Pelo menos 620 cristãos foram mortos por terroristas em 2020, na Nigéria

Segundo uma ONG nigeriana Boko Haram e jihadistas Fulani podem ser os responsáveis pela morte de milhares de cristãos até o final de 2020.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: segunda-feira, 18 de maio de 2020 11:41
Pessoas reagem enquanto um caminhão transporta caixões de pessoas mortas pelos pastores Fulani, em Makurdi, Nigéria, em 11 de janeiro de 2018. (Foto: REUTERS / Afolabi Sotunde)
Pessoas reagem enquanto um caminhão transporta caixões de pessoas mortas pelos pastores Fulani, em Makurdi, Nigéria, em 11 de janeiro de 2018. (Foto: REUTERS / Afolabi Sotunde)

Uma organização da sociedade civil nigeriana estima que pelo menos 620 cristãos foram mortos e centenas de casas, assim como igrejas, foram atacadas na Nigéria desde o início do ano, à medida que continuam os ataques terroristas por parte de grupos como os pastores [criadores de gado] Fulani e o Boko Haram.

A organização não governamental Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito, sediada em Anambra, liderada pelo criminologista Emeka Umeagbalasi, divulgou um comunicado nesta quinta-feira destacando o impacto das atrocidades cometidas por terroristas na Nigéria até agora, em 2020.

O relatório, baseado em dias de pesquisas forenses, alerta que os Fulani, que percorrem os estados rurais do Cinturão Médio e os terroristas afiliados ao Boko Haram e à Província da África Ocidental do Estado Islâmico na região nordeste da Nigéria "intensificaram sua violência anticristã".

O grupo relata o assassinato de "nada menos que 620 cristãos indefesos e os incêndios criminosos ou destruição arbitrária de seus centros de culto e aprendizado" em 2020.

Segundo o comunicado, os radicais Fulani são responsáveis ​​por matar mais de 470 pessoas nos primeiros quatro meses e meio de 2020. O grupo relata que Fulani matou 140 cristãos do início de abril até 14 de maio.

Enquanto isso, acredita-se que o Boko Haram tenha matado pelo menos 150 cristãos desde janeiro.

"As atrocidades contra os cristãos ficaram sem controle e chegaram a um apogeu alarmante com as forças de segurança do país e autoridades políticas fechando os olhos para isso ou até mesmo conspirando com os jihadistas", argumenta a organização.

“As casas atacadas ou destruídas durante o período são centenas; da mesma forma, dezenas de centros de culto e aprendizado cristãos foram danificados”, acrescentou.

A Sociedade Internacional conta com o que considera relatórios credíveis da mídia local e estrangeira, registros governamentais, relatórios de grupos internacionais de direitos e depoimentos de testemunhas oculares para compilar seus relatórios e atualizações estatísticas.

Registro da violência

A organização informou em março que pelo menos 350 cristãos foram mortos em janeiro e fevereiro, com ataques radicais de Fulani no Cinturão Médio da Nigéria representando 250 das mortes e terroristas do Boko Haram representando entre 50 e 100 assassinatos.

Além disso, o grupo informou na época que entre 11.500 e 12.000 cristãos foram mortos na Nigéria desde junho de 2015. Segundo a Intersociety, pastores [criadores de gado] radicais foram responsáveis ​​pelo assassinato de mais de 7.400 cristãos e os grupos do Boko Haram por 4.000 assassinatos.

Embora existam conflitos entre pastores Fulani e comunidades agrícolas predominantemente cristãs nos estados do Cinturão Médio, há muitos defensores dos direitos humanos na região alertando que os ataques dos Fulani nos últimos anos aumentaram tanto em gravidade quanto em quantidade.

Os radicais Fulani costumam estar armados com armas de fogo quando realizam seus ataques noturnos a aldeias agrícolas adormecidas. Como resultado, muitas comunidades agrícolas foram expulsas de suas terras.

A Sociedade Internacional estima que, até o final de 2020, nada menos que um total de 32.000 cristãos terão sido mortos em toda a Nigéria pelos radicais Boko Haram e Fulani desde 2009.

"Os assassinatos cobrem de 2009 a 2020, com números projetados para o Boko Haram, seus descendentes ISWAP e os pastores jihadistas Fulani nos próximos sete meses e meio de 2020", explica o relatório.

Contexto

As descobertas da Sociedade Internacional acontecem quando o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários estimou no ano passado que pelo menos 27.000 pessoas foram mortas por ataques do Boko Haram no nordeste da Nigéria desde 2009.

Durante os anos em que o Boko Haram ganhou destaque no nordeste, a Sociedade Internacional observa que havia 6.000 cristãos mortos por pastores radicais entre janeiro de 2009 e dezembro de 2014 nos estados do Cinturão Médio.

"Esta é uma média de 1.000 mortes de cristãos por ano", relata a organização. “[Os] militantes jihadistas Fulani devem ter sido responsáveis ​​por mais 9.000 mortes de cristãos, ou 1.500 mortes por ano [de janeiro de 2015 a final de dezembro de 2020]”.

"No final, os pastores jihadistas Fulani devem ter representado o total de mortes cristãs de 15.000 em 11 anos", estima Intersociety.

A organização também afirma que a maioria dos mortos pelo Boko Haram de janeiro de 2015 a dezembro de 2019 - cerca de 60% - são cristãos e que todos os mortos pelos radicais Fulani durante esse período são cristãos.

A Nigéria está classificada como o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos na lista de observação mundial da Missão Portas Abertas (EUA) para 2020. Segundo a Missão,,a Nigéria é um dos países mais violentos do mundo para se viver como cristão..

Pela primeira vez em dezembro passado, a Nigéria também foi adicionada à "lista de observação especial" do Departamento de Estado dos EUA sobre países que se envolvem ou toleram violações graves da liberdade religiosa.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame