"Sou da mesma tribo de Jesus": Judia messiânica leva o evangelho de Israel para Uganda

Miriam “Nabujeke” Tchernousov de Netanya serviu como missionária no país africano nos últimos dois anos.

Fonte: Guiame, com informações do Kehila NewsAtualizado: segunda-feira, 27 de setembro de 2021 17:51
Miriam Tchernousov com seus alunos em Uganda. (Foto: Reprodução / Kehila News)
Miriam Tchernousov com seus alunos em Uganda. (Foto: Reprodução / Kehila News)

Quando você ouve o termo “missionário israelense”, seu primeiro pensamento é provavelmente os crentes israelenses que compartilham o Evangelho com outros judeus em Israel. Talvez você pense em missionários estrangeiros vindo para Israel. Mas você sabia que existem missionários israelenses do Corpo Messiânico local, que servem em países estrangeiros, como Uganda, Índia e Japão?

Uma delas é Miriam “Nabujeke” Tchernousov de Netanya, de 33 anos, que serviu como missionária em Uganda nos últimos dois anos.

“Quando você diz às pessoas desta sociedade tribal que 'Sou da mesma tribo de Jesus', o evangelho se torna real para elas. A Bíblia não é mais um conto de fadas de um país distante. É real, é verdade. Estou aqui diante deles em carne e osso e digo-lhes que vim daquele lugar de que fala a Bíblia”, disse em sua entrevista à KNI.

Miriam nasceu na Rússia e cresceu em Netanya, na congregação Beit Asaph. “Adorei conhecer outras culturas que já estavam lá, com os etíopes nas congregações e os turistas que os visitavam. Quando criança, eu era ativo no King's Kids e, após meus dois anos de serviço militar, fiz o programa Lech L'cha, e nesse programa há a opção de ir a Uganda para evangelizar. Então, minha primeira vez em Uganda foi com Lech L'cha em 2010.”

Ela ficou um mês lá e se apaixonou pelo lugar. “Foi quando percebi que não podemos simplesmente ir lá, dizer a eles para acreditarem em Jesus e desaparecer. Se quisermos realizar uma mudança real, precisamos vir morar com as pessoas. Eles precisam ver como vivemos. É assim que eles verão o evangelho.”

Quando ela voltou para Israel, ela se formou em educação, e então se juntou a um programa de 8 meses na Armênia com a Escola de Treinamento de Discípulos da JOCUM, que culminou com um mês de evangelismo em Istambul e outro mês na Geórgia. Depois disso, ela ingressou na Escola de Missões Harvest da Iris Global em Moçambique, o que durou mais três meses. A escolarização e o evangelismo aconteceram em uma área rural sem água encanada ou eletricidade. “Após aquele ano inteiro de treinamento para ser um missionário, e pensando no que seria necessário e decidindo sobre isso, perguntei a Deus onde ele queria que eu e para onde eu deveria ir - e ele me disse para voltar para casa em Israel!”

Viagens evangelísticas

Em 2016, ela voltou a Israel e trabalhou como professora de jardim de infância. Primeiro em uma comunidade da nova era e depois por dois anos em uma comunidade muçulmana. Durante esses anos, ela também orientou as viagens evangelísticas de Lech L'cha a Uganda todos os anos no verão. Eles sempre iam para o mesmo lugar - uma vila nas encostas do Monte Elgon, no leste de Uganda. Em 2019, ela se juntou a um treinamento de JOCUM de três meses chamado “Escola Missionária de Fronteira” na Rússia sobre como estabelecer uma presença em uma área não alcançada. Incluiu pesquisa antropológica das pessoas que você está tentando alcançar e preparou um plano de ação tangível. Ela trabalhou na tribo Lumasaba do Monte Elgon, voltou para casa em Israel por uma semana em dezembro de 2019 e, em janeiro de 2020, foi para Uganda.

Em um folheto que distribuiu em 2019, ela escreveu: “Quando visitei Uganda pela primeira vez em 2010, Deus plantou uma semente de amor em meu coração pela tribo Lumasaba. Agora, depois de dez anos de treinamentos, trabalhando com educação e liderando evangelismo todos os anos em Uganda, sinto que Deus está me chamando para me mudar para Uganda no próximo ano. Vou morar com uma família local em um vilarejo sem água encanada ou eletricidade para aprender sobre sua vida diária, ensinar no jardim de infância e aprender seu idioma, para levar o evangelho de Deus e o amor a essas pessoas”.

Ela também acrescentou: “Deus nos chamou, o povo de Israel, para ser uma luz para as nações. Após 70 anos como nação, o Corpo local é forte e bem estabelecido. Eu pessoalmente acredito que o Corpo do Messias em Israel está agora maduro o suficiente para enviar pessoas para 'declarar sua glória entre as nações'.”

Sua congregação local em Netanya, Beit Asaph, ajudou a organizar os detalhes práticos e a sustentá-la economicamente. As pessoas foram incentivadas a doar para a congregação para apoiá-la.

Em 2017, Lech L'cha e Beit Asaph se envolveram com uma organização sem fins lucrativos local chamada “BIRD” que havia começado a construir uma escola e orfanato na área, pois há muitos órfãos na área por causa da sida. A escola vai ensinar as crianças a ler e escrever, e também habilidades práticas como carpintaria, costura ou cerâmica. Todos os anos, quando ela ia lá com Lech L'cha, ela veria como a construção estava indo, mas ainda está em andamento.

“Como tenho formação na docência, vou fazer parte dessa escola. Mas eu queria me mudar para lá e fazer parte da comunidade deles alguns anos antes. Eu não queria chegar com 'Oi, eu sou o branco que vai te ensinar a ser'. Não sabendo nada sobre eles e sua cultura e como eles vivem sua vida diária. Queria vir de baixo, morar com eles, sair para trabalhar no campo com eles, entender a mentalidade deles e como eles pensam. A partir desse ponto, posso pensar em como promovê-los, como ensinar de uma maneira mais eficaz e como levar o evangelho a eles”.

Aula para crianças

Ela veio em janeiro de 2020 para ser voluntária no “BIRD”. Além de construir a escola, o BIRD combate a pobreza e a sida, e dava aulas em uma de suas creches. Ela vivia como a única pessoa branca com pessoas em um vilarejo chamado Luzzi, sem eletricidade ou água encanada, que ficava a duas horas de viagem de moto da cidade mais próxima, Mbale.

Miriam Tchernousov servindo em Uganda. (Foto: Reprodução / Kehila News)

“O jardim de infância tinha bancos e quadro-negro. Crianças de 3 ou 4 anos sentam-se em silêncio nos bancos e estudam. Todos os outros professores ensinariam segurando uma vara. Uma criança que não se cala é atingida com a vara. É por isso que essas crianças de 4 anos são tão disciplinadas e ficam horas olhando para o quadro-negro. Entrei para a aula sem vara, e o que as crianças fazem? Eles saem e cortam um galho para me dar, então terei uma vara. Eu não tinha certeza de como agir, mas apenas agradeci e deixei de lado. ”

Seu termo para brancos era “muzungu”, e eles iam até Miriam na rua da aldeia, dizendo “muzungu, dê-me um dólar”. Ela respondeu: “Não estou dando dinheiro, mas posso ir cavar com você”. E então ela ia para o campo e cavava com eles, e bombeava água, levando a água de volta para a aldeia. “Eles olhavam para mim e diziam 'você é um muzungu diferente'. Como é que uma pessoa branca cava no campo e carrega água? Mas é nisso que acredito, vir morar com as pessoas ”. Miriam também compareceu a funerais e casamentos, e ainda teve a honra de participar dos cumprimentos de um casamento, tendo que aprender as frases corretas em sua língua. Ela até os ouviu dizer: “O muzungu agora é parte de nós”.

Desafios

Um desafio que ela descreve é ​​como eles costumam ver os “brancos” como deuses e estarão prontos para fazer tudo o que ela disser. Eles costumavam ser uma colônia britânica, então eu me perguntei se eles não veem os brancos como opressores, mas ela diz que é o contrário. “Se eu disser a eles para acreditarem em Jesus, eles acreditarão em Jesus. Se eu disser a eles para pularem com uma perna, eles pularão com uma perna só. Lembro-me especialmente de uma vez, muito tempo atrás, quando compartilhamos o evangelho e eles nos perguntaram: 'Se aceitarmos Jesus, nos tornaremos brancos?' Uhm ... não, vamos começar de novo. E por causa disso, preciso ter cuidado com o que digo o tempo todo. Se eu contar uma piada ou disser algo irônico, essa coisa pode se espalhar como 'a verdade' por toda a aldeia. Isso me força a ser honesto e oficial e torna difícil ser apenas eu mesmo. É exatamente por isso que fui cavar com eles e fazer tarefas diárias regulares com eles, para mostrar que sou um deles. Eu não sou deus. Estou tentando mudar essa percepção equivocada que eles têm.” Ela recebeu o apelido de “Nabujeke”, que significa “garotinha”, por correr e brincar com as crianças da aldeia.

Outro desafio de Miriam é o que fazer com a poligamia. O que você diria a um polígamo que aceitou a fé? Ele é obrigado a se divorciar de três de suas quatro esposas? Como ele decide quais? Essas não são perguntas fáceis.

Frequentemente, os brancos chegam à aldeia em um carro branco, distribuem doces e depois vão para o hotel. Em Lech L'cha, Miriam explica, eles fizeram questão de ficar e dormir na aldeia e foram os primeiros brancos a fazê-lo. “Fomos ao mercado comprar coisas e as pessoas olhavam para nós. Perguntamos por que e eles explicaram que nunca tinham visto brancos andando a pé”.

Pandemia

Ela trabalhou em Luzzi por três meses, depois chegou o Covid-19. Ela estava em Mukono, uma cidade próxima à capital Kampala, visitando um amigo, quando chegou a ordem de bloqueio. Ela não tinha como voltar para Luzzi. “Trouxe comigo o essencial, apenas um vestido e minha Bíblia, porque pensei que ia passar três dias. Acabei ficando em Mukono por seis meses.”

Quando Uganda impôs o fechamento, aconteceu da noite para o dia. Eles proibiram todo o tráfego nas estradas por três meses, e as pessoas que estavam longe de casa naquele dia simplesmente ficaram presas onde estavam. A maioria dos missionários internacionais voou para casa, uma vez que as escolas e igrejas em que deveriam trabalhar foram fechadas. “Eles achavam que não podiam fazer seu trabalho quando não havia escolas, mas eu tinha planejado ficar em Uganda por cerca de um ano de qualquer maneira, e percebi que especialmente em uma pandemia, quando não há escolas, é quando o os pais precisam de alguém que possa fazer algo com as crianças.”

Quando Miriam descreve as medidas de fechamento de Uganda, parece surreal. Se a polícia pegar você dirigindo entre cidades durante um fechamento, a punição é açoite. “Os policiais têm esses cassetetes que vão usar. Eles não podem multar as pessoas, são muito pobres”, explica ela. Mas talvez um dos resultados mais devastadores dos fechamentos de COVID que ela viu seja a alta porcentagem de gravidez na adolescência. “Não sei se existem estatísticas oficiais, mas diria que bem mais de 50% de todas as adolescentes engravidaram durante o COVID. Não tenho certeza se é tédio ou abuso, ou se eles estão apenas com fome, mas há uma onda de gravidez de adolescentes em Uganda agora.”

Miriam ficou em Mukono e trabalhou com o CAIM, Children Alive Ministries, ensinando na Escola Dominical em parques e quintais, enquanto as igrejas estavam fechadas. Por ser fora da igreja, os vizinhos notaram e algumas crianças de famílias muçulmanas se juntaram. "Foi uma bênção. As crianças muçulmanas passeavam cantando canções cristãs depois, e tivemos a oportunidade de pregar o evangelho a seus pais e contar-lhes histórias da Bíblia.”

Doações para Bíblia

Quando Miriam percebeu que muitas crianças não tinham Bíblia, ela escreveu para casa e perguntou se as crianças de lares israelenses queriam doar para comprar uma Bíblia para uma criança em Uganda. Ela levantou dinheiro para comprar quarenta Bíblias, e as crianças de Uganda escreveram cartas de agradecimento e desenhos para as crianças em Israel.

Depois daqueles seis meses em Mukono, Miriam decidiu não voltar para Luzzi por enquanto. As escolas em Uganda estão fechadas para o COVID, pois têm estado quase continuamente desde março de 2020, e a escola em que ela trabalhará ainda não está pronta. Na próxima vez que for lá, ela quer vir com uma equipe e não ser a única. Em vez disso, ela voltou para casa em Israel, em outubro de 2020, para descansar, encontrar-se com a família e falar em congregações sobre seu trabalho. E então outro fechamento do COVID a forçou a ficar em Israel por cinco meses.

“Procurei maneiras de voltar para Uganda, mas nenhum dos dois lugares por onde estive eram boas opções por enquanto. Então entrei em contato com a JOCUM e, nos últimos seis meses, tenho ensinado em uma Escola de Treinamento de Discípulos que a JOCUM administra em Arua, no oeste de Uganda. Temos vinte alunos. Alguns têm origem muçulmana. Alguns são surdos, então estou aprendendo a linguagem de sinais de Uganda. Ensinamos a eles o que é o cristianismo, como viver de acordo com o evangelho, e então eles deveriam fazer um evangelismo de dois meses. Mas, durante aqueles meses, Uganda estava confinada, então nós apenas íamos para os vilarejos por aqui. Parte disso é apenas visitar os crentes, orar com eles e encorajá-los. As igrejas estão fechadas, então eles não têm para onde ir. Arua também tem um milhão e meio de refugiados do Sudão do Sul, então temos muitas oportunidades de servir entre eles.

Quando o programa terminar, ela ficará e ensinará na Escola Missionária de Fronteira da JOCUM e trabalhará com os refugiados. Como Arua fica perto da fronteira com o Sudão do Sul e o Congo, que são países de fronteira, alguns missionários recebem seu treinamento lá antes de partir. O plano a longo prazo é regressar a Luzzi e ao Monte Elgon eventualmente, mas depende da construção da escola e da evolução dos encerramentos da COVID. Por enquanto, as escolas estão fechadas e ninguém sabe quando serão abertas.

Miriam enfatiza que o simples fato de vir lá já é um testemunho em si. “Andar a pé na aldeia, e não apenas passar de carro, ficar com eles em suas cabanas de barro em vez de ir para um hotel. Essas ações são um testemunho do amor do Messias. Mas não é só isso. Dizemos a eles o quão longe chegamos. Pegamos dois aviões, depois uma motocicleta, um caminhão e caminhamos, e viemos até aqui para dizer que te amamos. Poderíamos ter enviado apenas uma carta com cheque, mas queríamos segurar sua mão e vê-lo cara a cara, saber das suas dificuldades e viver com você. E você sabe por que podemos fazer isso? Porque há muito tempo houve um rei que deixou tudo para trás e desceu do céu para viver conosco, humanos. Ele morou conosco, falou conosco, comeu conosco e sofreu como nós. Seu nome é Jesus.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame