Evangelho transforma machismo de índios xerentes

Evangelho transforma machismo de índios xerentes

Fonte: Atualizado: terça-feira, 1 de abril de 2014 03:49

A Sociedade Xerente sempre foi bastante machista, com todo o respeito, e as mulheres simplesmente acompanhavam, de longe, com raras exceções, o desenrolar dos acontecimentos sociais e políticos. Mas, as coisas estão mudando.

Na aldeia Brejo Verde (Mrãirê) a 80 km da cidade, por exemplo, onde trabalha nosso colega Pr. Mário L. G. Moura e onde teve início uma nova igreja sob a liderança espontânea de José Kumr&>97;zdazê, com cultos todos os sábados e domingos, as mulheres resolveram fazer também sua própria reunião todas as terças-feiras.

Na aldeia Salto, onde trabalhamos, uma mulher dirigiu o culto, pela primeira vez, na ausência do Dirigente e seu Vice. E ela, Betânea Kuzadi, o fez com desenvoltura. Não somente dirigiu, mas usou da oportunidade para exortar os irmãos sobre como viver a vida cristã. Tudo isso sob o ''pano de fundo'' da crença Xerente de que a geração de uma criança, no ventre materno, depende apenas da semente masculina.

A mulher é somente o invólucro onde a criança é gerada, diz a crença. Há, inclusive, uma expressão popular, um tanto depreciativa em relação ao sexo feminino, que diz: ''Pikõ tô sakukrê si'' (''A mulher é somente a vasilha''). E essa ''sentença'' sobre a mulher Xerente sempre a deixou para trás, em termos de liderança. Com a nova consciência, elas estão aprendendo que ''Waptokwazawre Damã, pikõ sakukrê si kõdi''. ''Para Deus, a mulher não é, de modo algum, somente a vasilha''. Elas estão entendendo que Deus chama homens e mulheres para o seu trabalho. E esse é um novo sinal no desenvolvimento da igreja Xerente e, por que não dizer, um sinal também de resgate da dignidade feminina. Louvado seja Deus!

Por Rinaldo de Mattos

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame