento rápido.

"Há vítimas aqui", disse Gergel. "Eles têm o direito de colocar isso para trás".

Roof, que enfrenta 33 acusações por crimes de ódio, é acusado de ter cometido o crime que aqueceu ainda mais os debates sociais sobre racismo e controle de armas nos Estados Unidos.

O assistente da procuradoria federal, Jay Richardson disse que entendia que as deliberações do Departamento de Justiça sobre a possibilidade de pedir a pena de morte para Roof chegaram à mesa da Procuradora Geral Loretta Lynch, que vai anunciar a decisão.

"Esta é obviamente uma decisão muito importante e que está sendo tomada deliberadamente", disse Richardson.

O advogado de Roof, David Bruck, disse que se a pena de morte estivesse excluída das possibilidades, não haveria necessidade de um julgamento porque o atirador já se declararia culpado.

Gergel também já havia adiado o julgamento de Roof em fevereiro, a pedido de sua defesa, que precisava de mais tempo para se preparar. Na ocasião, o Departamento de Justiça também ainda estava considerando a pena de morte.

O Departamento de Justiça quis fazer mais comentários na última terça-feira.

Alguns membros da família das vítimas e um sobrevivente do tiroteio participaram da audiência de terça-feira, mas Roof não teve participação.

O atirador tinha sido associado a pontos de vista 'brancos supremacistas' e Lynch disse que as acusações federais contra ele são baseadas em evidências que ele atirou contra suas vítimas, motivado por questões raciais, obstruindo também o direito das vítimas, de exercerem sua religião.

Os promotores do estado da Carolina do Sul estão buscando a condenação à pena de morte para Roof. Seu julgamento por assassinato está programado para acontecer em 11 de julho.

Em um caso relacionado, advogados e promotores de defesa disseram que poderiam estar prontos até junho para o julgamento do amigo de Roof, Joseph Meek - acusado de ocultar o conhecimento de um crime e mentir para um agente do FBI, depois do tiroteio na igreja metodista. A data do julgamento de Joseph ainda não foi definida.

Siga-nos

Mais do Guiame