Eis que estou à porta e bato

Eis que estou à porta e bato

A vida de um casal muda com a chegada dos filhos em todos os aspectos, é um tempo muito gostoso e especial, mas a vida muda, principalmente nas noites em claro.

Em uma dessas noites, acordado, Deus me disse para ficar atento ao relacionamento em que estava tendo com Ele. O Senhor me disse que eu estava sendo somente soldado do exército de Cristo. Isso me assustou porque Deus estava dizendo que eu estava apenas me relacionando com Ele como um funcionário do Reino, como um servo. Nas minhas orações, nas leituras da Bíblia, na busca, tudo era voltado para a obra.

Deus diz: "menos servo, mais amigo"

Falamos que O ouvimos, que O adoramos, O amamos, que O buscamos, como assim?

Deus está dizendo que quer mais comunhão, proximidade, mais intimidade com a Igreja.

Nós viemos para um banquete e não podemos nos acomodar com a casquinha de siri da entrada, nós queremos o prato principal. O prato principal é Jesus.

É bom chegarmos e encontrarmos uma estrutura de culto, onde temos tudo o que esperamos: louvor, os encontros com os amigos, pessoas que gostamos, os ministérios, a Palavra, mas se a presença de Deus não estiver, como fica?

"O banquete é com Jesus", a visitação.

O culto tem que ser o encontro com Deus quando Ele vem e não com outras coisas. Devemos ir para ter um encontro com Deus.

Temos o exemplo da Tribo de Levi. Era a Tribo que cuidava de toda a logística para o culto a Deus acontecer no Antigo Testamento.

O Senhor está dizendo: "Não só o serviço como os Levitas, mas venha para a Igreja para o santíssimo lugar, assim como o Sumo Sacerdote que entrava no santíssimo lugar".

Como o Sumo Sacerdote, temos que buscar o santíssimo lugar e sairmos abençoados, transformados, tocados e impactados por Deus. Se não estivermos na Igreja por isso, então, o que valeu o esforço de estarmos no culto?

Deus deseja estar muito mais conosco do que nós desejamos estar com Ele.

É como se Deus estivesse dizendo que Ele quer estar muito mais na nossa presença do que nós desejamos estar na Sua.

Apocalipse 3:20

Há uma palavra profética que prevê um grande avivamento nesses dias.

No texto de Apocalipse, está afirmando que nada acontece sem a manifestação da presença de Deus, nas palavras de Jesus Cristo.

A transformação de um individuo, de uma Igreja, uma cidade, uma nação, está associada no quanto de Deus foi derramado.

O derramar de Sua presença, vai depender do quanto nós O buscamos e O desejamos na adoração.

Deus procura pessoas de ouvidos sensíveis ao bater na porta.

Onde estão estes a quem Deus procura? Onde está as pessoas que abrirão à porta?

Uma questão surge:

Porque Deus, que é Onipresente, Onipotente e Onisciente, precisaria bater na porta para entrar? Será que esta porta está trancada?

Sim, está trancada, mas:

Mateus 16:19

As chaves já não estão no poder de Deus, nós é quem temos estas chaves para chamar a presença de Deus.

Há muitas ilustrações, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento, que falam a respeito dessas chaves.

Cantares 5:2-6  

Em Cantares temos um diálogo profético de Salomão com sua noiva, o que representa Jesus batendo à porta chamando a sua Igreja, a Sua amada noiva.

Versículo 3

O noivo vem e bate a porta e quer entrar e encontrar a noiva, mas a noiva responde que não está disposta em atender o noivo. Essa resposta é mais ou menos a que nós damos a Deus, respostas como símbolos e adjetivos, é o retrato que fala a respeito de uma Igreja sonolenta, preguiçosa, distraída, desleixada, desinteressada, e de uma noiva que não quer honrar o noivo, de falta de sensibilidade a sua voz. É como se Ele estivesse insistindo, avisando e dando oportunidade que nisso está à vitória, a transformação tão desejada. Devemos atentar a esse chamado de comunhão com o Pai.

Uma noiva que ama está atenta ao chamado do noivo e o recebe com amor e carinho.

Quantas vezes estamos distraídos, ouvindo as batidas na porta, mas não estamos sensíveis a elas porque estamos debaixo de muito barulho e o nosso tempo é consumido por tudo aquilo que não vem de Deus.

Porém, o noivo não desiste e continua batendo, Ele quer mais. Deus está chamando para derramar dons, nos usar. Mas estamos como Marta trabalhando e não como Maria que buscava a parte boa de estar com Jesus.

Só vir ao culto não basta, precisamos criar um lugar onde podemos ouvir a voz de Deus, pois há momentos que Ele quer falar somente quando estamos em inteira comunhão com Ele e não vai usar o púlpito para isso. Somente você e Ele, sem se preocupar com o horário. Deus quer que tenhamos experiências especiais e receber "o mais" que Ele tem para nós, e não se preocupar com uma liturgia a ser cumprida.

Existe um nível maior, Deus quer falar.

E na melhor hora, quando estamos quase entrando na sala do trono, quando Deus está quase encontrando espaço para poder falar conosco, muitas vezes, nós nem conseguimos abrir a boca para falar e, no melhor da festa, levantamos e vamos embora.

Deus só nos quer ali quietinhos, nos aproximando Dele para que nos revele.

Na hora que está acontecendo, que Ele vai falar, onde estamos nós?

Há um alerta de Deus para nós.

Versículo 4

No texto fala que o noivo tentou entrar,  Ele insistiu porque talvez a porta estivesse aberta, mas estava trancada. Ele tentou.

A noiva entende de repente que o noivo queria lhe falar e por isso insistiu tanto.

De tanto que Deus tenta falar conosco, muitas vezes, com desdém paramos para ouvir. Porém, com Deus não se brinca e para se aproximar Dele, tem que ser com temor, com reverência.

Tem horas que nos constrangemos e entendemos que Deus está insistindo e aí a Igreja acorda.

Versículo 5 - Mirra = perfume.

A maçaneta estava lambuzada, com o óleo, com o perfume.

Tem horas que acordamos e percebemos que só ficou o cheiro do Bom Perfume, somente uma amostra do que Deus queria se acordássemos e tivéssemos aberto a porta. Ao perceber isso, só damos valor depois que perdemos.

Isso acontece quando desprezamos a melhor parte de Deus e depois de horas na busca por aquilo que não irá nos edificar em nada, resolvemos ler um versículo na hora de dormir que fala tanto conosco, mas estamos com sono e percebemos que se tivéssemos atentado mais ao chamado poderíamos ter tido muito mais.

O que Deus quer é que gastemos tempo com Ele e Nele não encontrarmos somente uma amostra do conforto e do Seu amor. O perfume é símbolo daquilo que já foi.

Versículo 6

A alma se derrete porque ao abrir a porta, o noivo já havia ido embora.

Mas ele avisou antes que o buscou e não achou, chamou e não houve resposta. Que triste, que deserto e desespero.

Quantas vezes ouvimos Deus nos chamar e não atentamos – isso significa que passou o tempo da visitação. A Glória de Deus não vem mais sobre aquela casa.

Isso acontece?

Acontece sim, e pode ser provado na Palavra: em Jerusalém, uma entrada triunfal de Jesus Cristo, os discípulos cantavam e O honravam. Montado em um jumentinho, naquela hora havia festa, adoração extravagante, espiritual e verdadeira, mas os fariseus queriam que acabasse com tudo e pediam para Jesus silenciar os discípulos.

Nosso lado religioso faz com que acabemos com a adoração (Lucas 17:39-40).

Porém, Jesus disse que se eles parassem as pedras clamariam. Deus põe outro no lugar.

Jesus chora por aqueles a quem Ele procura.

Lucas 19:41-44

Ah! Se eu tivesse conhecido.

Porque não reconheceram o tempo da oportunidade de Deus.

Eles têm as obras, mas não serão reconhecidos.

Não perca a oportunidade de dar a Deus o que Ele mais deseja. A adoração e comunhão íntima. Não perca o tempo da visitação. Que não passe de mim o tempo da Tua visitação.

Às vezes, Deus irá nos chamar em momentos em que não estaremos esperando. Deus só quer que tenhamos sensibilidade e que abramos à porta.

Não podemos querer padronizar a nossa adoração.

Jesus vem, e vem onde há sede e não precisa nem bater porque a porta já está aberta.

Deus abençoe.

Ap. Rina

Rinaldo Luiz de Seixas Pereira , o Apóstolo Rina, é pastor fundador da Igreja Bola de Neve. Tem formação em marketing, teologia e pós-graduação em administração.  

'