Podemos comparar o exílio e a vigilância dos tempos bíblicos com os dias de hoje?

Escatologia — Fim dos Tempos

Fonte: Guiame, Cris BeloniAtualizado: segunda-feira, 19 de julho de 2021 18:28
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

“Cada passo nosso era vigiado, de forma que não podíamos caminhar por nossas ruas. Nosso fim estava próximo, nossos dias estavam contados; o nosso fim já havia chegado.” (Lamentações 4.18)

Neste tempo que estamos vivendo, de pandemia, em pleno 2021, alguns estão dizendo que essa é uma profecia sendo cumprida, conforme o texto de Lamentações de Jeremias. Será?

Vamos ao contexto

O livro de Lamentações, escrito por volta de 587 a.C., fala da dor de Jeremias, sofrida após a destruição de Jerusalém. O capítulo 1 conta detalhes sobre essa destruição por parte dos babilônios, quando a cidade foi conquistada por Nabucodonosor. 

O capítulo 2 fala da manifestação da ira de Deus contra a nação de Judá. E o capítulo 3 é uma oração pedindo clemência e misericórdia divina, porque a situação era realmente terrível. Lendo o livro, percebemos que houve até cenas de canibalismo por conta da fome. O lamento de Jeremias não era sem razão. 

Vigilância

E o capítulo 4, que é onde se encontra o texto em questão, fala especificamente do cerco imposto a Jerusalém (capital de Judá), quando o povo orou pedindo por restauração. 

Quando Jeremias escreveu: “Cada passo nosso era vigiado, de forma que não podíamos caminhar por nossas ruas”, provavelmente, estava se referindo à vigilância dos babilônios sobre os que puderam ficar na terra de Judá, sob o governo de Gedalias. Havia pouquíssima gente na cidade, por causa da deportação ocorrida no ano de 581. 

Cuidado com o texto fora de contexto

Quando Jeremias disse “nosso fim estava próximo, nossos dias estavam contados”, possivelmente estava se referindo ao fim da vida comunitária dos judeus. Logo, a associação desse texto a qualquer período de quarentena ou reclusão por conta de uma pandemia, em nosso tempo, é pouco provável. 

Além disso, vivemos num país que ainda desfruta da liberdade em suas mais variadas formas – de religião, de expressão, de pensamento e até de imprensa. Temos vários problemas e vários desafios, mas a perseguição em nível alto, severo ou extremo ainda não faz parte da nossa realidade. 

Já estamos sendo vigiados

Um dia, a perseguição será global e, certamente, também chegará ao Brasil. Não sabemos como e nem quando isso vai acontecer. Enquanto isso, vamos viver a nossa realidade. 

Nossos passos são vigiados, sim, pelo Espírito Santo. Nossos dias também estão contados por Deus. Aliás, a Bíblia diz que até os cabelos da nossa cabeça estão contados e que nós somos valiosos para o Criador. (Lucas 12.7)

“Pois Deus vê o caminho dos homens; ele enxerga cada um dos seus passos.” (Jó 34.21)

“Os olhos do Senhor estão em toda parte, observando atentamente os maus e os bons.” (Provérbios 15.3)

“Nada, em toda a criação, está oculto aos olhos de Deus. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas.” (Hebreus 4.13)

E para finalizar

“Dos céus olha o Senhor e vê toda a humanidade; do seu trono ele observa todos os habitantes da terra; ele, que forma o coração de todos, que conhece tudo o que fazem. Nenhum rei se salva pelo tamanho do seu exército; nenhum guerreiro escapa por sua grande força. O cavalo é vã esperança de vitória; apesar da sua grande força, é incapaz de salvar. Mas o Senhor protege aqueles que o temem, e os que firmam a esperança no seu amor, para livrá-los da morte e garantir-lhes vida, mesmo em tempos de fome. Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio e a nossa proteção. Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu santo nome. Esteja sobre nós o teu amor, Senhor, como está em ti a nossa esperança.” (Salmos 33.13-22)

E ainda que venham tempos maus, ainda que nossos passos um dia sejam totalmente vigiados pelo governo, ainda que seja proibido caminhar por nossas ruas ou ir até os nossos templos. Ainda que a nossa geração veja o tempo do fim... Ainda assim, que sejamos humildes como foi Jeremias, para reconhecer a grandeza de Deus.

“Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim. Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança: Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade! Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança.” (Lamentações 3.20-24)

Por Cris Beloni, jornalista cristã, pesquisadora e escritora. Lidera o Movimento Bíblia Investigada e ajuda as pessoas no entendimento bíblico para a ativação de seus dons. Trabalha com missões transculturais, Igreja Perseguida, teorias científicas, escatologia e análise de textos bíblicos.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Entenda a história da perseguição aos cristãos

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame