É possível conciliar Ciência e Fé?

A palavra “Ciência” significa “conhecimento”. Esse conhecimento é visto como uma ferramenta para escavar respostas às questões humanas.

Fonte: Guiame, Cris BeloniAtualizado: segunda-feira, 22 de março de 2021 13:25
(Foto: Canva)
(Foto: Canva)

Você já deve ter ouvido falar que Bíblia e Ciência se contradizem, não é? Essa é uma daquelas frases que as pessoas repetem sem pensar. Na verdade, a Bíblia se harmoniza com a Ciência, ela só não tem um palavreado científico.

Deus é o Cientista dos cientistas e como o responsável pelo “laboratório” fez questão de deixar as especificações de suas teses, num livro que é o mais vendido e mais lido até os dias de hoje.

A palavra “Ciência” significa “conhecimento”. Esse conhecimento é visto como uma ferramenta para escavar respostas às questões humanas. Por exemplo: De onde viemos? Para onde vamos? Como fomos criados?

Um simples leitor consegue encontrar essas respostas na Bíblia, mas o mundo oferece suas teorias e acaba confundindo as pessoas que ainda não conhecem a verdade. Quando Darwin escreveu o livro “A origem das espécies” e disse que os humanos vieram de um ancestral comum com os macacos, muita gente acreditou nele.

Mas quem foi Darwin, senão um ser humano como qualquer um de nós? Darwin foi um autodidata e tudo indica que ele não levou em conta as afirmações bíblicas enquanto redigia suas teorias. Logo, as teorias de Darwin não devem ser levadas tão a sério.

Vou citar apenas alguns exemplos: você já ouviu falar que viemos de uma sopa primordial? Imagine que Darwin e os cientistas de sua época ainda não tinham acesso ao microscópio. Hoje em dia, temos até o nanoscópio, que permite uma visão bem apurada de uma célula. E como sabemos, células são muito complexas, mas Darwin imaginava que elas eram muito simples. Será que ele não mudaria de ideia se estivesse entre os cientistas de nossa época, com todo esse equipamento moderno?

Pode ser, mas essa é uma resposta que nós nunca teremos. Darwin também discursou muito sobre as etapas da evolução de um animal. Ele achava que a girafa, originalmente, não tinha o pescoço longo, e que sua aparência era produto da macroevolução. Muito bem, o pescoço da girafa foi estudado minuciosamente por especialistas e os mecanismos encontrados nele são comparados à obra de um engenheiro.

A engenharia do pescoço da girafa é tão complexa e tão perfeita que jamais poderia ser obra do acaso ou resultado de uma evolução. Digite no Google “A complexidade irredutível da Girafa” e veja alguns vídeos. É realmente surpreendente.

Então podemos dizer que existe um Criador e que a Bíblia está correta. A própria Ciência fornece as evidências de toda a Criação. Mas entenda que no meio científico também existem contradições. Há muitas teorias, mas teorias não são fatos, são apenas hipóteses. E nós precisamos aprender a lidar com esse ambiente hipotético, filtrando todas as informações que chegam até nós. Que a verdadeira Ciência e suas verdades possam ainda salvar muitas vidas da ignorância. Até a próxima!

Por Cris Beloni, jornalista, pesquisadora e escritora. Lidera o Movimento Bíblia Investigada e ajuda as pessoas no entendimento bíblico para a ativação de seus dons. Trabalha com missões transculturais, Igreja Perseguida, teorias científicas, escatologia e análise de textos bíblicos.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Criacionismo Bíblico - Derrubando Mitos

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições