"Estou desencorajado, orem por mim", diz pastor preso há 500 dias na Turquia

Andrew Brunson já está há cerca de um ano e meio preso, sem qualquer acusação formal.

Fonte: Guiame, com informações da CBN NewsAtualizado: terça-feira, 20 de fevereiro de 2018 13:57
Campanha do ACLJ diz "Libertem o Pastor Brunson". (Imagem: ACLJ)
Campanha do ACLJ diz "Libertem o Pastor Brunson". (Imagem: ACLJ)

O pastor americano Andrew Brunson, que já está preso há 500 dias na Turquia. O aniversário do cativeiro de Brunson pode ter sido esquecido pela grande mídia na última segunda-feira, mas o Centro Americano de Direito e Justiça (ACLJ) ainda está trabalhando ativamente em seu caso.

"Ele ainda continua a ser apenas o suspeito de supostos crimes, mas nenhuma acusação formal foi proferida até o momento", disse CeCe Heil, conselheira executiva da organização sem fins lucrativos, à CBN News.

O ACLJ está lutando em defesa de Brunson e relata que o pastor escreveu uma carta sincera à sua esposa, com a ajuda de um funcionário da embaixada este mês.

"Estou muito desencorajado. Por favor, orem por mim", escreveu Brunson. "Eu te amo - não consigo lidar com o pensamento de envelhecer neste lugar, sem você".

"Eu acho que estar detido em uma prisão turca sem avistar o fim desta situação tem sido difícil para o pastor Brunson", disse Heil. "É claro que ele tem sua fé para sustentá-lo e as orações de cristãos fiéis em todo o mundo ... mas, como você pode imaginar, nesses 500 dias de prisão, ele perdeu um pouco de peso".

"Ele obviamente oscilou em um pouco de desânimo, perguntando o que vai acontecer, qual será o final disso tudo", acrescentou.

Heil disse que as acusações contra Brunson vão desde a adesão a uma organização terrorista armada até espionagem e conspiração contra o governo.

"As acusação são tão ridículas contra um pastor inocente", disse ela.

Heil explicou à CBN News que, de acordo com a lei turca, Brunson pode permanecer na prisão por sete anos, mesmo sem ser acusado formalmente.

Testemunhando na audiência da Comissão US Helsinki, no final do ano passado, ela disse: "O pastor Brunson mantém sua inocência e nega todas as acusações".

Brunson é um refém político da Turquia?

No ano passado, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pareceu indicar que o pastor só será liberado quando Washington conceder à Turquia um clérigo muçulmano que viva nos EUA - atualmente o país que é o grande rival de Erdogan.

"... eles (os EUA) se levantam e dizem ... 'Dê-nos um clérigo", disse Erdogan em uma cerimônia de graduação da Academia Policial em Ancara, em setembro, referindo-se a Brunson.

Erdogan então citou o clérigo o muçulmano Fethullah Gulen - entregue aos EUA como "terrorista" - e, de alguma forma, propôs uma "troca", dizendo: "Vocês têm um clérigo aí. Vocês o entregam a nós e nós lhe daremos esse".

A Turquia buscou a extradição de Gulen, que já foi aliado de Erdogan, e cujos defensores foram responsabilizados por tentar derrubar o governo de Erdogan em 2016.

Gulen negou qualquer papel na tentativa de golpe. Heil disse que Erdogan recentemente falou sobre a troca.

"Certamente parece que o pastor Brunson se tornou uma peça política", disse ela à CBN News. "Ele viveu 23 anos no Turquia, sem qualquer incidente, sem nenhum problema".

"Depois das tentativas de golpe por militantes que fracassaram em julho de 2016, o pastor Brunson de repente foi preso como uma 'ameaça à segurança nacional' e agora permanece na prisão", continuou ela.

"E recentemente, o presidente Erdogan exigiu uma troca, basicamente dizendo que seria um clérigo por um clérigo ou um pastor por um pastor", disse Heil. "Vocês têm Fethullah Gulen, nós temos Pastor Brunson. Vamos fazer uma troca".

Mas ela não acredita que os EUA concordem com o acordo.

"Eu não acredito que os EUA trocarão prisioneiros, não é assim que normalmente operamos", disse ela à CBN News. "Então eu acredito que eles continuarão com a Turquia, que é um aliado da OTAN e continuarão a exigir sua liberação".

Heil disse que o presidente Donald Trump pediu repetidamente a libertação de Brunson. Além disso, na semana passada, ela disse que o secretário de Estado, Rex Tillerson, se encontrou com Erdogan e o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, e novamente pediu que o pastor fosse libertado

"Parece que esta reunião na semana passada entre Tillerson, Erdogan e Cavusoglu, deu esperanças de que a relação EUA-Turquia seja restaurada", disse Heil. "Então esperamos que Pastor Brunson seja parte dessa resolução".

Enquanto isso, Heil disse que o mais importante que as pessoas podem fazer por Brunson é orar por ele, mas também incentiva todos a agirem também de outra forma, assinando uma petição do ACLJ, "Libertem Pastor Andrew", que tem mais de 426 mil assinaturas até agora.

"Isso é muito útil porque, como falamos com o nosso governo, bem como o governo turco e o governo europeu, é muito útil simplesmente mostrar a grande quantidade de pessoas que estão com seus olhos voltados para este assunto e estão preocupadas com esse assunto e estão exigindo sua liberação", ela disse.

Siga-nos

Mais do Guiame