MENU

Israel

Tabernáculos: Qual a origem bíblica e como acontece a festa que dura uma semana

Um resumo da história e do significado do feriado, seus diferentes costumes diferentes, regras e horários para o início e término do evento.

Fonte: Guiame, com informações do JPostAtualizado: segunda-feira, 20 de setembro de 2021 14:45
Adoradores seguram as Quatro Espécies enquanto oram durante Sucot, em Ramat Beit Shemesh no início desta semana. (Foto: Reprodução / Yaakov Lederman)
Adoradores seguram as Quatro Espécies enquanto oram durante Sucot, em Ramat Beit Shemesh no início desta semana. (Foto: Reprodução / Yaakov Lederman)

O feriado de Sucot ou Festa das Cabanas ou ainda Festa dos Tabernáculos começa nesta segunda-feira (20), quando judeus ao redor do mundo participam de diversos rituais, como comer em estruturas (cabanas) montadas ao ar livre chamadas sucá, sacudindo quatro espécies de plantas.

Com duração de uma semana, o feriado tem uma longa história bíblica com muitos aspectos que ocupam um lugar significativo na cultura judaica.

História e significado

Também conhecido como Zman Simhatenu, ou o momento da celebração, o feriado de Sucot tem origem bíblica e é descrito no Livro dos Números.

O feriado é marcado como um dos três festivais de peregrinação (shalosh regalim), junto com a Páscoa e Shavuot, onde nos tempos antigos, os judeus viajavam para Jerusalém e ofereciam sacrifícios no Templo.

O festival é considerado por alguns como uma forma de lembrar como, após o Êxodo do Egito, os judeus viajaram pelo deserto.

Embora os sacrifícios tradicionais oferecidos no feriado tenham parado com a destruição do Templo, muitos outros rituais permanecem até hoje.

O principal deles é a prática de sentar e comer na sucá, uma estrutura temporária ao ar livre, e a prática de sacudir o lulav (folha de palmeira) junto com três outras espécies botânicas.

Ambos são aspectos essenciais do feriado e são feitos em todo o mundo. Notoriamente, o significado espiritual da sucá e do lulav foi mostrado no filme israelense Ushpizin, que leva o nome de um costume comum de Sucot, em que um Hassid em Jerusalém com dificuldades financeiras tenta celebrar o feriado.

O ato de comer na sucá também é uma espécie de rito comunitário, sendo tradicional em muitas comunidades judaicas ao redor do mundo fazer "lúpulos de sucá" onde as famílias visitam outras sucá na comunidade.

Outra parte significativa do feriado é Birkat Kohanim, também conhecida como Nesiat Kapayim ("estender as mãos"), ou Bênção aarônica. Isso é algo feito em todos os festivais da Diáspora e regularmente em Israel, onde os Kohanim irão à frente da sinagoga para a bênção sacerdotal após tirar os sapatos e esconder o rosto e as mãos sob o talit (xale de oração). No entanto, é costume que grandes multidões se aglomeram no Muro das Lamentações durante o Hol HaMoed (os dias intermediários do festival) para serviços de oração em massa, com Birkat Kohanim sendo um momento chave.

Mas há mais para o feriado do que apenas isso. O sétimo dia de Sucot é conhecido como Hoshanah Rabah (grande salvação). Este dia é visto por muitos como uma espécie de continuação do arrependimento dos Grandes Dias Santos, e é marcado pelo famoso bater dos ramos de salgueiro durante os serviços de oração.

O último dia de Sucot é conhecido como Shmini Atzeret (oito dias de reunião), também conhecido como Simhat Torá (regozijo da Torá), embora alguns o considerem um feriado separado. Aqui, o foco não está no lulav e na sucá, mas sim na própria Torá, marcando a conclusão de mais um ano de leitura de todos os cinco livros da Torá e o início de um novo ciclo.

Regras da festa

As regras mais óbvias a serem lembradas em relação a Sucot são a própria sucá e o lulav.

Em relação à sucá (cabana), a estrutura é construída ao ar livre, geralmente na noite após o Yom Kippur. As regras são amplamente discutidas no Talmud e na literatura rabínica, mas em um breve resumo, a estrutura deve ter pelo menos duas paredes e meia com cerca de um metro de altura, com a parte da "metade" precisando ter no mínimo 3,2 polegadas de largura. As próprias paredes podem ser construídas com qualquer material em teoria, embora algumas autoridades haláchicas, como Rabino Ovadia Yosef, tenham dito que materiais como a lona não devem ser usados, pois a sucá não deve balançar com a brisa.

Seu teto, porém, deve ser feito de material orgânico. Essa cobertura, conhecida como s'chach, é especificamente necessária para ser material orgânico não mais conectado ao solo, como folhas de palmeira ou bambu. Embora cubra a sucá, deve haver um espaço entre ela para garantir que se possa ver o céu; uma sucá construída sob outro telhado ou árvore não é considerada casher.

Tradicionalmente, muitos judeus decoram o interior da sucá extensivamente, embora alguns, como Chabad, não o façam.

Durante o feriado, as pessoas devem fazer suas refeições dentro da sucá e dizer a bênção de "leshev ba'sukkah", (para se sentar na sucá), embora apenas as refeições com pão ou produtos nos quais se diria a bênção do mezonot (sustento) sejam realmente necessárias para serem comidas lá. No entanto, se chover, é permitido comer em casa.

Além disso, como um mandamento com limite de tempo, as mulheres não são obrigadas a comer na sucá.

Também é costume que muitos judeus até mesmo durmam dentro da sucá, embora isso não seja feito em todos os lugares, especialmente em lugares onde faz muito frio.

Também é costume todas as noites dizer uma bênção de boas-vindas aos "convidados" do Ushpizin. Isso é de natureza mística, e a bênção vê diferentes figuras bíblicas sendo simbolicamente bem-vindas todas as noites. Essas figuras são, em uma ordem popular: Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Aarão, José e Davi.

Em Israel, as sucá são uma visão comum no feriado, mas não apenas nas casas. Restaurantes, hotéis ou apenas eventos e locais públicos costumam tê-los preparados para uso dos hóspedes ou clientes durante as férias.

A próxima prática icônica é o lulav. Adoradores combinam o que é conhecido como as Quatro Espécies (arba minim) para este ritual. São os seguintes:

- Lulav: um galho de uma palmeira

- Etrog: Uma única fruta cítrica

- Hadasim: três ramos de murta com as folhas ainda intactas

- Aravot: dois ramos de salgueiro com as folhas ainda intactas

Eles são unidos e agitados durante o feriado, exceto no Shabat, em uma ordem específica de direções. Isso é feito primeiro na oração de Hallel e, mais tarde, no Hoshanot, onde a congregação marcha ao redor da sinagoga cantando atrás do chazan.

O feriado em si dura sete dias, sem incluir os oito dias adicionais de Shmini Atzeret, com apenas o primeiro dia sendo Yom Tov (festival) com restrições de trabalho e uso de eletrônicos semelhantes ao Shabat. Os demais dias são chamados de Chol HaMoed, onde se pode trabalhar, embora as pessoas ainda precisem agitar a espécie foru e comer na sucá.

No entanto, este é apenas o caso em Israel. Fora de Israel, as datas são ligeiramente diferentes. Como é o caso da maioria dos festivais judaicos, a maioria das comunidades judaicas na Diáspora observam dois dias de Yom Tov, seguido por fazer o festival Shmini Atzeret final, mas separado, em dois dias também, com o segundo dia sendo referido como Simhat Torá (em Israel esses dois são combinados em um dia conforme mencionado acima.) Os Grandes Dias Santos são diferentes: Rosh Hashanah é dois dias até mesmo em Israel, e Yom Kippur é um dia até mesmo na Diáspora.

Como tal, Hol HaMoed é observado no segundo-sétimo dia do festival em Israel e no terceiro-sétimo dia na Diáspora.

Judeus ortodoxos passam por uma ''Sukkah'' (cabana), no bairro de Mea Shearim em Jerusalém em 9 de setembro de 2021. (Foto: Reprodução / Olivier Fitoussi / FLASH90)

Em termos de oração, Sucot segue um padrão semelhante aos outros festivais de peregrinação. No Yom Tov, a oração é tratada da mesma forma que o Shabat, até o Shmona Esrei (oração em 18 partes) durante os serviços de oração Shacharit, Mincha e Ma'ariv (manhã, tarde e noite), quando a versão especial para os três festivais de peregrinação é recitada em vez disso, com certas frases sendo trocadas dentro ou fora, dependendo do festival em questão. Durante as leituras da Torá, porções específicas são lidas dependendo do feriado.

Como um festival, a oração adicional do Mussaf também está incluída, com a versão do festival de peregrinação da oração do Mussaf sendo recitada após a leitura da Torá.

A oração de Hallel também está incluída, com foco especial na incorporação do aceno do lulav e na inclusão do Hoshanot.

Durante Hol HaMoed, o serviço de oração segue a fórmula do dia da semana, embora sejam feitos acréscimos devido ao festival, como a adição da oração Ya'aleh Ve'Yavo (vamos subir e vir) em Shmona Esrei, o uso de Hallel e Hoshanot e a inclusão da leitura de Mussaf e da Torá. Muitos judeus também têm o costume de não usar tefilin (filactérios) durante o Hol HaMoed.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame