Ditadura da Coreia Norte persegue os cristãos assim como fez o império romano, diz estudioso

Segundo Greg Scarlatoiu, a intensa perseguição atual do regime norte-coreano contra os cristãos se iguala ao nível de intolerância registrado nos dias do imperador romano Nero.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: quinta-feira, 25 de maio de 2017 14:26
Cristãos se reúnem clandestinamente para estudar a Bíblia na Coreia do Norte. (Foto: World Help)
Cristãos se reúnem clandestinamente para estudar a Bíblia na Coreia do Norte. (Foto: World Help)

Os cristãos da Coreia do Norte estão enfrentando uma perseguição que provavelmente está "em pé de igualdade" com o nível de perseguição que a Igreja enfrentou sob o governo do imperador romano Nero, segundo um ativista dos direitos humanos informou durante uma conferência realizada Capitol Hill (Washington) na última quarta-feira.

Convocados pelo grupo de defesa religiosa internacional 'Christian Religious', ativistas e um "desertor" norte-coreano detalharam a grave situação de violação dos direitos humanos enfrentada pelos cristãos e todos os outros que vivem sob o governo do regime comunista de Kim Jong Un e instaram os legisladores norte-americanos a apoiarem uma resolução para reautorizar 'A lei norte-coreana de 2004'.

Além dos discursos dos senadores Ted Cruz (Texas) eJames Lankford (Oklahoma), do deputado Chris Smith (Nova Jersey) e do representante Ed Royce (Califórnia), defensores dos direitos humanos com anos de experiência em lidar com a Coreia do Norte esboçaram como o regime de Kim quase aniquilou o cristianismo na nação isolada.

"Enquanto a tragédia da separação coreana continua após quase sete décadas, é preciso lembrar que a metade norte da Península Coreana já foi o berço da Igreja Presbiteriana da Coreia", disse Greg Scarlatoiu, diretor executivo do Comitê de Direitos Humanos Na Coréia do Norte, que liderou a publicação de pelo menos 24 relatórios e livros sobre os abusos dos direitos humanos por parte do regime de Kim, durante uma mesa-redonda com outros especialistas em direitos humanos.

"Antes da tomada do poder comunista, a capital de Pyongyang costumava ser conhecida como a 'Jerusalém do Oriente", continuou. "Na Coreia do Norte, o cristianismo já foi uma forma de vida... ver duas igrejas na mesma rua, por exemplo, era muito comum".

Scarlatoiu explicou que foi em 1946 que o "Comitê Provisório do Povo para a Coreia do Norte" forçou o fechamento de igrejas com congregações que não atendiam a um número pre-determinado de pessoas.

"O comitê começou a proibir as assembléias internas protestantes e católicas e transformou o domingo em um dia de trabalho e a segunda-feira em um dia de descanso. Mas isso foi só o começo", acrescentou. "Sob o pretexto de que o som de umas canções religiosas perturbava a vida pública, a mesma comissão pediu às igrejas que se mudassem, enquanto espiões do Partido Comunista foram inseridos em comunidades cristãs e assembleias de igrejas e começaram a criticar os sermões dos pastores e se rebelar contras estas lideranças cristãs".

Foi em 1962 que o então líder Kim Il-sung disse à agência de segurança do regime que "não podia avançar em direção a uma sociedade comum com pessoas religiosas", disse Scarlatoiu.

"É por isso que temos de julgar e punir aqueles que ocupam cargos de liderança nas igrejas protestantes ou católicas", disse Kim a seus funcionários, na época, segundo relato de Scarlatoiu.

Scarlatoiu explicou que em 1948, cerca de um quarto da população norte-coreana era de alguma crença religiosa. Mas dados estatísticos mostram que o número está agora abaixo de 1%.

Ao longo dos anos, o regime de Kim matou centenas de milhares de pessoas do seu próprio povo sob ordens de Kim Il-sung, seu filho, Kim Jong-il, e seu neto, Kim Jong-un.

"Nossos colegas na Coreia do Sul documentaram cuidadosamente casos de perseguição religiosa, organizações como o Centro de Banco de Dados para os Direitos Humanos da Coreia do Norte e a Instituição Coreana para a Unificação Nacional entrevistaram milhares de 'desertores' que deram testemunho sobre a perseguição religiosa extremamente severa", disse Scarlatoiu . "Como outros líderes comunistas, Kim Il-sung e o regime de Kim rejeitaram a religião como o 'ópio do povo".

A sociedade norte-coreana é dividida em classes sociais nas quais cada residente norte-coreano é classificado de acordo com seu "risco político para o regime de Kim".


Atrocidades
Apesar da falta de acesso à Coreia do Norte, acredita-se que pelo menos 120 mil pessoas estão sendo torturadas, espancadas e forçadas a fazer trabalho duro em campos de concentração norte-coreanos. Em 2014, as Nações Unidas informaram que centenas de milhares de prisioneiros morreram nestes campos norte-coreanos, nos últimos 50 anos.

"Há muitas gerações, [as pessoas estão nesses acampamentos], não foram acusadas ​​ou condenados por um julgamento justo. A maioria deles, se não todos, são culpados por 'associação', o que significa que um membro da família for cristão ... todos os familiares estendidos serão presos", disse o diretor de defesa internacional da Anistia Internacional, T. Kumar durante o painel. "Os abusos dentro desses campos são extremamente perturbadores - variando entre estupro, tortura, execução e fome".

 

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame