Profecia ou chute?

Profecia ou chute?

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:25

2Cr. 36.15,16: "O SENHOR, Deus de seus pais, começando de madrugada, falou-lhes por intermédio dos seus mensageiros, porque se compadecera do seu povo e da sua própria morada. Eles, porém, zombavam dos mensageiros, desprezavam as palavras de Deus e mofavam dos seus profetas, até que subiu a ira do SENHOR contra o seu povo, e não houve remédio algum".  

O verdadeiro profeta é um representante de Deus na Terra. Nem sempre desfruta de grande popularidade, pois interpreta e entrega a vontade de Deus, expressa nas Escrituras. Os desígnios de Deus nem sempre se encaixam na vontade do homem. A maioria gosta de ouvir mensagens que inflam o ego e alimentam sonhos particulares.

A proclamação da Palavra se encaixa perfeitamente no ministério profético. Uma profecia aponta para a Palavra escrita e não para a palavra do profeta. Os profetas do antigo Testamento tão somente lembravam ao povo da aliança feita com Jeová e das consequências da desobediência à Palavra revelada (Bíblia). Eram extremamente sensíveis a atmosfera moral e espiritual reinante, e percebendo quando o povo caminhava além do limite da moralidade divina, avisavam que as penalidades previstas na Palavra estavam prestes a acontecer.

"Por isso, o SENHOR fez subir contra ele o rei dos caldeus" (v .17).

A reação dos israelitas a mensagem dos profetas foi a pior possível. "Eles, porém, zombavam dos mensageiros, desprezavam as palavras de Deus e mofavam dos seus profetas".

O instrumento usado por Deus para aplicar esta diciplina era os caldeus, nação que construíu um Império de proporções mundiais. Fizeram-no inconscientemente, pois estavam longe de se declararem como uma nação governada por Deus. Israel, a única nação aliançada com o Eterno, insistia em quebrar este contrato e estava prestes a receber as punições nele previstas.

"O SENHOR, Deus de seus pais, começando de madrugada, falou-lhes por intermédio dos seus mensageiros" (v.1). Movido por misericordia, e fiel as alianças feitas com os patriarcas da nação israelita, Deus lhes enviou seus profetas para preveni-los a respeito do juízo iminente. Ele lhes deu uma segunda chance. O Eterno é misericordioso, mas também justo, dando ao erro e ao acerto, o pagamento previsto em contrato.

1.O PAGAMENTO DOS OBEDIENTES: "Se atentamente ouvires a voz do SENHOR, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que hoje te ordeno, o SENHOR, teu Deus, te exaltará sobre todas as nações da terra" (Dt 28.1).

2.O PAGAMENTO DOS DESOBEDIENTES: "Será, porém, que, se não deres ouvidos à voz do SENHOR, teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos que, hoje, te ordeno, então, virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão" (Dt 28.15).   

Tão certo como 2+2=4, o salário do pecado é a morte. E isto não fui eu quem inventou, estou apenas passando adiante o que Deus escreveu em Sua Palavra (Rm 6.23).

A profecia baseada na Palavra é a única que traz em si o selo de autenticidade divina, com 100% de possibilidade de se cumprir, o resto pode ser apenas chute.           

Ubirajara Crespo

Ubirajara Crespo é pastor, escritor, conferencista, editor e diretor da Editora Naós.

Visite o Blog sob Nova Direção - http://sob-nova-direcao.blogspot.com/

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame