Autoridades comunistas chinesas invadem acampamento cristão e prendem esposa de pastor

Os agentes comunistas alegaram ter recebido uma denúncia de que o acampamento estaria promovendo 'atividades religiosas ilegais'.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sexta-feira, 4 de setembro de 2020 14:40
Cristãos chineses oram ajoelhados durante um culto de Páscoa em uma igreja não oficial. (Foto: Getty Images / Kevin Frayer)
Cristãos chineses oram ajoelhados durante um culto de Páscoa em uma igreja não oficial. (Foto: Getty Images / Kevin Frayer)

Autoridades comunistas na província chinesa de Henan invadiram um acampamento de verão de uma escola primária organizado por uma igreja doméstica e prenderam a esposa do pastor, depois de acusar os cristãos de "conduzir atividades religiosas ilegais".

De acordo com a agência de vigilância sobre perseguição religiosa China Aid, cerca de 30 agentes do Departamento de Assuntos Étnicos e Religiosos do Condado de Xinyang City Gushi, Escritório de Segurança Pública e Força Tarefa Conjunta Chengguan (força de gestão urbana) invadiram uma igreja doméstica perto do Campus Norte da Terceira Escola Média de Gushi no dia 23 de agosto.

O líder da igreja, Wang Guangming, disse à China Aid que a igreja estava realizando um acampamento de verão no dia do ataque. Embora os alunos estivessem aprendendo piano, violão e teoria musical, as autoridades acusaram os líderes de "conduzir atividades religiosas" e prenderam a esposa do pastor.

“Eu não estava presente na igreja naquele dia”, disse Wang à China Aid. “Eles vieram e disseram que estávamos nos reunindo ilegalmente e confiscaram meus bens pessoais, incluindo projetor, mesas, cadeiras, ventiladores e alto-falante. Eles não me devolveram nada até hoje”.

Outro membro disse à China Aid que funcionários do Escritório de Assuntos Étnicos e Religiosos alegaram ter recebido “uma feita de residentes” sobre uma igreja doméstica ilegal e que isso teria dado início à operação. Alegando ser “policiais”, as autoridades começaram a filmar e a tirar fotos de tudo.

Contexto

Henan é uma das províncias da China que tem o maior número de cristãos, com uma estimativa de 5 a 6 milhões de crentes. A International Christian Concern observa que o Escritório de Assuntos Étnicos e Religiosos da cidade de Xinyang Gushi disse anteriormente que, de 20 de agosto a 20 de setembro, conduziria uma investigação de um mês para reprimir as atividades religiosas ilegais.

O presidente Xi Jinping ordenou que todas as religiões devem ser "Sinicizadas" (adequadas aos padrões comunistas) para garantir a lealdade ao partido ateísta. Como resultado, o Partido Comunista Chinês tentou conter a disseminação do Cristianismo por meio de sua estrutura legal, Sinicização, fechamento ou demolição de igrejas ou locais de culto, prisão de cristãos e pressão social.

As autoridades chinesas também tentaram impedir os cristãos de transmitir sua fé à próxima geração.

Em seu relatório anual de 2020, a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional observou que o Partido Comunista Chinês proibiu jovens com menos de 18 anos de participar de cultos religiosos. Além disso, os líderes cristãos estão proibidos de organizar qualquer atividade com os jovens ou encorajá-los a considerar vocações ministeriais.

A China também foi rotulada pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de preocupação especial" por "continuar a se envolver em violações particularmente graves da liberdade religiosa", entre outros direitos humanos.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame