Pastor e família são agredidos por radicais hindus armados durante oração, na Índia

O pastor Rajesh Gupta e sua família estavam orando na casa de outro cristão, quando foram atacados por um grupo de radicais.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: quarta-feira, 19 de agosto de 2020 12:44
O pastor Rajesh Gupta e sua família foram brutalmente atacados por radicais armados durante um momento de oração na casa de outro cristão. (Imagens: Asia News)
O pastor Rajesh Gupta e sua família foram brutalmente atacados por radicais armados durante um momento de oração na casa de outro cristão. (Imagens: Asia News)

Um pastor e sua família foram brutalmente atacados por extremistas radicais hindus que empunhavam armas afiadas na cidade de Faridabad, Índia. O ataque recente ocorreu em meio a um cenário que revela cada vez mais o aumento nos incidentes de perseguição religiosa no país.

O site ‘Asia News’ relatou que o pastor Rajesh Gupta estava orando na casa de outro crente, quando os radicais hindus atacaram a ele e sua família.

Um amigo resgatou Gupta e sua família e os levou ao hospital, onde sua esposa continua internada, tratando de uma fratura na mão e na perna, de acordo com o ‘Asia News’.

Cenário de intolerância

A agressão sofrida por Gupta e sua família marca o segundo ataque contra cristãos, perpetrado por grupos de radicais hindus em Faridabad nos últimos meses.

Em 20 de junho, um grupo de fundamentalistas hindus atacou um centro educacional que faz parte da Igreja Grace Assembly of God (Assembleia de Deus da Graça) na cidade e colocou uma estátua de uma divindade hindu dentro do prédio.

“A reforma da igreja estava acontecendo quando os extremistas derrubaram o muro e o portão do templo em construção” e instalaram o ídolo e atacaram os pastores, disse o pastor Ivan Power, chefe da Assembleia de Deus no norte da Índia à UCA News.

Os hindus afirmam que a igreja estava tomando o lugar de um templo hindu que existia anteriormente naquele mesmo local. No entanto, a igreja já vinha celebrando cultos há 15 anos naquele terreno, que havia sido comprado de um cidadão local. O antigo dono teve posse do espaço por 47 anos antes de vendê-lo à igreja.

Os hindus continuam a oferecer orações diárias diante do ídolo que tinha uma cabeça de macaco, de acordo com oficiais da igreja. Os cristãos acusaram a polícia local de fazer vista grossa ao incidente.

Contexto

A Missão Portas Abertas (EUA), um grupo de monitoramento da liberdade religiosa que opera em 60 países, classifica atualmente a Índia como o décimo pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã.

A organização Portas Abertas observa que os incidentes de perseguição contra os cristãos na Índia aumentaram desde que o partido Bharatiya Janata assumiu o governo do país em 2014. Frequentemente, os radicais hindus atacam os cristãos e recebem pouca ou nenhuma punição por isso.

“A visão dos nacionalistas hindus é que ser indiano é ser hindu, então qualquer outra fé — incluindo o cristianismo — é vista como não-indiana”, diz um informativo do Portas Abertas sobre a Índia.

A perseguição contra os cristãos na Índia aumentou em mais de 40% no primeiro semestre de 2020, de acordo com um relatório recente da organização Persecution Relief. O grupo registrou 293 incidentes de perseguição anticristã nos primeiros seis meses do ano, incluindo cinco estupros e seis assassinatos, todos por motivos religiosos.

“Na maioria dos casos, os agressores são hindus fundamentalistas que querem transformar a Índia em uma nação exclusivamente hindu”, disse Shibu Thomas, fundador do Persecution Relief, ao UCA News. “Eles se opõem aos cristãos e ao trabalho missionário”.

Siga-nos

Mais do Guiame