Mulher madura - o que usar?

Mulher madura - o que usar?

"Tenho 56 anos, uns dias a mais é lá estão os 57, aparência de 45, porém (é o que dizem rsrsr), 1,56m, 50kg, em forma com as formas, dinâmica, mãe e avó. Normal até aí, nada de novo, mas na hora das compras ...começam os dilemas.

O que usar sem parecer o tipo de mulher madura fora do esquadro ao tempo de satisfazer meu ego quanto ao visual? Dicas da TV e sites, geralmente voltadas para mulheres mais jovens, orientações existentes não fecham em nada com meu gosto. Sei lá porquê pensam que as mulheres maduras tem de se vestir como as antigas vovozinhas, já passou do tempo, não pensam assim? Sugestões desse incrível mundo "Vila Mulher", pode ser? Um abraço carinhoso a todos."

Existem algumas fases na vida de uma mulher em que encontrar roupas adequadas pode ser um pouco complicado. São as épocas em que ela passa por uma transição, como na adolescência - em que ainda não é uma adulta mas já deixou de ser criança - e como no caso da nossa vilamiga - que já não é mais tão jovem, porém não é tão senhora assim ainda, principalmente agora que as mulheres aparentam cada vez mais novas e se mantém ativas por muito mais tempo, do que há 10, 20 anos.

É claro que eu não poderia simplesmente sugerir um guarda-roupa específico para a nossa leitora, pois isso exigiria um estudo sobre sua personalidade, seus gostos, necessidades, tipo físico, enfim, e isso serviria apenas para ela, e não para as outras que nos acompanham. Porém, independente de todos esses fatores, existem algumas observações gerais para quem passa por essa fase se sentir mais segura na hora de escolher as roupas.

Assim como ninguém vai dormir com 20 e acorda com 50, o estilo não se transforma radicalmente de um dia para o outro. Ele deve acompanhar esta transição, amadurecer aos poucos ao longo dos anos. Mesmo quem têm como base os estilos mais perigosos para essa idade, como o sexy e o romântico, não deve abandoná-los de uma hora para outra.

Por exemplo, uma pessoa com o estilo romântico deve procurar peças menos juvenis. Quando um vestido tiver muitos babados, ele pode deixar de ser rosinha, ou quando a peça for rosinha ela pode ser um pouco mais estruturada, em um corte mais sério, para tirar a quase infantilidade que alguns modelos transmitem. Outra opção é a de transferir elementos, como as estampas florais que podem ser encontradas em lenços elegantes ao invés de vestidinhos curtos e fluídos.

E sim, uma mulher ainda pode ser e se sentir sexy independente da idade, porém o comprimento das saias será alongado, o decote aos poucos revelará menos e o ajuste das peças pedirá alguns cuidados extras. Aquele bandage dress pode não ser a escolha mais apropriada para a idade, mas o vestido não precisa esconder todas as formas tão exaustivamente trabalhadas na academia, elas serão reveladas de formas mais sutis. Aqui também vale a idéia da transferência: um decote generoso que revele o colo, por exemplo, pode ser diluído e transferido para pontos estratégicos como os ombros e as costas.

Os estilos tradicional, elegante e natural são os mais fáceis de adaptar, pois não carregam códigos tão específicos como os citados.

Já para as criativas, que podem misturar referências de todos eles, vale a mesma dica de diminuir, quebrar e transferir elementos. Dosar a jovialidade excessiva que uma peça pode ter ao escolher uma cor mais sóbria e misturar menos elementos tão distintos ou fazer isso de uma forma mais discreta ajuda bastante.

"Tenho 56 anos, uns dias a mais é lá estão os 57, aparência de 45, porém (é o que dizem rsrsr), 1,56m, 50kg, em forma com as formas, dinâmica, mãe e avó. Normal até aí, nada de novo, mas na hora das compras ...começam os dilemas.

O que usar sem parecer o tipo de mulher madura fora do esquadro ao tempo de satisfazer meu ego quanto ao visual? Dicas da TV e sites, geralmente voltadas para mulheres mais jovens, orientações existentes não fecham em nada com meu gosto. Sei lá porquê pensam que as mulheres maduras tem de se vestir como as antigas vovozinhas, já passou do tempo, não pensam assim? Sugestões desse incrível mundo "Vila Mulher", pode ser? Um abraço carinhoso a todos."

Existem algumas fases na vida de uma mulher em que encontrar roupas adequadas pode ser um pouco complicado. São as épocas em que ela passa por uma transição, como na adolescência - em que ainda não é uma adulta mas já deixou de ser criança - e como no caso da nossa vilamiga - que já não é mais tão jovem, porém não é tão senhora assim ainda, principalmente agora que as mulheres aparentam cada vez mais novas e se mantém ativas por muito mais tempo, do que há 10, 20 anos.

É claro que eu não poderia simplesmente sugerir um guarda-roupa específico para a nossa leitora, pois isso exigiria um estudo sobre sua personalidade, seus gostos, necessidades, tipo físico, enfim, e isso serviria apenas para ela, e não para as outras que nos acompanham. Porém, independente de todos esses fatores, existem algumas observações gerais para quem passa por essa fase se sentir mais segura na hora de escolher as roupas.

Assim como ninguém vai dormir com 20 e acorda com 50, o estilo não se transforma radicalmente de um dia para o outro. Ele deve acompanhar esta transição, amadurecer aos poucos ao longo dos anos. Mesmo quem têm como base os estilos mais perigosos para essa idade, como o sexy e o romântico, não deve abandoná-los de uma hora para outra.

Por exemplo, uma pessoa com o estilo romântico deve procurar peças menos juvenis. Quando um vestido tiver muitos babados, ele pode deixar de ser rosinha, ou quando a peça for rosinha ela pode ser um pouco mais estruturada, em um corte mais sério, para tirar a quase infantilidade que alguns modelos transmitem. Outra opção é a de transferir elementos, como as estampas florais que podem ser encontradas em lenços elegantes ao invés de vestidinhos curtos e fluídos.

E sim, uma mulher ainda pode ser e se sentir sexy independente da idade, porém o comprimento das saias será alongado, o decote aos poucos revelará menos e o ajuste das peças pedirá alguns cuidados extras. Aquele bandage dress pode não ser a escolha mais apropriada para a idade, mas o vestido não precisa esconder todas as formas tão exaustivamente trabalhadas na academia, elas serão reveladas de formas mais sutis. Aqui também vale a idéia da transferência: um decote generoso que revele o colo, por exemplo, pode ser diluído e transferido para pontos estratégicos como os ombros e as costas.

Os estilos tradicional, elegante e natural são os mais fáceis de adaptar, pois não carregam códigos tão específicos como os citados.

Já para as criativas, que podem misturar referências de todos eles, vale a mesma dica de diminuir, quebrar e transferir elementos. Dosar a jovialidade excessiva que uma peça pode ter ao escolher uma cor mais sóbria e misturar menos elementos tão distintos ou fazer isso de uma forma mais discreta ajuda bastante.

'