Revolution Teen prepara adolescentes missionários para tradução da Bíblia pelo mundo

Revolution Teen prepara adolescentes missionários para tradução da Bíblia pelo mundo

Formar adolescentes para atuar no trabalho missionário de tradução da Bíblia entre os povos onde não há nenhuma porção da Bíblia na língua local. Esse é o objetivo do Revolutin Teen, um dos projetos desenvolvidos pela Missão Horizontes.

"Os adolescentes chegam aqui logo após concluir a oitava série e passam um ano na Missão, estudando Teologia, Missiologia e línguas, com Inglês e Espanhol", explica Wellington Barbosa, professor de Inglês e obreiro da Horizontes. "Esses 12 meses que eles passam aqui, além de prepará-los para a próxima etapa do projeto, também servem como um bom teste", observa Mark Botelho Spencer, líder do Revolution Teen. "Nesse tempo, é possível avaliar se o interesse por missões é mesmo uma vocação ou apenas um sonho lindo, que não resiste às dificuldades", completa.

Na segunda etapa, os adolescentes são enviados para a Bolívia, onde realizam o treinamento transcultural e cursam o segundo grau, em Espanhol, na Escola Bautista Boliviana Brasileña. O passo seguinte é a reciclagem de mais um ano na Missão Horizontes, em Monte Verde, Minas Gerais. "Com o segundo grau concluído, eles voltam para uma período de avaliação e mobilização. É nessa fase que os jovens missionários começam a levantar recursos para dar continuidade ao projeto", conta Wellington Barbosa.

A preparação dos futuros tradutores da Bíblia inclui mais um ano de estudos de Lingüística, na Missão Alem, em Brasília. A etapa final, antes de partir para o campo, é realizada na Ásia, mais especificamente na Universidade Paiak, na Tailândia, onde os missionários são graduados em Lingüística. O curso é organizado pela SIL (Sociedade Internacional de Lingüística, antigo Instituto Lingüistico de Verão) em parceria com a Wycliffe Bible Translators e dura três anos.

Implantado em 2004, o Revolution Teen contou com 45 participantes em 2006 e tem apenas um estudante em 2008. "Muitos desistem no caminho. Infelizmente, a falta de provisão, e não de vocação, é o maior obstáculo para os missionários adolescentes", declara Mark Spencer. "Muitas pessoas não reconhecem a importância do trabalho missionário de tradução da Bíblia. Uma pesquisa recente revelou que 80% dos pastores do Estado de São Paulo nunca leram a Bíblia inteira. Isso é muito triste".

"Alguns desses adolescentes já vêm com uma inclinação para trabalhar com um determinado povo, mas o nosso foco principal são os países que não têm a Bíblia traduzida", observa Wellington. "No Brasil, por exemplo, há 153 línguas, sendo que 85 delas não têm nenhuma porção da Bíblia. Em Papua Nova Guiné há 835 idiomas diferentes. Nosso maior desafio são os países da Ásia, como China, Índia, Filipinas e Indonésia, e alguns da África", informa Barbosa.

'