China ordena que cidadãos saiam à caça de livros religiosos: “Nova Revolução Cultural”

Para os críticos do governo chinês, uma nova Revolução Cultural está acontecendo na China.

Fonte: Guiame, com informações da Radio Free AsiaAtualizado: terça-feira, 29 de junho de 2021 15:03
Jovens universitários no 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China, em 2017. (Foto: IC)
Jovens universitários no 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China, em 2017. (Foto: IC)

Uma “nova Revolução Cultural” está acontecendo na China, de acordo com o pastor Bob Fu, que se tornou uma das principais vozes das igrejas perseguidas no país.

Bob Fu, que é fundador da organização China Aid, publicou na sexta-feira (25) a imagem de uma notificação oficial, escrita em chinês, direcionada a pais e professores de alunos da 1ª série.

“Este aviso aos alunos de uma turma da 1ª série exige que os pais e professores procurem todos os ‘livros religiosos, livros antagônicos e livros estrangeiros, incluindo livros e vídeos que são copiados/duplicados e traduzidos’”, disse no Twitter. “Todos são obrigados!”

Segundo a agência de notícias RFA, em algumas partes da China, autoridades estão proibindo os alunos do ensino fundamental de ler livros “não autorizados” em seu tempo livre.

Uma escola de Chengde, no condado de Qingyun, na província oriental de Shandong, escreveu recentemente aos pais: “Por favor, façam uma busca completa por livros religiosos, livros reacionários, reimpressões caseiras ou cópias de livros publicados no exterior”.

A escola também alertou os pais sobre livros ou conteúdo de áudio e vídeo que não sejam “oficialmente impressos e distribuídos pela Livraria Xinhua”, a maior e única rede de livrarias da China, comandada pelo departamento de propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC).

O aviso, postado nas redes sociais, dizia que os professores seriam responsáveis por monitorar outros professores, enquanto os capitães das turmas seriam responsáveis ​​pelos alunos.

“Nada nem ninguém deve ser esquecido em nossa busca”, dizia o aviso. “No futuro, funcionários relevantes prestarão muita atenção aos cantos dos livros e à biblioteca [para erradicar] livros e materiais audiovisuais que não sejam da Xinhua.”

Nova Revolução Cultural

De acordo com uma ex-professora de Zhengzhou, na província de Henan, o PCC teme que as crianças “aprendam certas verdades”. “Você só tem permissão para ler o que o governo quer que você leia”, disse ela à RFA. “É sobre monitoramento e controle.”

Um professor aposentado de Xangai, Gu Guoping, disse que o governo deseja incutir nos alunos o amor pelo PCC. “Os controles são muito mais rígidos agora; muito mais do que sob [a liderança do ex-presidente] Hu Jintao e [o ex-premier] Wen Jiabao”, disse ele.

“É como a Revolução Cultural tudo de novo”, disse Gu, em referência ao movimento da era Mao Tsé-Tung, que pode ter deixado até 20 de milhões de mortos para preservar a cultura do comunismo chinês.

Para o correspondente internacional da CBN News, Gary Lane, este não é apenas mais um esforço do PCC para doutrinar estudantes, mas evitar problemas durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, que serão realizados em Pequim.

“Temos uma Olimpíada chegando e o governo comunista chinês não quer nenhuma interrupção para as Olimpíadas”, disse Lane. “Eles realmente temem que possam haver protestos e um movimento pró-democracia antes e durante as Olimpíadas.”

“Portanto, isso envia uma mensagem aos pais: ‘[Não queremos] nenhuma influência externa. Não queremos nenhum conluio com estrangeiros aqui’, porque eles sabem que os estrangeiros são pró-democracia”, explicou Lane. “E então eles estão doutrinando estudantes, mas também têm como alvo não apenas os jovens da China, mas também enviando uma mensagem aos adultos.”

No entanto, Lane diz que a nova revolução cultural difere da revolução cultural de Mao na década de 1960. “Foi muito violento naquela época. Houve massacres”, afirma. “Esta é menos violenta. Esta é uma revolução silenciosa que está acontecendo dentro da China.”

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame