Existe um momento ideal para fazer a família crescer?

Existe um momento ideal para fazer a família crescer?

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:24

Após o casamento, começam as cobranças de familiares pelo crescimento da família e surge na vida do casal a seguinte dúvida: qual é a hora certa de ter filhos? Entre construir uma estrutura segura para a chegada de um bebê e ceder à vontade de fazer a família crescer, muitos acabam optando por programar a vida conjugal para que a decisão não interfira na relação. Segundo a psicóloga Cristiane Fiaux, o ideal é que o casal sempre converse antecipadamente para saber dos desejos de cada um. “É preciso avaliar muito bem o que a mulher quer e o que o homem acha mais certo nesse momento, para que essa vontade possa ser acordada. Uma gravidez programada tende a fluir muito melhor”, afirma. Por ser um período de descobertas e emoções fortes se renovando a cada dia, é fundamental que o casal consiga manter uma relação harmoniosa para que tudo ocorra da melhor maneira. “Quando a situação pode ser programada, é muito mais fácil que essa gravidez seja levada de forma mais tranquila, porque é um momento muito especial na vida do casal, mas é também uma fase muito delicada, em que podem surgir conflitos e preocupações”, alerta a psicóloga. União familiar Uma nova realidade de mulheres conscientes, que querem muito mais que ser apenas donas de casa e buscam lugar no mercado de trabalho, torna ainda mais importante um planejamento familiar. Histórias como a da advogada Carolina Souza demonstram o quanto uma gravidez programada pode ser muito mais prazerosa e tranquila. Aos 27 anos, grávida pela segunda vez, a jovem é exemplo de superação e exemplifica os dois lados de uma mesma moeda. Após passar por um período conturbado por não ter programado, há cinco anos, o nascimento da primeira filha, hoje, com a vida estabilizada, ela percebe as diferenças de viver uma gravidez planejada e poder aproveitar cada momento da vida em família, sem preocupações com um futuro incerto. “Não pude me preparar como gostaria para a chegada da minha filha, pois a gravidez não foi planejada e eu ainda cursava a faculdade. Voltei a trabalhar quando ela completou 10 meses e o pior foi ter que deixá-la o dia inteiro para poder estudar e trabalhar. Agora estou muito mais tranquila, mas não quero ter mais filhos. Este é o meu ideal de família”, comemora.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame