Cristãos convocam oração pela paz para a votação no Sudão

Cristãos convocam oração pela paz para a votação no Sudão

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 10:00

Cristãos ao redor do mundo estão sendo convidados a participar na oração antes do referendo no sul do Sudão no domingo.

A Aliança Batista Mundial lançou um apelo na quarta-feira aos seus 37 milhões de membros, pedindo-lhes para orar por "um processo eleitoral transparente, seguro e com resultados que são respeitados por todas as partes, especialmente com a possibilidade de secessão do sul."

A semana do referendo marca o culminar de um processo de seis anos que começou com o Acordo Geral de Paz de 2005, que foi assinado para pôr fim a mais de duas décadas de guerra civil. A guerra deixou cerca de 2 milhões de mortos.

Quase 4 milhões de pessoas estão registradas para votar no início de domingo e espera-se que a maioria cristã do sul se separe da maioria muçulmana do norte.

Com a ameaça potencial do maior país da África voltar a ter outra guerra, bem como os líderes da igreja em todo o mundo são celebridades de reunião de uma eleição pacífica.

Apesar do exame minucioso da comunidade internacional, há uma preocupação sobre a transparência e equidade do referendo, e temores de que o resultado possa não ser respeitado pelo norte.

Millius Palawiya, diretor do Fellowship of Reconciliation Inglaterra, comentou: "Desde o meu envolvimento com o processo de paz na Serra Leoa eu sei o quanto é importante para todas as partes do conflito (de baixo para cima) se reconciliarem uns com os outros para o bem de todos e da criação de uma ‘comunidade amada’, e para os órgãos regionais e internacionais apoiarem as e serem fiadores de uma resolução pacífica do conflito."

John Cooper, arrecadador de fundos para o trabalho internacional da irmandade, também apontou, "a transição política pode testar o compromisso de muitas pessoas de promoverem a paz enquanto estruturas de poder confortáveis mudam ou se movem."

As esperanças de paz no sul do país ganharam um novo impulso, quarta-feira, quando se chegou ao acordo de cessar-fogo entre as forças do renegado general George Athor e o governo do Sul do Sudão.

O acordo assinala o fim da rebelião do general no sul. O acordo foi assinado em uma cerimônia na capital Juba atendida pelo vice-presidente do sul do Sudão, Riek Machar, Abraão Thon, um representante do General Athor, David Gressly, o chefe da ONU no sul do Sudão, e mais o reverendo Daniel Deng, arcebispo da Igreja episcopal do Sudão.

"Este é o fim dos problemas no sul do Sudão," disse Thon, segundo a Bloomberg. "Queremos dizer ao mundo que somos responsáveis o suficiente para governar a nós mesmos."

Junto com um referendo pacífico, os cristãos são convidados a orar para a plena liberdade religiosa e para a proteção segura das minorias cristãs no norte. O presidente sudanês, Omar al-Bashir, advertiu que se o Sul se separar, vai alterar a Constituição do norte para que a lei sharia (islâmica) se a torne a principal fonte de legislação.

O repórter Brian Hutt do Christian Today em Londres contribuiu para este relatório.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame