Após ficar paraplégico em tiroteio, líder de gangue se torna pregador do Evangelho

Jesse Holguin tinha se tornou membro de gangue, como todos os homens de sua família. Mas um encontro do Deus mudou sua vida.

fonte: Guiame, com informações do God Reports

Atualizado: Quinta-feira, 21 Janeiro de 2021 as 8:26

Jesse Holguin ficou paraplégico em um tiroteio. (Foto: Reprodução / PragerU).
Jesse Holguin ficou paraplégico em um tiroteio. (Foto: Reprodução / PragerU).

Desde muito jovem Jesse Holguin esteve envolvido em tiroteios. Ele conta que entrou no crime porque “cada membro da minha família, cada homem era um membro de gangue”.

Diferente de outras crianças que gostariam de ser artistas de cinema ou atletas quando crescessem, Jesse diz que seu objetivo era ser membro de uma gangue.

Todo fim de semana, ele, seus irmãos e seus companheiros de crime eram alvejados. Ele conta que sua família era temida e que ele tentou “conquistar meu próprio respeito.”

Não demorou muito para que Jesse acabasse na prisão da Autoridade Juvenil, o que ele chamou de "pior pesadelo".

“Na minha primeira noite, eu vou para o chuveiro e um cara corre comigo no chuveiro com uma haste (uma faca)”, diz ele. "Ele queria me apunhalar no chuveiro e eu estava com medo. Mas eu disse a ele: 'O quê? Vá em frente, me apunhale. E aí? Eu não estou com medo. E aí?'"

A atitude de destemor funcionou, conta Jesse, e o garoto que o ameaçava recuou. “Esse foi apenas o meu primeiro dia lá”, diz ele. “Eles a chamavam de escola de gladiadores.”

Herói

Jesse foi dispensado da Autoridade da Juventude e voltou para casa como um herói. Na vida do bandido, cumprir pena é como ganhar seu cargo no exército. Após a libertação, ele foi nomeado líder de toda a gangue.

“Acabei alcançando o melhor que você poderia esperar nesse estilo de vida”, diz Jesse. “Acabei sendo o líder da minha gangue e minha gangue era grande, poderosa e respeitada. Eu tinha respeito. Tive mulheres, tive tudo. Mas eu ainda não estava feliz."

Além de ser o líder da gangue, Jesse também trabalhava. Acontece que seu chefe era cristão e falava constantemente sobre Jesus.

“Eu nunca ouvi isso do jeito que ele estava compartilhando comigo”, disse Jesse. “Ele estava me contando sobre Jesus e coisas assim, e eu disse a ele: 'Quer saber? Isso soa bem. Talvez um dia, se algum dia eu me casar e coisas assim, talvez eu vá à igreja.'”

Mas, Jesse acrescentou, "eu nem acho que poderia ser perdoado."

Seu chefe contou-lhe tudo sobre o pecado de Davi com Bate-Seba e o subsequente assassinato de seu marido, Urias, e como Deus pode perdoar.

‘Ajude-me a mudar’

Isso serviu de base para um novo pensamento em Jesse. Então, quando estava sozinho, ele orou: “Ajude-me a mudar”.

O problema era que Jesse ia fazer outro tiroteio naquela mesma noite. Após uma perseguição em alta velocidade, ele colidiu com seus amigos e foi preso. Desta vez, ele enfrentou prisão perpétua por sete crimes. Isso o levou à oração novamente.

"Por favor, Deus, me dê mais uma chance de sair e eu prometo que nunca tocarei em uma arma", ele orou.

Jesse conta que depois disso, teve um sonho assustador e clamou a Jesus por perdão. “Eu acordei, estava mudado”, lembra Jesse, que nasceu de novo durante o sono.

“Eu era uma pessoa totalmente diferente por dentro, como se não entendesse o que estava acontecendo comigo, mas eu simplesmente sabia de algo dramático porque estava totalmente mudado”, diz.

‘Pensamentos malignos mudaram’

Jesse conta que antes daquela noite estaria pensando como poderia pegar seus inimigos assim, correr sobre eles e atirar neles. “Mas depois que orei naquela noite e acordei, todos aqueles pensamentos malignos mudaram.”

O homem conta que antes, quando ele tentava ler a Bíblia, achava enfadonho. Ele não a entendia. “Mas agora, as páginas ganharam vida”, diz. Assim, Jesse entrou para o estudo bíblico na prisão.

Mas ele também cometeu um erro: continuou andando com "os caras".

Depois de ser libertado, sua gangue lhe deu uma grande festa em sua casa. Eles o queriam de volta como o líder. Jesse tentou dizer a eles que agora era cristão e não podia mais participar das atividades da gangue. Eles não acreditaram nele.

“Até minha própria mãe me disse: ‘Vou renegá-lo se você se tornar cristão’, porque eles odiavam os cristãos”, lembra. “Apenas imagine isso. Ela preferia que eu fosse um membro de uma gangue do que ir à igreja.”

Jesse tinha boas intenções, mas nenhum apoio. Quando seu primo foi assassinado, a família lhe deu uma arma para a vingança.

Ao chutar a porta do assassino, Jesse não contava com o cara atirando nele da janela. Ele não ouviu ou sentiu as balas, mas ele caiu no chão. Jesse tentou se arrastar enquanto seu adversário continuava a atirar sobre ele. As balas perfuraram seus pulmões e estilhaçaram sua coluna.

Quando os policiais chegaram, eles proferiram uma observação sombria: "Ele não vai sobreviver. Sua única chance é chamar o helicóptero.”

Clamor a Jesus

“Eu estava com medo de morrer. Mas assim que comecei a clamar por Jesus, uma paz maravilhosa tomou conta de mim e eu estava tão em paz, tão consolado”, lembra Jesse.

Seu ministério começou assim que ele chegou ao hospital. “Eles ficaram maravilhados. Quando me viram, os médicos disseram: 'Cara, nós nunca vimos um cara como você antes. Normalmente, quando dizemos que eles nunca mais vão andar, temos que dar antidepressivos”.

“Mas o Senhor me deu paz para a minha situação”, conta Jesse.

Vendo seu bom humor, a equipe do hospital o convocou para encorajar outros pacientes, diz ele.

“Eu estava todo baleado, mas andava pelo hospital tentando animar todos os outros pacientes. O Senhor já estava começando a me usar, embora as enfermeiras estivessem em estado de choque.”

Um dia, todos os seus companheiros de gangue apareceram em seu quarto de hospital.

“Queremos pegar o cara que atirou em você”, juraram. Mas Jesse não aceitou.

"O que você quer dizer?", eles perguntaram incrédulos. "Nós vamos pegá-lo."

“Eu o perdoo” disse Jesse, assustando-os. "Eu o perdoo. Deixe-o ir. Eu deveria morrer naquele dia, mas Deus me deixou vivo por um motivo.”

Hoje, Jesse é um cristão que ministra sobre sua cadeira de rodas, um legado daquele tiroteio.

veja também