MENU

Israel

Nome de Deus escrito em tetragrama hebraico é queimado em vídeo por artista israelense

Polícia convocou Gregory Abou sob uma lei que proíbe causar “ofensas graves às crenças ou sensibilidades religiosas” de concidadãos.

Fonte: Guiame, com informações do Israel TodayAtualizado: sexta-feira, 13 de agosto de 2021 12:46
Vídeo mostra israelense queimando o nome de Deus, em performance artística. (Foto: Reprodução / Israel Today)
Vídeo mostra israelense queimando o nome de Deus, em performance artística. (Foto: Reprodução / Israel Today)

Em um ato de “arte” progressista, um artista israelense filmou a si mesmo queimando o nome inefável de Deus, causando ira e indignação da nação e uma intimação da Polícia de Israel.

A performance de videoarte de Gregory Israel Abou fez parte de uma exposição no Museu de Arte Ein Harod, no norte de Israel. Ela ficou em exibição por meses antes de um visitante reclamar, chamando a atenção da mídia e gerando protestos em todo o país.

Perto do final do vídeo de 13 minutos, Abou é visto segurando um grande pedaço de papel no qual está escrito o tetragrama, as quatro letras hebraicas que compõem o nome do Deus de Israel, muitas vezes transliteradas para o inglês como Yahweh ou Jeová. Ele então começa a atear fogo ao Santo Nome.

Elad Zadikov, membro da Câmara Municipal de Herzliya, lamentou no Twitter: “Eles estão educando os filhos de Israel com 'arte iluminada' queimando o Nome de Deus. Em um kibutz cujos fundadores são sobreviventes do Holocausto, cujos pais foram queimados por serem judeus, é de alguma forma considerado apropriado, de acordo com o 'gosto cultural refinado' de hoje, queimar o nome do Deus de Israel”.

 

As condenações de líderes religiosos e políticos obrigaram o museu e Abou a desmontar a peça. O artista mais tarde se desculpou, insistindo que não quis ofender.

Liberdade de expressão versus ofensa religiosa

Mas isso não impediu que os investigadores da Polícia convocassem Abou sob uma lei que proíbe causar “ofensas graves às crenças ou sensibilidades religiosas” de concidadãos.

Claro, esta lei é um assunto muito delicado, porque Israel também protege a liberdade total de expressão, mesmo aquela que possa ofender os outros.

Por isso a Polícia necessita de autorização especial do Ministério Público do Estado para interrogar qualquer pessoa em relação a esta lei. Eles não receberam tal aprovação antes de convocar Abou, que de qualquer maneira estava no exterior na época.

Os policiais disseram ao Ha'aretz que os investigadores em questão erraram e que Abou não seria obrigado a comparecer para interrogatório neste momento. No entanto, as provas relacionadas ao caso foram encaminhadas ao Ministério Público Estadual para revisão.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame