Igreja irá ajudar governo na assistência a órfãos de mães vítimas de feminicídio

Em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social do DF, a Igreja Adventista vai oferecer apoio psicológico e psiquiátrico semanal para crianças e adolescentes.

Fonte: Guiame, com informações do Notícias AdventistasAtualizado: segunda-feira, 16 de agosto de 2021 19:49
A Igreja Adventista e o governo do DF uniram forças para ajudar órfãos em meio ao trauma da violência. (Foto: Reprodução/Istoé)
A Igreja Adventista e o governo do DF uniram forças para ajudar órfãos em meio ao trauma da violência. (Foto: Reprodução/Istoé)

A Igreja Adventista (IASD), em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social do Governo do Distrito Federal (GDF), vai desenvolver um projeto de assistência para crianças e adolescentes que perderam suas mães de forma trágica, como casos de feminicídio

Um levantamento do jornal Correio Braziliense revelou que 137 crianças e adolescentes se tornaram órfãos em 2020, em Brasília. Segundo dados da Secretaria de Segurança do Distrito Federal, 60,8% eram crianças e 39,2%, adolescentes. Esses órfãos perderam tanto a mãe como o pai, que foram presos ou cometeram suicídio após o crime. 

O governo do DF já possui um programa de assistência social a órfãos de feminicídio e a Lei 6.937, de 5 de agosto, que garante a proteção total e prioritária deste público. O Programa Adventista de Saúde (Proasa), uma entidade social da IASD, vai ajudar para que mais ações concretas sejam realizadas.

O projeto, apresentado pela psicóloga do Proasa, Lídia Gomes, vai oferecer apoio psicológico e psiquiátrico semanal para crianças e adolescentes. O atendimento contará com especialistas em traumas e grupos terapêuticos.

A Secretaria de Desenvolvimento Social vai disponibilizar a estrutura necessária para o projeto, enquanto o Proasa vai colaborar com os profissionais de saúde. A igreja também apoiará com alimentos e agasalhos, quando necessário.

Para a secretária de desenvolvimento social e primeira-dama do Governo do Distrito Federal, Mayara Noronha Rocha, “o GDF precisa oferecer mais do que ajuda humanitária a estas pessoas, mas um atendimento completo. Por isso, esta parceria será muito bem-vinda”.

O diretor do Proasa, Sérgio Reis, afirmou que o projeto é extremamente importante para quem passou por esse tipo de trauma e que, no futuro, a iniciativa poderá ser ampliada para atender um público maior.

A Igreja Adventista já desenvolve ações dentro da denominação para atender crianças e adolescentes, como a Escola Cristã de Férias. Além disso, promove o combate à violência doméstica através do projeto Quebrando o Silêncio.


Sergio Reis (esquerda), Primeira-dama do Governo do Distrito Federal, Mayara Rocha, e o advogado Luigi Braga: unindo forças para ajudar quem sofre traumas em meio à violência. (Foto: Gustavo Leighton).

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame