MENU

Israel

Palestinos se revoltam na fronteira de Gaza enquanto Israel e Hamas voltam a se atacar

Hamas lançou balões incendiários contra Israel, que decidiu retaliar destruindo alvos importantes do inimigo.

Fonte: Guiame, com informações de Jerusalém Post e The Times of IsraelAtualizado: terça-feira, 31 de agosto de 2021 11:57
Palestinos protestam durante a noite perto da fronteira com Israel, a leste da Cidade de Gaza, em 28 de agosto de 2021. (Foto: Atia Mohammed/Flash90)
Palestinos protestam durante a noite perto da fronteira com Israel, a leste da Cidade de Gaza, em 28 de agosto de 2021. (Foto: Atia Mohammed/Flash90)

Centenas de palestinos se revoltaram no norte da fronteira Gaza-Israel, na noite de domingo (29), queimando pneus, jogando explosivos e atirando pedras. Até agora, sabe-se que pelo menos 18 palestinos ficaram feridos e 3 mortes já foram confirmadas, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.

“Este caos é arquitetado pelo Hamas”, disseram as Forças de Defesa de Israel (IDF). Os manifestantes levaram as tropas israelenses a usar técnicas de dispersão de distúrbios e fogo real para impedir as manifestações. 

O Hamas prometeu continuar realizando manifestações noturnas na fronteira para protestar contra o bloqueio de Israel ao território. 

Israel retalia balões incendiários do Hamas

Jatos da Força Aérea de Israel atingiram alvos do Hamas, na Faixa de Gaza, no domingo, em retaliação ao lançamento de balões incendiários que causaram várias queimadas e inspiraram manifestações violentas ao longo da cerca da fronteira, no fim de semana.


Palestinos mascarados soltam balões com artefatos incendiários ao longo da fronteira entre Israel e Gaza. (Foto: Nidal Alwaheidi/LightRocket)

O porta-voz da IDF disse que conseguiram atingir um complexo militar do Hamas, que tem sido usado para treinamento e produção de armas, além da abertura de um “túnel de terror” perto de Jabalya.

Os confrontos acontecem apesar de Israel, na quinta-feira, aliviar algumas de suas restrições ao comércio e movimento, permitindo que bens e materiais adicionais entrem em Gaza. Também permitiu que outros 1.000 empresários de Gaza saíssem pela travessia de Erez com Israel para viajar para a Cisjordânia, de acordo com o The Times of Israel. 

Mortos e feridos

Gaza viu dois protestos na fronteira na semana passada — um grande comício violento no sábado passado e um segundo, relativamente mais calmo, na quarta-feira.

No sábado, o ministério da saúde de Gaza, comandado pelo Hamas, anunciou que Omar Abu Nil, um menino de 13 anos, foi gravemente ferido na cabeça, nos confrontos de sábado passado.  Ele morava no bairro de Al-Tuffah, na Cidade de Gaza. Nil foi tratado por uma semana em um hospital de Gaza antes de falecer.

Além do menino, outro palestino e também um policial israelense foram gravemente feridos durante os confrontos. O palestino, Osama Dueij, faleceu na quinta-feira. O Hamas reivindicou Dueij como membro de seu braço armado.

O policial israelense, Barel Shmueli, 21, que estava em estado grave no Hospital Soroka, em Beersheba, também morreu. Shmueli foi baleado à queima-roupa quando um palestino se aproximou de uma fenda em uma barreira onde Shmueli estava estacionado e disparou uma pistola contra ele.

Entenda a situação

Israel e Egito bloqueiam Gaza há mais de uma década, dizendo que as restrições são necessárias para evitar que o Hamas se arme e represente uma ameaça ainda maior.

Desde a batalha de 11 dias, que ocorreu no mês de maio, entre Israel e o Hamas, Israel impôs restrições ainda mais rígidas à entrada e saída de mercadorias da Faixa. 


Manifestantes correm e se protegem do gás lacrimogêneo disparado por tropas israelenses, perto da Faixa de Gaza, durante um protesto em 25 de agosto de 2021. (AP Photo / Abdel Kareem Hana)

Também bloqueou a entrada de subsídios do Catar em Gaza. Os dois lados ainda estão conduzindo negociações indiretas para chegar a novos entendimentos. Mas, as autoridades israelenses prometeram que não haverá reconstrução significativa de Gaza, que sofreu grandes danos durante a escalada recente.

Antes, Israel reivindica um acordo de troca de prisioneiros entre os dois lados. O Hamas atualmente mantém cativos dois civis israelenses, Avera Mengistu e Hisham al-Sayed, bem como os corpos de dois soldados israelenses, Hadar Goldin e Oron Shaul.

As últimas semanas viram um progresso aparente em alguns aspectos das negociações. No início deste mês, Israel, Catar e as Nações Unidas concordaram em criar um novo mecanismo para transferir dinheiro do Catar para Gaza. Um acordo entre as duas partes por um cessar-fogo mais abrangente, no entanto, ainda não se concretizou.

Siga-nos

Mais do Guiame