Presidente da China tem medo do avanço do cristianismo no país, diz pesquisador

O diretor de Pesquisa Estratégica da Portas Abertas (EUA), Ron Boyd-MacMillan, falou sobre como o Partido Comunista Chinês está preocupado com o avanço da Igreja.

Fonte: Guiame, com informações do Express . ukAtualizado: quarta-feira, 27 de janeiro de 2021 11:34
Cristãos oram em Xangai, na China. (Foto: ThewayIsee / Shutterstock)
Cristãos oram em Xangai, na China. (Foto: ThewayIsee / Shutterstock)

A perspectiva de que a comunidade cristã da China possa alcançar surpreendentes 300 milhões de pessoas até 2030 tem preocupado os líderes comunistas, que temem precisar "dividir o poder" à medida que a Igreja aumenta em tamanho e influência, de acordo com Ron Boyd-MacMillan, da Portas Abertas (EUA).

Boyd-MacMillan, que é diretor de Pesquisa Estratégica da instituição cristã, disse ao site do jornal ‘Express UK’ que o Partido Comunista Chinês, liderado pelo presidente Xi Jinping, está cada vez mais preocupado com o crescimento da população cristã e está reprimindo a religião como resultado disso.

“Acreditamos que a evidência de por que a Igreja chinesa é tão visada é que os líderes estão com medo do tamanho da Igreja e do crescimento da Igreja”, disse Boyd-MacMillan.

“E se crescer na taxa que tem crescido desde 1980, e isso é cerca de 7 a 8% por cento ao ano, então você está olhando para um grupo de pessoas que será de cerca de 300 milhões em 2030. E, você sabe, a liderança chinesa, eles realmente planejam tudo a longo prazo. O plano econômico deles abrange até 2049. Então, isso os incomoda. Porque eu acho que se a Igreja continuar a crescer assim, eles terão que ‘compartilhar poder’", acrescentou

Atualmente, a Portas Abertas classifica a China em 17º lugar na lista dos 50 países onde os cristãos são mais perseguidos. A organização observa que, embora a Igreja esteja desfrutando de “forte crescimento”, a vida para os cristãos chineses não é nada simples.

A política de “sinicizar” a Igreja (adequá-la à ideologia chinesa) está sendo implementada em todo o país, pois o Partido Comunista depende fortemente da identidade cultural chinesa para permanecer no poder, limitando tudo o que percebe como uma ameaça ao seu controle sobre a sociedade.

Igrejas estão sendo monitoradas e fechadas em todo o país, sejam elas clandestinas ou parte do Movimento Patriótico das Três Autonomias, que é a igreja protestante oficialmente sancionada pelo Partido Comunista na China. O governo também proibiu a venda online de Bíblias.

A China também usa vigilância de alta tecnologia para oprimir e monitorar os crentes. Em meio à pandemia da Covid-19, os cidadãos foram forçados a entregar seus dados pessoais ao Partido Comunista Chinês, permitindo que os oficiais do governo aumentassem sua campanha de vigilância.

Violação dos direitos humanos

A repressão à religião não é exclusiva sobre os cristãos. Os muçulmanos uigures (uma comunidade que reside principalmente na região autônoma uigur de Xinjiang, na China) também estão sujeitos a internação em massa, trabalhos forçados e esterilização forçada nas mãos do Partido Comunista Chinês .

Em resposta a toda essa repressão, o ex-governo Trump acusou a China de cometer ou permitir violações dos direitos humanos e emitiu sanções contra os membros do Partido Comunista Chinês.

“Após um exame cuidadoso dos fatos disponíveis, concluí que desde pelo menos março de 2017, a República Popular da China (RPC), sob a direção e controle do Partido Comunista Chinês (PCCh), cometeu crimes contra a humanidade contra a predominância de Uigures muçulmanos e outros membros de grupos minoritários étnicos e religiosos em Xinjiang", disse o então secretário de Estado Mike Pompeo em um comunicado divulgado em 19 de janeiro, que o governo Biden já removeu.

Na sexta-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, não respondeu se o governo Biden manteria a declaração do governo Trump de que a China está cometendo genocídio contra sua população uigur.

Psaki disse a repórteres em uma coletiva de imprensa que Biden "falou antes sobre o tratamento horrível" que os uigures têm sofrido, mas ela irá verificar qual será a política do governo Biden, informou o RCP.

Francis Chan teve de deixar Hong Kong, após ter seu visto negado pelas autoridades do território autônomo. (Foto: Medium.com)

Repressão em Hong Kong

Em esforços para fortalecer a adesão ao PCCh e reprimir a dissidência, o governo da China impôs uma lei de segurança nacional em Hong Kong em junho. Desde então, vários ativistas pró-democracia foram presos e alguns condenados à prisão, acusados ​​de violar a lei de segurança nacional e subverter o poder do Estado.

Este mês, o pastor, escritor e evangelista Francis Chan revelou que, depois de plantar três igrejas na região semi-autônoma, as autoridades de Hong Kong negaram seu visto, forçando-o a retornar aos Estados Unidos.

Chan e sua família haviam se mudado dos EUA para o bairro de Sham Shui Po em Hong Kong em fevereiro de 2020. Em dezembro, ele compartilhou que, como missionário em Hong Kong, foi atingido por um clima de medo.

Siga-nos

Mais do Guiame