Meu chamado para o Ministério

Experiências que me marcaram com o poder de Jesus Cristo.

Fonte: Guiame, Joel EngelAtualizado: terça-feira, 6 de agosto de 2019 21:56
 (Foto: Crossroad)
(Foto: Crossroad)

Atos dos Apóstolos 20:24. Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus.

Ainda me lembro bem da fase inicial do meu ministério. Eu estava fascinado pelo poder de Jesus Cristo, minha esposa resgatou a minha empresa me restituiu de tudo o que os gafanhotos roubaram e então eu comecei a buscar o batismo no Espírito Santo.

Fiz um jejum de dois dias e clamei: "Eu quero ver o Senhor, quero que fale comigo, quero ter um encontro contigo".

Eu estava buscando mais de Deus, porque queria saber o propósito da minha vida, do meu ministério. Certa noite, em uma reunião da oração, fui batizado no Espírito Santo e comecei a falar em outras línguas. A experiência foi tão maravilhosa que eu saí dali, dizendo: "Eu quero mais!".

Então, entrei no meu carro e fui em direção à minha casa, mas no meio do caminho parei em um campo, um lugar deserto e disse mais uma vez ao Senhor: “Eu quero mais, quero mais de ti, mais da Tua presença”.

De repente, eu comecei a ter uma visão. Vi muitos lugares ao mesmo tempo e algumas das cenas que vi foram minha casa rodeada de demônios, bem como a minha empresa. O meu carro começou a balançar e como que em um impulso, travei o carro e disse: “Não saio daqui até que Deus me visite, até que o Senhor fale comigo”.

Então, senti que seria arrebatado e vi Jesus chegando em uma pequena nuvem. Eu vi a sua mão direita, que ainda estava com a marca dos cravos e ele disse: “Então toma”.

Naquela hora eu fui arrebatado e me vi atravessando os céus, vi as estrelas passando pela minha vista em uma velocidade fantástica. Parece que eu perdi a consciência, os sentidos, a memória apagou.

Quando eu recobrei a consciência, estava com as mãos levantadas, todo o corpo ereto e transpirando muito. Eu falava em muitas línguas e me sentia um gigante, com força, coragem e ousadia tal que conseguiria segurar o planeta em minhas mãos. Porém, ao mesmo tempo, meu coração estava transbordando de um amor fantástico e com este misto de sentimentos eu fui para a minha casa, conversando com Deus, perguntando sobre o meu ministério com a mesma curiosidade de um garoto que não se cansa de fazer perguntas ao pai.

O Senhor me mostrou que seria assim como Abraão, que teve muitos filhos. No momento eu não entendi, mas depois, no meio do caminho compreendi melhor que Deus se referia aos novos ungidos, porque toda a revelação sobre este assunto foi gradativa, como os capítulos de um mesmo livro, que explicam seu conteúdo aos poucos, de forma coesa.

Depois dessa visão, pela primeira vez expulsei demônios e fiquei 18 dias no meu quarto, em oração. Nesse período, voltei a ter visões extraordinárias e o Senhor me levou a vários lugares. Fui sendo capacitado por Ele, porque o senhor e recebi foi a voz de comando para gerar os novos ungidos pelo Espírito Santo.

Transformação

Nesse período inicial, logo após a minha conversão, Deus também me levou a deixar o apego às coisas do mundo e chegou um momento que eu ofertei quase tudo o que tinha: empresa, carros, terrenos... aos poucos o Senhor foi me desligando de qualquer coisa terrena, pois estava me tirando do sistema do mundo, cheio de impostos, até que chegou um dia que eu saí só com a roupa do corpo para me tornar um pregador  e demos início às pregações na favela, na cidade de Cachoeira do Sul.

Após esse processo de desapego dos bens materiais, comprei uma barraca grande e armei no alto do monte onde se localiza o camping da cidade de Cachoeira do Sul. Ali permaneci acampando, investindo cada vez mais em momentos de oração e meditação por mais de três anos. Eu ainda não havia percebido, mas o Senhor estava me levando aos passos de Elias. Após passar muito tempo sem me comunicar com ninguém, devido ao longo período de um desses retiros, passei a me sentir só. Mas foi então que acabei ouvindo a voz do Espírito Santo. As palavras foram poucas, mas se espalharam pelo meu coração como o sol enche a face da terra quando nasce um novo dia.

- Eu sou teu amigo - me disse aquela voz.

Naquele momento, meu ser se encheu de luz, força, ânimo, paz, alegria, felicidade e um sentimento inexplicável de segurança. Toda a solidão e medo foram embora. O Espírito Santo começou a falar comigo como um amigo e após mais períodos de jejum e oração, perguntei novamente a Ele:

- Senhor, como será meu ministério? Me mostra!

Então, Deus começou a me sinais que ainda não consegui interpretar na época, mas posteriormente compreendi que o Senhor estava me preparando assim como fez com Elias.

Não se intimidar

Quando voltei do período de retiros e passei a pregar o Evangelho. Abrimos uma comunidade em Dona Francisca (RS) e foi lá o primeiro lugar que o Senhor me mostrou a visão dos novos ungidos.

Após o Senhor operar milagres através do meu ministério, autoridades da cidade se uniram para tentar impedir que os cultos evangelísticos continuassem. Um mandado de prisão foi emitido contra mim, mas, mesmo assim, passei a pregar o Evangelho na praça.

Este meu “crime” levou o delegado da cidade a tentar me prender. Mas Deus me ordenou que falasse do Evangelho para aquele homem.

- O que o Senhor é? - o delegado me perguntou.

- Sou pastor - respondi prontamente.

- Tenho uma ordem de prisão contra você

Mas Deus ordenou naquele momento que eu não me intimidasse e pregasse o Evangelho para o delegado. Ao ouvir sobre o amor de Jesus, aquele homem foi tocado pelo Espírito Santo. Eu orei por ele e o Senhor o curou de uma enfermidade.

Aquele delegado que até então estava pronto a cumprir a ordem de prisão contra mim, se emocionou, fez um propósito de orar por mim e pelo meu ministério e afirmou que faria o possível para que aquele mandado não se cumprisse.

Reflexão

É fato que as experiências que vivenciei com Deus naqueles tempos de retiro, apesar da minha fé ainda “iniciante”, foram muito reais e intensas. Porém, Deus me mostrou que eu não saí daqueles momentos cheios de paz e uma atmosfera sobrenatural para andar somente em facilidades.

Como eu disse, por mais que eu ainda não conseguisse entender naqueles momentos sobrenaturais no camping, ouvindo a voz de Deus, o Senhor já estava me preparando para as provações que estavam por vir, como por exemplo, o desafio daquela ordem de prisão contra mim.

Deus me fortaleceu, me deu espírito de ousadia para não me intimidar diante daquele mandado e pregar para aquele delegado. É justamente esta ousadia, esta coragem que Deus colocará em Seus novos ungidos.

Tal coragem não é fruto apenas de nossa própria capacidade, mas sim da certeza que temos sobre o poder supremo Daquele que está em nós. Este é um dos sinais do chamado apostólico e profético conforme o Senhor Jesus advertiu os seus discípulos.

"Tenham cuidado, pois os homens os entregarão aos tribunais e os açoitarão nas sinagogas deles. Por minha causa vocês serão levados à presença de governadores e reis como testemunhas a eles e aos gentios.” (Mateus 10:17,18)

Por Joel Engel, pastor, líder do Ministério Engel, em Santa Maria (RS).

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame