Igreja em Bangladesh é atacada duas vezes por radicais budistas após ameaças

Ataque aconteceu depois que os membros se recusaram a destruir o templo e a negar Jesus, por ordem dos perseguidores.

Fonte: Guiame, com informações do The Christian Post Atualizado: quinta-feira, 5 de agosto de 2021 17:12
A Bangladesh Bawn Tribal Baptist Church foi destruída por radicais budistas. (Foto: Asia News).
A Bangladesh Bawn Tribal Baptist Church foi destruída por radicais budistas. (Foto: Asia News).

Uma pequena igreja cristã no sudoeste de Bangladesh, na Ásia, foi atacada e destruída por radicais budistas duas vezes no mês passado, depois que os fiéis se recusaram a deixar a fé cristã e se reconverterem ao budismo.

De acordo com relatórios locais, a Bangladesh Bawn Tribal Baptist Church, na aldeia de Suandrapara, no distrito montanhoso de Rangamati, foi atacada em 15 de julho e novamente em 22 de julho. Os radicais budistas liderados por Joan Chakma, líder da Frente Democrática do Povo Unida (UPDF), um grupo político local, quebraram o portão da igreja e a cruz e danificaram paredes, o telhado e a porta. 

O ataque aconteceu após semanas de ameaça contra os cristãos. Os radicais afirmaram que destruiriam a igreja e os membros caso eles mesmo não derrubassem o templo. Porém, os cristãos se recusaram a abandonar sua fé.

“Os radicais nos disseram para destruir a igreja, mas não o faremos”, disse Tubel Chakma Poran Adetion, pastor assistente da igreja, à Asia News.

“Se tivermos que sacrificar nossas vidas, nós iremos. Eles nos ameaçaram de voltar à nossa velha religião, mas não vamos voltar. Jesus Cristo é nosso salvador. Nós vamos morrer por Ele”, declarou o pastor.

Apesar das ameaças da maioria budista, a congregação continuou se reunindo diariamente. Os crentes receberam um prazo de sete dias para cancelar todas as atividades da igreja e se reconverterem ao budismo. Os membros da igreja são ex-budistas que encontraram Jesus em 2005.

Após o ataque, os perseguidores ainda ameaçaram a consequências piores caso a igreja denunciasse o incidente à polícia ou à mídia. O pastor Tubel explicou que não denunciou o crime às autoridades por razões de segurança.

“Somos uma minoria e os budistas podem fazer qualquer coisa contra nós. Queremos paz conversando com eles”, disse o líder.

O Reverendo Leor P. Sarker, secretário geral da Bangladesh Baptist Church Fellowship (BBCF), uma organização protestante em Bangladesh, afirmou que os líderes cristãos estão preocupados com a Igreja no distrito de Ranfamati.

“Estamos preocupados com nossos membros. São cerca de 50. Eles vivem com medo. A maioria deles está ficando longe de suas casas para proteger suas vidas após o ataque. Estamos orando pelos agressores, para que mudem sua forma de pensar e deixem nosso povo viver em paz”, disse.

Blangadesh está no 31° lugar na lista, de 2021, de países que mais perseguem cristãos da Missão Portas Abertas. No país, muitos crentes se reúnem em igrejas secretas por medo de ataques. 



Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame