Ninguém escapa do pecadômetro

Ninguém escapa do pecadômetro

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:13

Por que se gasta com bafômetro? Gasta-se com os aparelhos, com policiais, e tudo muitas vezes para nada. Parece piada, todo dia tem um famoso nas páginas dos jornais que se recusou a fazer o teste do bafômetro. De artistas e políticos até ao técnico da seleção brasileira a reação tem sido a mesma, quando pegos numa blitz, simplesmente se recusam ao teste, a lei lhes garante esta posição.

Normalmente, as blitz nas quais são surpreendidos os famosos, são aquelas que a polícia faz na madrugada, justamente para pegar o pessoal que vem das noitadas e baladas. Alguns chegam a ser flagrados sem habilitação e com documentos vencidos. Mas, e o bafômetro, para que serve?

O cidadão comum sabe como deveria ser a lei. A opinião popular diz que o motorista até pode negar-se ao teste, mas, ao se recusar estaria confessando ter ingerido álcool, simples assim. Mas não, ficam os policiais como patetas, sentindo o cheiro da bebida, vendo o estado aparente que evidencia a ingestão de álcool e sem muito poder fazer.

Enquanto isso as mortes causadas por embriagues só aumentam. Vermos motoristas com uma mão no volante e a outra segurando uma latinha de cerveja já se tornou lugar comum. Enfim, uma multidão de motoristas-bebedores-anônimos está bem tranquila com seu vício, afinal o político, o cantor, o jogador e o ator são pegos e nada acontece. Logo, para que se preocupar?

Pode ser que no caso do bafômetro a lei ainda seja manca e se consiga enganar por um tempo. Pode ser. Na blitz do pecadômetro, no entanto, ninguém engana, muito menos escapa.

Pecamos, é um fato. Porém achar normal o pecado é perigoso, muito perigoso. Tem gente zoando da lei escondido na máscara de um pífio discurso que alega estar debaixo da graça. A graça não nega a importância da lei para o bem viver.

A graça nos salva de graça, mas não elimina nossos deveres para com a lei, que apontam para respeitar, tolerar, perdoar, ajudar e amar o próximo.

Tem gente achando que dá para aprontar todas e nunca nada irá acontecer como consequência. Todo mundo faz e nada acontece, pensam. O problema que passa desapercebido é que a blitz contra o pecado não é feita por gente como a gente, é feita por seres celestiais. O pecadômetro, por sua vez, se resume num livro, chamado palavra de Deus, e penetra até a divisão da alma e do espírito. Ou seja, não existe uma minúscula possibilidade de esconder, encobrir ou disfarçar nossos pecados, por leves ou pesados que sejam.

As leis e constituições mudam, falham, envelhecem, caducam. A lei de Deus é perfeita, revela nosso estado e denuncia nossa realidade. Diferentemente das leis detrânsito, onde perdemos pontos na carteira e as vezes, até a carteira, na lei de Deus, transgredir e esconder, faz a gente perder a paz na alma.

Multas custam caro. Curso de reciclagem é chato. Na lei de Deus basta o arrependimento de um coração contrito e disposto a mudar. A Graça maravilhosa, imerecida e inexplicável vem e perdoa, abençoa, resgata e salva. Não escapamos do pecadômetro, mas também não escapamos do incondicional amor de Deus.

Paz!

 

Por Edmilson Mendes

e-mail: mendeslongo@uol.com.br
blog: calicedevida.com.br
twitter: @Edmilson_Regina
facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100000512610458 

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame