21 procuradores se opõem às políticas LGBT de Biden por risco à liberdade religiosa

Segundo os procuradores, a nova orientação vai muito além do que o tribunal superior ordenou e parece ignorar as proteções fornecidas aos empregadores religiosos.

Fonte: Guiame, com informações de Christian PostAtualizado: quarta-feira, 14 de julho de 2021 13:45
Da esquerda para a direita: Procurador-geral da Louisiana Jeff Landry, Procurador-geral da Carolina do Sul Alan Wilson, Procurador-geral Curtis Hill de Indiana e Procurador-geral do Alabama Steve Marshall, no Capitólio dos Estados Unidos, Washington, em 2
Da esquerda para a direita: Procurador-geral da Louisiana Jeff Landry, Procurador-geral da Carolina do Sul Alan Wilson, Procurador-geral Curtis Hill de Indiana e Procurador-geral do Alabama Steve Marshall, no Capitólio dos Estados Unidos, Washington, em 2

Um grupo de 21 procuradores-gerais estaduais enviou uma carta ao governo Biden, denunciando os recentes esforços para expandir as políticas LGBT em escolas e empresas nos Estados Unidos. Eles alegam que tais políticas ferem a liberdade religiosa e o direito de liberdade de expressão

Eles são contra a nova orientação sobre o acesso a banheiros específicos para homens ou mulheres. A administração de Biden quer interferir sobre a forma como empresas e escolas devem regular o uso de banheiros para pessoas trans.

A Lei dos Direitos Civis também foi expandida para proteger funcionários LGBT, proibindo a discriminação no emprego com base na orientação, identidade sexual e de gênero.

A orientação da EEOC (Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego) e do Departamento de Educação é que os trabalhadores e estudantes gays, bissexuais, transgêneros, lésbicas e queers não devem ser obrigados a seguir códigos de vestimenta ou usar banheiros adequados ao seu sexo biológico. 

Além disso, existe uma advertência dizendo que o não cumprimento intencional e o não uso repetido dos pronomes preferidos de um funcionário podem contribuir para a criação de um ambiente de trabalho ilegalmente hostil.

Contestação

Os procuradores-gerais questionaram as orientações da EEOC e do Departamento de Educação, afirmando em parte que a administração estava aplicando erroneamente a “decisão de Bostock”.

O caso Bostock ficou conhecido depois da decisão judicial de que “um empregador que demite um indivíduo apenas por ser gay ou trans” está violando o artigo VII da Lei dos Direitos Civis dos EUA. 

Quanto às orientações da EEOC, dizendo que o empregador não pode discriminar um trabalhador LGBTQ em potencial ou já contratado com base no fato de que os clientes preferem pessoas com identidade de gênero ou orientação sexual diferente.

“A nova orientação vai muito além do que o tribunal superior ordenou”, escreveram os procuradores. Eles também observam que a EEOC parece ignorar as proteções fornecidas aos empregadores religiosos, de acordo com a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa.

A carta dos procuradores-gerais concluiu que, ao aprovar as orientações da EEOC e do Departamento de Educação, a administração Biden “prejudica o estado de direito e mina a legitimidade dessas agências executivas”.

“As agências federais não têm autoridade para alterar as leis unilateralmente. Essa é uma prerrogativa exclusiva do Congresso. Ações como essas excluem vozes, votos e participação do povo e de seus representantes, o que não é direito, nem constitucional”.

A carta foi defendida por Tennessee Atty. Gen. Herbert H. Slatery III, e incluiu entre seus apoiadores os procuradores-gerais que representam os estados de Alabama, Alasca, Arizona, Arkansas, Geórgia, Idaho, Indiana, Kansas, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska, Ohio, Oklahoma, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Texas e West Virginia.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame