Preservativos ou Salvativos?

Preservativos ou Salvativos?

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:15

De alguns anos para cá a história se repete em todo carnaval. Sem me consultar, portanto a revelia de minha aprovação ou não, o governo pega o meu dinheiro e de outros milhões de brasileiros para distribuir milhões de preservativos.

Neste ano, segundo reportagem que ouvi na CBN, o número foi de setenta milhões de preservativos distribuídos gratuitamente para os foliões poderem foliar com segurança.

Os argumentos do Ministério da Saúde têm a sua lógica: Precisamos evitar ao máximo as DSTs. Assim evitamos mortes e gravidezes prematuras. Indiretamente estamos evitando futuros abortos. Temos que promover e conscientizar a todos quanto ao sexo seguro. O investimento com preservativos é muito menor do que os gastos com as prováveis doenças que não são evitadas.

Não sejamos ingênuos. Na lógica humanista e utilitarista da atualidade os motivos do Ministério da Saúde são totalmente aceitáveis. Afinal, entre termos um grupo de pessoas saudáveis praticando sexo como e com quem quiser, e outro grupo na mesmaprática, porém infectado por doenças, algumas até incuráveis,é evidente que o melhor é manter um grupo saudável. Ou seja, a vida é mais importante, é prioridade. Quanto a isso nenhuma dúvida. Não se necessita discussão, cristãos ou não, creio que a esmagadora maioria pensa igual, viver com saúde e sem ameaçasde doenças é melhor e muito mais seguro.

Para cristãos, no entanto, o estilo da vida que se vive tem enorme importância. Preservativos de fato preservam? Se preservam, o que preservam? Talvez a ameaça de um filho? Sim, um filho. Foi a Ivete Sangalo que soltou a pérola para os dias do carnaval: Quem não quiser fazer filhinho tem que usar o plastiquinho. Afinal, como já se propaga na net: No carnaval as mina pira, em novembro as mina pari. Ou talvez preservativos preservem a repetição sistemática do erro numa ilusão de prazer? Quem sabe preservem um pesomais leve na consciência? Doce ilusão esta minha, essa geração não sofre com pesos de consciência e faz o que faz convicta que está tudo certo e normal. Talvez seja isso que preservativos mais preservem: a indiferença.

Seja lá o que for que preservativos preservem, é com falhas grotescas que apenas preservam, pois não salvam. Eu gostariade propor um Ministério da Espiritualidade para que o mesmo distribuísse salvativos. Se existem milhões de brasileiros que apóiam a iniciativa do governo, sei que existem outros milhões de brasileiros que apoiariam essa sugestão. Já que a grana dos impostos sai do bolso de todos, que se dê a opção para todos. Numa ponta setenta milhões de preservativos, na outra setenta milhões de salvativos, e todos gratuitamente.

Chamo de salvativos o velho, bom e sempre novo livro, a nossa Bíblia Sagrada. A SBB adoraria se este projeto se tornasse realidade. Acho mais, a SBB faria uma edição especial para adata, com papel e formato que barateassem a produção. Penseno impacto em cada passarela do samba, em cada salão, emcada clube, ou seja, em cada lugar aonde os agentes do governo chegassem distribuiriam a mesma quantidade de ambos: Para cadadez mil preservativos, dez mil salvativos.

Muitos rejeitariam os salvativos, é a alegação de alguns. É certo que sim. Mas você acha mesmo que todos os praticantes do sexo livre usam os tais preservativos em suas relações? Muitos, nomomento do sexo, já estão totalmente dominados por desejos impublicáveis, além do álcool e das drogas que fragilizam qualquer tipo de cuidado. Preservativos, mesmo de graça, não têm a menor chance de serem lembrados para muitos, que dirá usados.

Até nisso a ação seria igual, ficando a cargo de quem recebesse,o usar ou não. Mas gosto de pensar no impacto de uma ação tãoinusitada como esta. Numa das mãos do usuário, o preservativo,comunicando a seguinte mensagem: Faça sexo seguro, evite doenças, não contamine nem seja contaminado, evite uma gravidez indesejada. Na outra mão, o usuário olharia e veria o salvativo coma seguinte mensagem: Vamos conversar, ainda que seus pecados sejam vermelhos como beterraba eu os deixarei brancos como um vestido de noiva. Eu o amo, posso te preservar das ciladas deste mundo e mais, posso te salvar, vamos conversar? Jesus.

Preservativos ou salvativos? Já fiz a minha escolha. Sei que minha proposta é um sonho. Grandes ações, no entanto, só aconteceram porque um dia alguém sonhou. O próximo carnaval acontecerá daqui um breve e rápido ano. E se mais sonhadores sonhassem? E se esforços, dons, ideias, contribuições e visões se unissem? O que poderia acontecer neste país?

Paz!

 

por Edmilson Mendes

e-mail: mendeslongo@uol.com.br
blog: calicedevida.com.br
twitter: @Edmilson_Regina
facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100000512610458 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame