Gigantes da Alma

Gigantes da Alma

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:05
Gigantes da AlmaHá na alma humana, quatro gigantes, emoções que nos acompanham durante todo o nosso desenvolvimento, desde que nascemos. São eles: o Medo, a Ira, o Dever e o Amor.
 
Essas emoções são tão intensas que são capazes de mobilizar nosso ser. Elas são tão grandes que tudo que o Homem tenha feito, de bom ou de ruim sobre a Terra, deve ser atribuído a elas. Tais emoções norteiam todo comportamento humano, interferem em suas ações: as boas e até mesmo as ruins – dependendo do contexto e da situação.

Dentre essas emoções que moldam o ser humano Três delas colocam obstáculos e apenas uma abre todas as portas. 
As três criadoras de problemas chamam-se: MEDO, IRA e DEVER. 
 
O MEDO 
É uma sensação que proporciona um estado de alerta, demonstrado pelo receio do sujeito de fazer alguma coisa – geralmente por se sentir ameaçado, tanto física como psicologicamente. O medo pode se transformar em uma doença (a fobia) quando passa a comprometer as relações sociais e a causar sofrimento psíquico. É um gigante enraizado profundamente, que se alimenta da necessidade de preservar a vida diante do perigo, de nossas carências e sensação de desamparo, mas que se alia com a imaginação e cria neuroses, que chegam a paralisar completamente a vida de uma pessoa. O medo é um mecanismo de aprendizagem, mas também evolutivo de sobrevivência da espécie, e do indivíduo, particularmente.
 
A IRA 
É um gigante destrutivo. Ira é uma emoção que surge em nossa mente, devido a um acontecimento especial ocorrido, seja no meio em que a pessoa está ou com ela mesma, diante de alguma situação qualquer. Este sentimento se alimenta da reação normal de uma pessoa diante do medo, mas por ser normalmente abafado e recalcado, acaba criando o ódio, que é uma “raiva em conserva”, podendo consumir uma pessoa por dentro até matá-la. Por ter componentes irracionais, a ira não deve ser confundida com o ódio, que pode atingir seus objetivos destrutivos somente pela racionalidade. A IRA é alimentada, em muitos casos, pela ambição humana em deter o poder, pela ânsia de domínio, de afirmação e expansão, aliadas ao grande medo de fracasso perante este desejo de potência.
 
A pessoa dominada pela IRA sente-se fora de si e projeta sua agressividade sobre algo ou alguém fora dela, num impulso destrutivo.
 
Efésios 4:26: Irai-vos e não pequeis: Não se ponha o sol sobre a vossa ira.
 
A ira é como um gambá dentro de uma casa. Não alimente-o para que ele não seja encorajado a ficar, e tente se livrar dele o mais rápido possível.
 
Mateus 5:21-26: Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás... Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se colerizar contra seu irmão, estará sujeito a julgamento... reconcilia-te depressa com o seu adversário.
 
O DEVER 
Refere-se a uma alta probabilidade da concretização de um determinado comportamento, através da análise da interação entre a parte e a situação e a previsão de seu desenrolar. O dever aprecia o resultado do livre-arbítrio individual e não tenta influir decisivamente neste, no que se diferencia da obrigação. É um gigante que entulha o caminho dos humanos com muitas obrigações, podendo esmagá-lo com tantas delas, que até produz tédio e imobilidade. Ele está ligado à força repressiva originada por Leis, Costumes, Normas e Tradições rígidas.
 
O DEVER é alimentado por certos componentes, como o "princípio de ordem", o "sentimento de justiça" e a "necessidade de aprovação".
 
Mas temos um outro Gigante da ALMA, que pode abrir todas as portas emocionais, sociais, espirituais, é o AMOR, que pelas suas várias faces que pode adquirir, nem sempre leva à tão desejada libertação. 
 
O AMOR
Este sim pode ser entendido de diferentes formas, e tomado por certo conquanto é um sentimento, é abstrato, sem forma, sem cor, sem tamanho ou textura. Mas é por si só: O sentimento em excelência; o que quer dizer que é o sentimento primário e inicial de todo e cada ser humano, animal ou qualquer outro ser dotado de sentimentos e capacidade de raciocínio natural.
 
Muitos crêem, por exemplo, que o AMOR é, antes de tudo, uma atração, entretanto sua qualidade essencial é justamente a expansão. O AMOR que liberta não pode estar ligado à possessividade, à simbiose, à tirania, ao abandono, à discórdia ou à vingança. O AMOR que abre portas tem na arte do desapego a sua chave mestra e, assim, amansa a Ira, aplaca o Medo e equilibra a prática do Dever.
 
1Corintios 13 descreve o amor verdadeiro que liberta. O gigante da alma que pode abrir todas as portas emocionais e espirituais é o verdadeiro AMOR.
 
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
 
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
 
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
 
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
 
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
 
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
 
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
 
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
 
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
 
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
 
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
 
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.
 
Por Marisa Lobo - psicóloga, escritora e conferencista
 
Referências
 
Bíblia sagrada 
O Livro Os Quatro Gigantes da Alma é de Mira y Lopez.  

http://pt.wikipedia.org/w/index.php?search=ira+na+biblia&button=&title=Especial%3APesquisar
 
http://sermoes1.blogspot.com.br/2010/01/educacao-biblica-os-deveres-dos-pais.html
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame