Cristãos têm ajuda negada pelo governo durante pandemia na Índia

Organizações cristãs estão pedindo que seja estabelecido no Banco Mundial um comitê de responsabilidade para supervisionar os gastos feitos pela Índia.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: quarta-feira, 13 de maio de 2020 13:01
Homem passa em frente a Igreja Batista (Foto: Getty Images/Yawar Nazir)
Homem passa em frente a Igreja Batista (Foto: Getty Images/Yawar Nazir)

Como muitos cristãos e outros não-hindus na Índia estão sendo impedidos de receber alimentos doados pelo governo em meio à pandemia do coronavírus, uma coalizão de representantes de várias religiões nos EUA está pedindo ao presidente Donald Trump que responsabilize os líderes indianos.

Na última segunda-feira (11), a 'Save the Persecuted Christian', em parceria com a Federação das Organizações Cristãs Americanas da Índia, entregou uma carta a Trump, ao Secretário de Estado Mike Pompeo e ao Presidente do Grupo do Banco Mundial, David Malpass.

A carta assinada por representantes de várias religiões de 34 organizações e ministérios, argumenta que o Banco Mundial deve ter um comitê de responsabilidade para supervisionar e monitorar o uso feito pela Índia do pacote de ajuda de US $ 1 bilhão alocado ao país em razão da crise gerada pela pandemia do coronavírus.

John Prabhudoss, presidente da FIACONA, disse ao The Christian Post que a organização recebeu "vários relatórios" de minorias religiosas na Índia sendo maltratadas durante a pandemia.

"Especificamente, muitos estão sendo deixados de fora dos programas criados para ajudar as pessoas durante esta crise", disse ele. “Obviamente, existem várias falhas sistêmicas na abordagem do governo nacionalista hindu ao problema. Por causa dessas abordagens fundamentalmente defeituosas, os cristãos e outras minorias religiosas estão sofrendo, mas não são as únicas vítimas. Vários grupos de pessoas economicamente vulneráveis ​​também estão sofrendo devido a essas atitudes fundamentalmente defeituosas do governo nacionalista hindu”.

A carta, ele disse, está pedindo ao governo Trump que "estabeleça um mecanismo para resolver, se não reduzir, os inconvenientes da abordagem do governo nacionalista hindu e o possível uso indevido dos fundos dados pelo Banco Mundial à Índia".

"Especificamente, estamos recomendando que eles assumam um comitê composto por líderes de várias religiões e economistas eminentes na Índia como um cão de guarda que se reportará diretamente ao Banco Mundial", disse ele. "Eles podem supervisionar como esse dinheiro é gasto, em vez de deixar tudo nas mãos de um governo que já provou ter uma abordagem falha".

Intolerância e manipulação em meio à pandemia

Mais de 1,3 bilhão de pessoas na Índia estão em lockdown há mais de três semanas. O país registrou 4.213 novas infecções de domingo a segunda-feira, totalizando 67.152, segundo o Ministério da Saúde e Bem-Estar Familiar. Até agora, 2.415 pessoas morreram.

A carta cita um relatório do The Scroll na Índia, que destaca como os bloqueios do COVID-19 afetaram desproporcionalmente os trabalhadores migrantes. O relatório documenta 189 mortes relacionadas ao bloqueio, incluindo suicídio, morte durante a jornada que os trabalhadores migrantes fizeram para seus estados de origem, fome e brutalidade policial.

A detenção de pessoas de certas religiões não-hindus em instalações de isolamento, mesmo quando não são positivas para o vírus, afirma a carta, "é devido a intenções maliciosas e preconceitos religiosos tacitamente promovidos pelo governo Modi".

Prabhudoss apontou que os constituintes do partido nacionalista hindu são sempre casta superior religiosamente hindu, linguisticamente em hindi e economicamente classe média.

"Eles são a espinha dorsal do partido hindu", disse ele. “Não é de admirar que todas as políticas governamentais também sejam criadas, mantendo em mente apenas esse segmento específico. Infelizmente, outros não aparecem no radar do governo. A evidência disso foi alta e clara no mês passado, quando dezenas de milhões de trabalhadores manuais do setor desorganizado das cidades, que na maioria são de casta mais baixa, ficaram desamparados”.

Citando “muitos relatos de testemunhas oculares provenientes da Índia em relação a abusos relacionados ao COVID-19”, os dois grupos dizem que “sentem fortemente que um comitê de monitoramento em nível consultivo deve ser imediatamente estabelecido pelo Banco Mundial em Washington ou na Índia".

Prabhudoss disse ao CP que a maioria dos fundos do Banco Mundial é destinada a testar e gerenciar as infecções. No entanto, mesmo em testes para o vírus, os relatórios mostram que as autoridades estão “escolhendo desnecessariamente minorias religiosas pobres [como cristãos] para testes e difamação na mídia”.

“Essa propaganda incentivada pelo governo hindu está criando um enorme nível de atrito e tensão na sociedade. É como um barril de pólvora que pode explodir a qualquer momento. Se isso acontecer, todo o inferno se abrirá”, ele avisou.

Além disso, os programas da Índia ajudam principalmente as grandes empresas afiliadas ao partido hindu - não os pobres, minorias religiosas ou mulheres, disse Prabhudoss.

"Pequenas empresas pertencentes a minorias estão sendo sujeitas a fechamentos direcionados", disse ele. "Vários colegas do governo de Modi pediram abertamente o boicote a empresas pertencentes a minorias religiosas durante esta pandemia".

Siga-nos

Mais do Guiame