Empresários brasileiros buscam parceiros para exportação de granito e mármore na África do Norte

Empresários brasileiros buscam parceiros para exportação de granito e mármore na África do Norte

Considerados exóticos no exterior, o mármore e o granito extraídos de jazidas brasileiras estão em revestimentos, pisos, banheiros, cozinhas e até em objetos de decoração em vários países. Mas nem todos os compradores sabem a origem do produto, porque Itália, China, Índia e Estados Unidos estão entre os maiores exportadores desse segmento. O bloco do mármore ou do granito é adquirido do Brasil e da Índia, por exemplo, processado e então vendido a preços bem mais altos.

"A idéia é mostrar que a rocha ornamental brasileira é um produto de qualidade e que pode ser comprado por eles a preços bem mais acessíveis do que os oferecidos pela Itália, por exemplo, diante da proximidade, já que está do outro lado do mar Mediterrâneo", diz Paulo César Marinho Costa, dono da MGR Mármores e Granitos Rio LTDA, que faz parte de um grupo de empresários em visita ao norte da África em busca de novos parceiros para exportação.

Segundo Paulo César, o grupo de empresários argelinos gostou da apresentação do produto brasileiro, mas, conforme informou ele, as conversas estão apenas no início e outras tantas ainda virão.

O empresário foi mais cauteloso ao avaliar o resultado da conversa com empresários na Líbia, que também importa granito e mármore da Europa, que por sua vez compra o material bruto do Brasil e beneficia. "O país é muito fechado, mas de qualquer forma, plantamos a semente", disse.

De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais, as exportações de granito e mármore no ano passado somaram US$ 954,5 milhões, 13,17% a menos do que em 2007, devido principalmente à queda das encomendas para a China. As importações do produto em 2008 chegaram a US$ 51,6 milhões, 32,24% a mais do que no ano anterior.

Para o empresário, este aumento das importações deve-se à preferência do brasileiro pelo produto importado, especialmente o que já está processado.

"É impressionante. O brasileiro prefere comprar uma bancada de granito vindo do exterior do que valorizar o que é nosso. Só que às vezes, ele o granito que ele está comprando é foi extraído das jazidas brasileiras, exportado, beneficiado e depois importado pelo Brasil".

'